Leilões de julho: Ministério da Justiça coleta quase R$ 13 milhões

Leilões de julho

Leilões de julho totalizaram 32, feitos pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas e Gestão de Ativos (Senad)

Durante o mês de julho, mais de R$ 12,8 milhões foram arrecadados, com os 32 leilões realizados pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas e Gestão de Ativos (Senad), do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Leilões de julho

Além disso, na lista, 709 ativos dos leilões de julho, que vão de imóveis e carros a bens menores, como celulares e joias, foram destinados à venda pela metade do valor de avaliação em 13 estados e no Distrito Federal. Isso tudo acaba por movimentar a economia do país.

De acordo com nota do Ministério da Justiça:

“O valor arrecadado com a descapitalização de criminosos volta para a sociedade por meio de investimentos em políticas de segurança pública e de combate às drogas e capacitação de profissionais e projetos em âmbito nacional. E também com a destinação de equipamentos para os órgãos integrantes do Sistema Único Segurança Pública, como as polícias militares e civis e corpos de bombeiro militar.”

Imóveis e veículos

Entre os cinco imóveis leiloados em julho está uma fazenda de mais de 970 hectares em Barra do Garças, Mato Grosso.

As terras foram avaliadas em mais de R$ 5 milhões e o lance inicial foi estipulado em R$ 2,575 milhões. O imóvel foi arrematado por mais de R$ 6 milhões.

Já em relação ao leilão de 184 veículos, entre carros, motocicletas e sucatas, arrecadou R$ 3 milhões. O destaque foi uma aeronave modelo 210M (Centurion II), fabricada no ano de 1978. O monomotor, avaliado em R$ 570 mil, foi arrematado por R$ 1,221 milhão. Nesse caso, o lance inicial foi R$ 285 mil, de acordo com o Senad.

Outro item vendido foi um utilitário modelo Jeep G Cherokee avaliado em R$ 47,9 mil, que saiu por R$ 50 mil. O lance mínimo era de R$ 23,9 mil.

Itens de menor valor

Por outro lado, itens de menor valor como celulares, joias, capacetes e pallets de madeira e até mesmo uma prensa hidráulica, um trator Valmet também foram arrematados e responderam pela arrecadação de mais de R$ 56 mil.

Arrecadação no ano além dos leilões de julho

Até julho deste ano, o Ministério da Justiça arrecadou mais de R$ 63 milhões, em 197 leilões.

Entre janeiro e julho, mais de 3,5 mil ativos foram arrematados.

Por fim, o Ministério da Justiça afirmou:

“Os interessados em adquirir os ativos que ainda estão disponíveis para lances devem acessar a página do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que irá direcioná-los aos sites dos leiloeiros parceiros da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas.”

*Foto: Reprodução

Imposto de importação de 13 produtos: Governo reduz entre medicamentos e lúpulo para cerveja

Imposto de importação de 13 produtos

Imposto de importação de 13 produtos tem o intuito de evitar o desabastecimento no mercado interno. Taxas caíram para entre 0% e 6,5%

Na última sexta-feira (15), a Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou a redução do Imposto de Importação de 13 produtos para taxas entre zero e 6,5%. A lista inclui remédios, equipamentos médicos, tinta para impressão de livros, lentes de contato, lúpulo para cervejarias e resina de polipropileno.

Redução de imposto de importação de 13 produtos

Sendo assim, a partir da decisão da pasta de economia, medicamentos contendo olaparibe, usados no tratamento de cânceres de mama, ovário e próstata, terão a tarifa de importação zerada. O mesmo valerá para remédios que têm em sua composição brometo de tiotrópio monoidratado e cloridrato de olodaterol – broncodilatador indicado para o tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

O governo também cortou, de 16% para zero, as alíquotas de importação de dois dispositivos médicos: um endovascular, que dissolve e elimina trombos; e outro para cirurgia médica endovascular assistida por robótica, que envolve cateteres, stents coronários e vasculares periféricos, entre outras situações médicas.

Desabastecimento – como evitar

Contudo, para evitar o desabastecimento, a Camex aprovou a redução para zero do Imposto de Importação de fio de alta tenacidade de poliéster; extrato de lúpulo; um tipo de filtro solar; e dois sistemas — um prótese valvular cardíaca e outro de fixação de eletrodo no crânio, para casos de Doença de Parkinson.

Além disso, o mesmo motivo será para: tintas pretas e coloridas para impressão de livros e lentes de contato de silicone hidrogel, que tiveram as tarifas de importação reduzidas para 2%.

