Hospital Oncológico de Brasília será construído

hospital oncológico de brasília será construído

A construção Hospital Oncológico de Brasília será viabilizada após a Caixa Econômica Federal liberar o valor da licitação de quase R$ 120 milhões, depois do pedido do GDF à Justiça Federal

Foram mais de dois anos de impasses, em disputas judiciais para que o Hospital Oncológico de Brasília agora possa ser construído. Ontem (5), a Caixa Econômica Federal liberou R$ 119.772.956,37 para licitação e construção da unidade de saúde. O repasse de recursos só foi aprovado depois de uma decisão favorável obtida pelo governo local na Justiça Federal, o que incluiu uma revisão do projeto original da edificação.

Obras do Hospital Oncológico de Brasília

Com a aprovação de recursos, a previsão é de que as obras, lideradas pela Novacap, tenham início já no primeiro semestre de 2020, como afirma o governador Ibaneis Rocha:

“Este é mais um contrato que estamos destravando. O dinheiro estava praticamente perdido, e trabalhamos muito para recuperá-lo na Caixa, além de refazer todo o projeto, modernizando o hospital. É mais uma demonstração de seriedade com que estamos tratando o DF. Quero que esse centro oncológico seja uma referência nacional no tratamento do câncer, que preste serviços de qualidade e ajude a transformar a capital em um centro médico cada vez mais importante no Brasil”.

Além do Hospital Oncológico de Brasília, a ideia é construir mais sete UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), o Complexo Hospitalar do Guará e duas unidades de saúde em Ceilândia, uma delas será o Hospital Materno-Infantil, conforme declaração do chefe do Palácio do Buriti.

Impasses de dois anos

Para ser viabilizada a construção do Hospital Oncológico, houve um impasse de mais de dois anos, com início em 30 de agosto de 2017, quando o então governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) apresentou o projeto de implantação da unidade de saúde à Caixa Econômica Federal. No entanto, o banco não deu aval para sua construção.

Somente neste ano, que o atual governador do DF, Ibaneis Rocha, obteve a autorização da Justiça Federal para prorrogar o prazo de conclusão e entrega dos projetos para a obra do Hospital Oncológico. Com seis meses a mais, ele evitou a perda de R$ 121 milhões de recursos do governo federal designados à construção da unidade de saúde. A quantia tinha sido obtida em 2016 por meio de emendas parlamentares de bancada do DF no Congresso Nacional.

Muitas alterações tiveram de ser feitas no projeto original para ser novamente apresentado, segundo informações de Francisco Ramos, diretor de Edificações da Novacap:

“Primeiro, fizemos uma análise melhor do orçamento, mexemos na questão estrutural, de edificações, na arquitetura e nos quantitativos de materiais”.

Local da construção

O Hospital Oncológico de Brasília será construído em um terreno de 30 mil metros quadrados, situado no Setor Noroeste da capital federal, e que fica perto do Hospital da Criança.

O empreendimento contará com 152 leitos de internação, 20 de unidade de terapia intensiva (UTI) e capacidade para realizar cerca de 9 mil atendimentos por ano. Segundo estimativas, a obra deve ser entregue em dois anos e meio.

Fonte: Correio Braziliense

*Foto: Divulgação / Gustavo Urpia – SECOM BA

Já é obrigação dos estados e municípios alçarem taxa previdenciária de 14%

já é obrigação dos estados e municípios alçarem taxa previdenciária de 14%

Decisão de taxa previdenciária consta da reforma da Previdência e deve ser cumprida pelos estados e municípios até julho de 2020

Anunciada em novembro, a reforma da Previdência estipula que estados e municípios já aumentem suas taxas previdenciárias de contribuição cobradas de servidores públicos. O prazo limite para o cumprimento da decisão é para julho de 2020.