Resina de polipropileno

Por fim, a resina de polipropileno está com uma tarifa de 6,5%. O produto é utilizado na fabricação de itens para diversos segmentos da indústria, como aplicações em embalagens flexíveis, sacos para grãos e fertilizantes, cadeiras plásticas, brinquedos, eletrodomésticos e autopeças, entre outros usos.

*Foto: Unsplash/Myriam Zilles

Bandeira verde Aneel segue em junho, sem cobrança adicional

Bandeira verde Aneel

Bandeira verde Aneel não repassará cobrança final aos consumidores

Na sexta-feira (27), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que manterá a bandeira verde acionada em junho para todos os consumidores do Brasil. Com a decisão, as contas de luz seguem sem cobrança adicional no próximo mês, o que ajuda na economia para toda a população do país.

Bandeira verde Aneel

Sendo assim, a bandeira verde Aneel indica “condições favoráveis de geração de energia”. Além disso, em nota, a agência diz que a tendência, segundo agentes do setor elétrico, é que o patamar seja mantido nos próximos meses também.

Vale destacar que a bandeira verde entrou em vigência no dia 16 de abril. Entretanto, antes, no período de setembro de 2021 a 15 de abril, os consumidores tiveram de pagar um adicional de R$ 14,20 por 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos, referente à bandeira escassez hídrica. O patamar foi criado no ano passado por conta da grave escassez nos principais reservatórios.

Sistema de bandeiras tarifárias

Contudo, o sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 com a finalidade de indicar os custos da geração de energia no país aos consumidores, além de atenuar os reajustes das tarifas e o impacto nos orçamentos das distribuidoras de energia.

Todavia, anteriormente, o custo da energia em momentos de mais dificuldade para geração era repassado às tarifas apenas uma vez por ano, no reajuste anual de cada empresa, com incidência de juros. Por outro lado, agora, os recursos são cobrados e repassados às distribuidoras mensalmente por meio da “conta Bandeiras”.

Produção baixa de energia

Em suma, a bandeira verde, quando não há cobrança adicional, significa que o gasto para produzir energia está baixo. Entretanto, as bandeiras amarela e vermelha 1 e 2 equivalem a um aumento no custo da geração e a necessidade de acionamento de térmicas. E isso tudo está ligado especialmente ao volume dos reservatórios e das chuvas.

*Foto: Unsplash

Registro preliminar de IPO do Nubank: pedido confidencial

IPO do Nubank

IPO do Nubank foi registrado tanto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) quanto na SEC (Securities and Exchange Commission), reguladora do mercado de capitais nos Estados Unidos

Nesta quarta-feira (27), o Nubank entrou com pedido confidencial para registro preliminar de IPO (oferta pública inicial de ações). E isso, tanto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) quanto na SEC (Securities and Exchange Commission), reguladora do mercado de capitais nos Estados Unidos.

IPO do Nubank

Hoje, o Nubank é a maior fintech da América Latina. O banco digital conquistou este título por querer abrir seu capital no EUA no começo do ano que vem.

No Brasil, o IPO do Nubank diz respeito à CVM e à B3, com listagem de emissor estrangeiro categoria “A”; registro e admissão à negociação de programa de BDRs patrocinado, de nível 3; e registro de oferta pública inicial de distribuição de BDRs representando ações ordinárias classe A.

Pedido confidencial de IPO do Nubank

Além disso, por se tratar de um pedido confidencial, os números da empresa, em termos do setor de economia em ascensão, ainda estão sob sigilo. Porém, a expectativa é de que a fintech seja avaliada em mais de US$ 55 bilhões.

Vale reforçar que duas semanas atrás, o Nubank informou ter atingido seu primeiro semestre no azul da história. A empresa reportou também que seu lucro líquido foi de R$ 76 milhões, entre janeiro e junho deste ano. No mesmo período de 2020, a fintech teve prejuízo de R$ 95 milhões.

Acionistas

Contudo, outro fator positivo antes do IPO é o respaldo de seus acionistas. Isso porque em junho, o Nubank recebeu US$ 750 milhões em aportes, chegando a um valuation de US$ 30 bilhões.

Última captação

Em sua última captação, a empresa recebeu US$ 500 milhões da Berkshire Hathaway, holding do bilionário Warren Buffett, um dos maiores investidores do mundo.

Já o investimento de US$ 250 milhões foi liderado pela gestora americana Sands Capital e contou com a participação das gestoras brasileiras Absoluto, de José Zitelmann e Gustavo Hungria, e Verde, do também grande investidor Luis Stuhlberger.

*Foto: Unsplash/Neon Brand

Efeitos da inflação: BC está atento e comprometido com meta

efeitos-da-inflação-bc-está-atento-e-comprometido-com-meta

Efeitos da inflação foram impactados por itens voláteis, como alimentos e preços de energia, com tendência a serem mais esporádicos, afirma diretora do Banco Central

Na segunda-feira (11), Fernanda Guardado, diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​ do Banco Central, ressaltou que a autarquia está comprometida com a entrega da inflação na meta em 2022. Além disso, ela também está atenta aos efeitos da inflação no país.

Efeitos da inflação

A diretora, que participou de uma reunião anual do Institute of International Finance (IIF), avaliou que o preço de serviços no Brasil está em processo de realinhamento. Porém, mesmo assim a taxa atualizada ainda está em patamar considerado baixo.

Alta de preços

Por outro lado, a respeito da significativa alta de preços na economia, Fernanda afirma que a inflação foi impactada por itens voláteis como alimentos e preços de energia. Ambos tendem a ser mais esporádicos, apesar de estarem demorando mais para cederem.

Contudo, a diretora reconheceu que a surpresa nesses itens voláteis tem sido “bastante grande”. Ela disse em inglês.

“Por isso temos subido (a Selic) a um ritmo muito rápido, estamos ajustando nossa taxa de juros. E estamos almejando conter pressões inflacionárias de segunda ordem.”

E ainda complementou:

“É isso que temos em mente. Queremos trazer a inflação de volta à meta no ano que vem. Então estamos muito empenhados em alcançar esse objetivo. E vamos fazer tudo que pudermos fazer para fazer a inflação convergir para a meta a fim de conter essas pressões inflacionárias.”

Meta de inflação

Em contrapartida, a meta de inflação em 2022 é de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. Em seu cenário base, o BC vê o IPCA do próximo ano ligeiramente acima deste patamar, em 3,7%.

Em seu cenário base, o BC vê o IPCA do próximo ano ligeiramente acima deste patamar, em 3,7%. Já o mercado projeta inflação de 4,17% em 2022, segundo dados do boletim Focus mais recente. E que também houve projeção alta em setembro.

Neste caso, a taxa básica de juros está em 6,25% e o BC tem indicado que deve elevá-la novamente em 1 ponto percentual em sua próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorre no fim deste mês.

Inércia inflacionária

Contudo, a diretora do BC pontuou também que os modelos internos na autarquia não sugerem que a inércia inflacionária subiu muito. Ela frisou ainda que o país vive agora seu pico inflacionário. Isso considerando a taxa acumulada em 12 meses, e que este ritmo tende a perder força daqui em diante.

Já em relação ao quadro fiscal brasileiro, a diretora destacou que há muita incerteza sobre a gestão das contas públicas, o que tem sido impacto nas expectativas de inflação.

Ela concluiu essa incerteza para 2022 entra no balanço de riscos do BC na direção de inflação mais alta.

“Em um cenário com recuperação muito forte do consumo, vemos a necessidade para gasto extra como menor, mas isso, é claro, não cabe ao BC dizer, cabe ao governo e aos parlamentares decidir.”

*Foto: Reprodução/Sérgio Lima/Poder 360

Projeção para inflação 2021: mais uma semana consecutiva de aumento

projeção-para-inflação-2021-mais-uma-semana-consecutiva-de-aumento

Projeção para inflação 2021 teve alta pela 25ª semana, segundo boletim Focus

Na segunda-feira, o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), revelou que o mercado prosseguiu com o aumento das expectativas para a inflação neste pela 25ª semana consecutiva. Além disso, ao mesmo tempo, continuou a ver crescimento menor da atividade da economia para 2022.

Projeção para inflação 2021

De acordo com a pesquisa, a projeção para inflação 2021 registrou até o momento uma alta do IPCA. O índice foi de 8,45%, ante 8,35% na semana passada. Já para o ano que vem a conta também pode subir: 4,12%, contra 4,10% da estimativa anterior.

Por outro lado, o centro da meta oficial para a inflação em neste ano é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%. Mas sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Banco Central

Contudo, na semana passada o BC elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, chegando ao patamar de 6,25% ao ano. E ainda indicou que irá avançar em “território contracionista” ao dar sequência ao seu agressivo ciclo de aperto monetário. O objetivo é domar uma inflação que tem se mostrado mais persistente e disseminada.