Taxa previdenciária

A proposta modifica normas de aposentadoria ganhou força e foi autorizada pelo Congresso depois de um acordo que determinava poupar os governos regionais e deixar que estes fossem tratados em uma proposta paralela, a ser debatida em outra ocasião.

No entanto, mesmo que tenha ficado de fora da estrutura central da reforma, assim como nas alterações a respeito da idade mínima para aposentadoria e tempo de contribuição, os entes federativos foram prejudicados por outros pontos que constam no decreto.

De acordo com a portaria publicada nesta quarta-feira (4), o governo determinou, por exemplo, que estados e municípios terão a data limite de 31 julho de 2020 para provar que elevaram as alíquotas previdenciárias de seus servidores em ao menos 14$, como estipula a reforma.

Já os governadores e prefeitos terão duas opções. Ou fixar uma taxa de pelo menos 14%, ou adotar o modelo progressivo da União, com contribuições que variam entre 7,5% e 22%, a depender da remuneração do servidor.

Falta de cumprimento

O ente federativo que não comprovar que adotou a nova regra até fim de julho do ano que vem será punido com a perda do certificado de regularidade previdenciária e ainda poderá ficar sem receber repasses voluntários de recursos da União, e também ser bloqueado em operações de crédito.

Atualmente, a taxa previdenciária mínima é de 11%. A maioria dos entes cobra valores inferiores a 14%. O único estado que já adotou contribuição maior do que o piso é Goiás, que cobra 14,25% de seus servidores.

Na época de tramitação da reforma, parlamentares questionaram o fato de que nem todos os pontos que alcançam estados e municípios foram tirados da proposta. Portanto, tais trechos foram motivos de debate no Congresso, pois deputados defendiam que não tivesse nenhum efeito sobre os entes. Mesmo assim, as mudanças foram aprovadas.

Esclarecimento

Sobre isso, Marlon Nogueira, secretário adjunto de Previdência, esclarece a importância de quem tudo atrelado a estados e municípios ficou de forma desta reforma previdenciária:

“Tem vários dispositivos da emenda constitucional que se aplicam também a estados e municípios. O que ficou de fora são as regras de aposentadoria e pensão por morte. As regras de concessão e cálculo dos benefícios ficaram na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) paralela”.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Agroecologia: saiba mais sobre este novo mercado

agroecologia saiba mais sobre este novo mercado

Agroecologia é baseada no desenvolvimento sustentável e na produção de comida livre de agrotóxicos, fortalecendo a agricultura camponesa de diversas regiões do país

Atualmente, muitos produtores rurais têm sido procurados por cultivarem uma agricultura livre de agrotóxicos. Este tipo de negócio foi denominado de agroecologia, e tem fortalecido a cultura de subsistência dessas famílias no Brasil.

Agroecologia

Para se ter uma ideia deste novo mercado que se abre, somente na safra de 2019, integrantes do Movimento Sem Terra (MST), no Rio Grande do Sul, celebraram a colheita estimada em 16 mil toneladas de arroz orgânico e agroecológico. Esta é a maior produção do tipo em todo o território nacional. Nesta produção do cereal, trabalham 363 famílias, espalhadas em 15 assentamentos.

No sul de Minas Gerais, o produto mais cultivado é o café orgânico Guaií, por meio do empenho de 20 famílias do quilombo Campo Grande. A bebida é reconhecida internacionalmente por sua alta qualidade. A produção é coordenada por dois coletivos femininos, onde o processo de cultivo também é livre de agrotóxicos.

Já no Ceará, a agroecologia vem de pequenos produtores rurais da Chapada do Apodi. Eles, que enfrentaram grandes corporações agrícolas ao longo dos anos, também fizeram enorme esforço para recuperarem suas terras, criando um novo mercado regional para a comercialização de feijão e mandioca orgânicos.