Ata da reunião

Até ontem (28), o mercado aguardava a divulgação da ata desta reunião, em busca de mais detalhes sobre a decisão. Já na quinta-feira (30), o Banco Central divulga também seu Relatório de Inflação.

PIB

Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa de crescimento em 2021 foi mantida em 5,04%. Porém, para o ano que vem caiu 0,06 ponto percentual, a 1,57%.

Boletim Focus

Por fim, o boletim Focus desta semana contou com uma centena de economistas que mostrou que ainda não teve alterações na perspectiva para a taxa básica de juros. Portanto, o cenário para a Selic permanece em 8,25% este ano e em 8,50% no próximo.

*Foto: Divulgação/EBC

Reforma do IR afeta cidades com perdas que chegam a R$ 1,5 bilhão

reforma-do-IR-afeta-cidades-com-perdas-que-chegam-a-R$-1,5-bilhão

Reforma do IR afeta cidades em caso de aprovação, revela a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf)

Na terça-feira (17), a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) divulgou que a reforma do IR afeta cidades. E isso tanto para as principais capitais brasileiras, quanto para as maiores cidades do país, caso esta versão mais recente do projeto em tramitação na Câmara dos Deputados. As perdas na economia podem chegar a R$ 1,5 bilhão.

Como a reforma do IR afeta cidades

Além disso, a estimativa da entidade é que a reforma do IR afeta cidades. E que os principais municípios passem a receber R$ 800 milhões a menos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). E R$ 700 milhões a menos no IR sobre os rendimentos do trabalho retidos. Portanto, estes fatores ameaçariam sua capacidade de prestar serviços básicos à população. A votação do texto da reforma foi adiada mais uma vez na tarde de ontem (17). Em nota, a Abrasf afirmou:

“A base do projeto foi entregue aos parlamentares pela equipe do Ministério da Economia e, mesmo após sofrer ajustes, a última versão do substitutivo apresentada pelo relator, deputado Celso Sabino, permanece inadequada e não compensa as perdas dos Municípios e Estados.”

Proposta original

Vale lembrar que a proposta original de reforma do IR do governo, enviada à Câmara previa uma redução gradual da alíquota do IR da Pessoa Jurídica e a implantação de uma taxação de 20% sobre os dividendos distribuídos, entre outras mudanças.

A estimativa é que o conjunto das medidas geraria um ganho líquido de R$ 1,9 bilhão para o governo em três anos.

Relator do projeto

Celso Sabino (PSDB-PA), relator do projeto na Câmara, alterou pontos da proposta e, em negociação com o governo, aprofundou a desoneração do IRPJ. Porém, também previu uma alteração na Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). E vale ressaltar que ela não é compartilhada com Estados e municípios. Por fim, a ideia, ao mexer na CSLL, foi atenuar as perdas de arrecadação dos governos regionais.

*Foto: Divulgação

Citi prevê dólar acima dos atuais R$ 5,20 para encerramento do ano

citi-prevê-dólar-acima-dos-atuais-R$ 5,20-para-encerramento-do-ano

Citi prevê dólar acima e eleva estimativa para inflação a 6,4%

Nesta semana, o Citi manteve estimativa de que o dólar encerrará 2021 em R$ 5,32. Sendo assim, haverá normalização da política monetária norte-americana e alta da moeda no mundo. Além disso, passou a ver a inflação ao consumidor no Brasil de 6,4% neste ano, puxada pelos preços da energia.

Citi prevê dólar acima dos atuais R$ 5,20

Antes, o banco esperava IPCA de 6,1%. Por outro lado, o setor de economia do Citi, liderados por Leonardo Porto, explicou que a mudança de projeção decorreu da expectativa de que a Aneel mantenha a bandeira vermelha patamar 2 até o fim do ano. Isso porque a situação dos reservatórios hídricos continua a se deteriorar.

Projeção para 2022

Para 2022, o banco norte-americano manteve prognóstico de 3,5%, mas fez ressalvas. Em relatório, a instituição bancária afirmou:

“Para 2022, embora esperemos que a inflação proveniente tanto de energia quanto de bens comercializáveis diminua (deflação no caso do primeiro), a inflação proveniente de bens não comercializáveis está aumentando mais rapidamente do que o esperado anteriormente, uma vez que a economia está reabrindo de forma mais consistente e o hiato do produto está fechando. Os riscos estão inclinados para cima.”

Previsão para Selic

Em relação à estabilidade na projeção do IPCA para o ano que vem, o Citi manteve a previsão para Selic. Neste caso ela é de 6,75% para fim tanto de 2021 quanto de 2022. Mesmo assim, o banco ponderou que os riscos são de uma taxa mais elevada.

Com a estabilidade na projeção do IPCA para 2022, o Citi manteve a previsão para Selic: de 6,75% para o fim tanto de 2021 quanto de 2022. Ainda assim, o banco ponderou que os riscos são de uma taxa mais elevada. Sobre isso, os economistas afirmaram:

“Vale ressaltar que uma inflação mais alta em 2022 exigiria uma taxa de juros mais alta para levar a política monetária à neutralidade (taxa de juros real em torno de 3,00%).”

Expansão segue

Em contrapartida, para a economia, os profissionais seguem vendo expansão de 5,1% neste ano e de 1,8% para o ano que vem. Além disso, a previsão de 2022 é prejudicada por políticas monetária e fiscal mais apertadas.

PIB

Já o segundo trimestre deve ter sido de variação quase nula do PIB, ao passo que o terceiro trimestre deve mostrar aumento de 0,2% sobre o segundo. Com isso, o PIB deve avançar 0,3% nos últimos três meses de 2021.

Contudo, o dólar deve encerrar o ano acima dos atuais R$ 5,20. Além da política monetária dos Estados Unidos e da força da moeda no mundo, mais ruídos fiscais no Brasil devem afetar negativamente a taxa de câmbio.

Entretanto, os preços mais altos das commodities devem garantir um robusto superávit comercial de US$ 63 bilhões em 2021. Por outro lado, deve apoiar o primeiro saldo positivo nas transações correntes desde 2006 (de US$ 11 bilhões, ou 0,7% do PIB).

*Foto: Divulgação

ONU diz que investimento estrangeiro no país caiu 62% em 2020

onu diz que investimento estrangeiro no país caiu 62% em 2020

Investimento estrangeiro no Brasil caiu cinco posições no ranking dos principais destinos desse tipo de investimento

Na segunda-feira (21), foi publicado que o Brasil caiu cinco posições no ranking dos principais destinos de investimento estrangeiro. Agora ele está na 11ª posição. Além disso, a queda foi mais intensa que a registrada pela América Latina e Caribe, e mais acentuada que a média global, de 35%.

Situação do investimento estrangeiro no Brasil

O Investimento Estrangeiro Direto (IED) no Brasil despencou 62% em 2020. Os dados são do Monitor de Tendências de Investimentos Globais, divulgados pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Em 2020, os recursos estrangeiros investidos no país totalizaram US$ 25 bilhões. Este foi o menor patamar em duas décadas, “drenado” pelo desaparecimento de investimentos na extração de petróleo e gás natural, além do fornecimento de energia e serviços financeiros, aponta o relatório. No ano anterior, o volume de investimentos havia ficado em US$ 65 bilhões.

Em decorrência dessa queda, o Brasil também caiu no ranking dos países que mais recebem investimento estrangeiro direto. O país foi da 6ª posição em 2019 para o 11º lugar.

Movimento global

Apesar de o movimento registrar maior força no país, ele foi global: em todo o mundo, o fluxo de investimento estrangeiro direto caiu 35% em 2020, para US$ 1 trilhão, ante US$ 1,5 trilhão no ano anterior – retornando ao patamar de 2005. Segundo a Unctad:

“A crise da Covid causou uma queda dramática no IED.”

Pandemia

Além disso, o relatório mostrou também que os fechamentos adotados em todo o mundo em combate à pandemia reduziu a velocidade dos projetos de investimento já existentes. E isso também se refletiu na perspectiva de uma recessão, o que levou as multinacionais a reverem novos projetos.

Entretanto, o impacto da pandemia sobre os investimentos estrangeiros foi concentrado principalmente no primeiro semestre de 2020.

Economias em desenvolvimento X desenvolvidas

A Unctad também afirmou:

“A queda foi bastante dirigida em direção às economias desenvolvidas, onde o IED caiu 58%.”

Em termos de economia em desenvolvimento, a queda foi mais moderada, de 8%, “principalmente por conta de fluxos resilientes na Ásia”.

Como resultado, as economias em desenvolvimento passaram a ser destino de dois terços do investimento estrangeiro global, que em 2019, representavam pouco menos da metade.