Sobre as três regiões mecionadas, o professor do Departamento de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Bernardo Mançano Fernandes, disse em palestra apresentada na FAPESP Week France:

“São três exemplos em três regiões do Brasil, mas poderíamos apresentar casos semelhantes em todas as regiões do mundo. Trata-se de um processo de resistência e de superação da questão agrária global. Depois de décadas de subordinação ao agronegócio, os movimentos socioterritoriais criaram seu próprio sistema alimentar baseado na agroecologia”.

Programa de desenvolvimento sustentável

Fernandes é coordenador da Cátedra Unesco de Educação do Campo e Desenvolvimento Territorial e responsável pela criação do primeiro programa de pós-graduação direcionado ao desenvolvimento sustentável para populações de territórios tradicionais.

Nas décadas de 1970 e 1980, diversos governos tentaram implementar políticas que promovessem a “integração” dessas populações por meio da produção de commodities agrícolas e pecuárias, afirma o pesquisador. Mas apenas na década seguinte que apareceram movimento socioterritoriais comandados pela Via Campesina e baseados na agroecologia, que nada mais é do que a agricultura realizada a partir de uma perspectiva ecológica. Fernandes complementa:

“Isso acontece em quase todos os países do mundo e, evidentemente, no Brasil, pois há uma demanda cada vez maior pela produção de comida saudável. É um mercado novo.”

Ele afirma também que alguns movimentos camponeses brasileiros criaram um novo sistema alimentar baseado nos princípios da soberania alimentar, da indústria familiar e dos mercados populares.

Agroecologia x Agronegócio

Com isso, as famílias produtoras de arroz, café, feijão e mandioca, citadas acima, foram subordinadas no passado ao modelo de agronegócio. Fernandes explica que:

“Agora, organizadas no Movimento Sem Terra, recuperaram seus territórios e passaram a produzir alimentos orgânicos e agroecológicos, pois entenderam que era a única forma de continuarem existindo”.

Além disso, outra característica atribuída à agroecologia, ligados pelos movimento camponês, quilombola e indígena, está o fato de não competirem com a forma tradicional de monocultura, realizado em grandes propriedades de terra e com a utilização de agrotóxico.

Isso vale também sobre as vendas, onde os produtos orgânicos e agroecológicos não são comercializados para grandes companhias, mas sim em feiras, mercados institucionais e nos armazéns das cooperativas. Sobre isso, Fernandes afirmou:

“Eles estão criando mercados novos e relações com comunidades que apoiam o agricultor, oferecendo serviços de cestas orgânicas e agroecológicas vendidas diretamente ao consumidor. Também vendem para escolas e hospitais.”

MST

Apesar do MST ser o movimento socioterritorial mais conhecido no país, ele é apenas um dos 126 catalogados pelo Banco de Dados da Luta pela Terra (Dataluta), organização mantida pelo Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (Nera) da Unesp.

Fonte: site Ciclo Vivo

*Foto: Divulgação / Ana Lira

Multilaser abre 1ª loja física em São Paulo

multilaser abre 1ª loja física em são paulo

Além disso, a companhiaaproveita a ocasião para lançar mais um smartphone da marca, o Multilaser H

A empresa nacional Multilaser inaugurou nesta semana sua primeira loja física na capital paulista, situada no piso térreo do Shopping Pátio Paulista. No evento de abertura, a companhia também aproveitou a festividade para lançar o smartphone batizado de Multilaser H. o aparelho possui tela de 6,3 polegadas, com resolução Full HD (1080p), câmera traseira tripla, além do mesmo processador utilizado pela Motorola no dispositivo com tela flexível Razr, o Snapdragon 710.

Loja da Multilaser

O novo espaço de vendas da marca em São Paulo comercializará em torno de 400 produtos, que hoje soma mais de três mil ao portfólio da Multilaser. Entre os exemplos que poderão ser encontrados na loja física estão: celulares, notebooks, tablets, patinetes, alto-falantes com Bluetooth e acessórios para desktops. A companhia ainda não possui um planejamento com o intuito de criar franquias de suas lojas pelo Brasil. Porém, pretende testar, em breve, espaços físicos dentro de redes de varejo parceiras.