Por outro lado, entre o grupo das economias em desenvolvimento, o resultado foi bem desigual. Sendo assim, o Brasil apresentou um desempenho bastante negativo em relação aos demais países. E isso mesmo em comparação ao conjunto da América Latina e Caribe, que viu o fluxo recuar 45% em 2020. No mesmo período, os fluxos tiveram queda de 33% no Chile, 46% na Colômbia, e de 38% na Argentina.

Já na África, a queda foi de 16%, enquanto a Ásia viu aumento de 4%.

Choque na Europa e América do Norte

Na Europa, o choque foi maior, com o fluxo de investimento direto despencando em 80%. Já na América do Norte, a queda foi de 42%, com os Estados Unidos permanecendo no topo dos países que mais recebem esse tipo de investimento.

Expectativas

Para 2021, a estimativa é que os investimentos cresçam entre 10% e 15% globalmente. Com isso, o IED fica em torno de 25% abaixo do nível de 2019. As estimativas atuais indicam para uma nova alta em 2022, que podem levar os investimentos de volta ao patamar de 2019, a US$ 1,5 trilhão.

Entretanto, a recuperação deverá ser desigual, com as economias desenvolvidas puxando a retomada. Enquanto isso os fluxos para a Ásia devem seguir resilientes. Neste caso, o relatório aponta que uma recuperação substancial para a África e para a América Latina é improvável no curto prazo.

Dados do BC

Em janeiro, o Banco Central do Brasil (BC) informou que os investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ 34,1 bilhões no ano passado, com queda de 50,6% em relação a 2019.

Foi o menor ingresso de investimentos diretos na economia brasileira desde 2009 (US$ 31,480 bilhões). Ou seja, em 11 anos, e ocorreu em meio à queda do Produto Interno Bruto (PIB) e à tensão nos mercados, provocada pela pandemia de Covid-19.

*Foto: Divulgação

SmartStore quer ampliar negócio com unidades em hotéis, indústrias e condomínios empresariais

smartstore quer ampliar negócio com unidades em hotéis, indústrias e condomínios empresariais

SmartStore começou com minimercados autônomos em conjuntos residenciais

A startup SmartStore, focada em minimercados autônomos em conjuntos residenciais, acaba de instalar uma unidade de teste em um hotel de Santos e outra em um condomínio empresarial de Sumaré, ambas em São Paulo. Vale ressaltar que a empresa se tornou uma sensação na pandemia em meio à crise da economia no país.

Startup SmartStore

A ideia da SmartStore é desenvolver um plano piloto por 60 dias para observar a rentabilidade do modelo de negócio antes de lançá-lo aos licenciados.  

Atualmente, a startup possui 122 lojas em funcionamento. Além disso, a empresa projeta chegar ao fim do ano com 200 abertas.

Para viabilizar a ideia é preciso diversificar as opções além das áreas de moradia. Portanto, entra neste plano as indústrias. Hoje, dez pontos de venda já estão em plantas, metade deles na Ambev.

Segundo Evandro Machado, fundador da SmartStore:

 “A previsão é que 15% do total de minimercados fiquem dentro de empresas.”

Parcerias

Contudo, a empresa pretende ainda fazer parcerias com fábricas com, ao menos, 150 funcionários. Com isso, o licenciado se responsabiliza por puxar o contato, e a startup finaliza a negociação.

Em seguida, a empresa que cedo o espaço para a instalação do minimercado recebe até 5% do faturamento mensal da loja, que gira em torno de R$ 12,5 mil.

Receita em 2021

No mercado desde março de 2020, a expectativa é que a startup alcance receita de R$ 23 milhões em 2021. Só no ano passado, a operação rendeu R$ 3 milhões, revela Machado:

“A maioria dos licenciados são pessoas que perderam o emprego na pandemia e viram no nosso negócio uma oportunidade de recompor a renda.”

Taxa de adesão

Para participar como parceira, a taxa de adesão é de R$ 12 mil. Já a mensalidade da licença custa 5% do que o minimercado embolsar por mês com a venda de produtos. Os que possuem mais saída até o momento são bebidas alcoólicas e sorvetes.

Aplicativo

Em setembro passado, a SmartStore lançou um aplicativo por onde os consumidores podem checar o estoque das lojas. Além disso, eles podem dar sugestões de mercadorias que gostariam de encontrar nas prateleiras.

Foi com esta iniciativa, a venda de paletas mexicanas começou. Hoje, o item é o campeão da categoria de sorvetes.

*Foto: Divulgação