A preocupação principal da marca, segundo o presidente da empresa, Alexandre Ostrowiecki, é que a loja possa mostrar aos clientes, futuros consumidores e parceiros os produtos da Multilaser.

Além disso, o presidente também explicou em entrevista à revista EXAME no início deste mês, que a empresa procurou estabelecer um bom equilíbrio entre custo-benefício ao consumidor brasileiro, em virtude do poder aquisitivo da população que está oito vezes menor em comparação ao consumidor norte-americano.

A empresa afirma que todos os celulares da marca são montados no país, com preços que variam de R$ 400 a R$ 1.399, assim como também a linha de tablets destinados ao público infantil.

Novo smartphone Multilaser H

O lançamento Multilaser H conta com sistema operacional Android 9.0 Pie, considerado o mais sofisticado da empresa. O preço sugerido por ele PE de R$ 1.399. Portanto, o smartphone alia um valor de aparelho intermediário, com características de produtos mais avançados, como: tela grande, memória de 128 GB, RAM de 6GB, bateria de 4.000 mAh e câmera tripla (16 MP + 5 MP + 8 MP), que possibilita o recurso de desfoque de fundo em retratos, assim como o de seus concorrentes da Apple e da Samsung.

Principais concorrentes

Pelo valor sugerido e demais funcionalidades, o Multilaser H fica posicionado em uma faixa de preço que vem para brigar com produtos como o Motorola One Vision, o Moto G8 Plus, Galaxy A50 e o Asus Zenfone Max Plus M2.

Vale ressaltar que o celular será comercializado somente via redes de varejo online, na loja física da Multilaser e também pelo site oficial da empresa.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação

Reconhecimento facial determina prisão de 151 pessoas no país

reconhecimento facial determina prisão de 151 pessoas no país

No entanto, o índice não é considerado oficial e pesquisadores resolveram monitorar por conta própria o uso de reconhecimento facial em cinco estados brasileiros

Pesquisadores optaram por monitorar por conta própria o índice de pessoas presas com a utilização de sistemas de reconhecimento facial, na falta de dados oficiais. Entre os meses de março e outubro, 151 indivíduos foram presos, em cinco estados.

Monitoramento por reconhecimento facial

O estado da Bahia ficou em primeiro lugar no ranking, com 52% dos casos de detenção. Em seguida aparecem: Rio de Janeiro (37%), Santa Catarina (7%), Paraíba (3%) e Ceará (1%).

A pesquisa foi realizada com foco em reportagens de veículos de comunicação, além de páginas policiais e de outros órgãos nas redes sociais.

A coleta de dados foi publicada ontem (21), em um relatório da Rede de Observatórios da Segurança, grupo que foi criado em maio deste ano para colher indicadores que não são anunciados oficialmente, entre eles: episódios de racismo, operações policiais e chacinas.

O coletivo é composto por centros de estudo da violência da USP (São Paulo), da Universidade Cândido Mendes (RJ), Iniciativa Negra (BA), da UFC (Universidade Federal do Ceará) e pelo Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Pernambuco).

Perfil dos detentos

O perfil dos detentos por reconhecimento facial, de acordo com o estudo, segue uma tendência da população carcerária brasileira como um todo: 90% eram negros; 88% homens, com idade média de 35 anos e relacionados especialmente ao tráfico de drogas (24%) e roubo (24%).

Além disso, o documento critica duramente o uso do reconhecimento facial no país, afirmando que os projetos implantados não têm sido tão eficientes e transparentes. Os pesquisadores realizaram pedidos por meio da Lei de Acesso à Informação a todos os estados. Porém, para eles, as respostas recebidas foram insatisfatórias. Sobre isso, Pablo Nunes, coordenador de pesquisa da Rede, explica:

“[Os sistemas de reconhecimento facial] são apresentados como formas de modernização da prática policial, mas na verdade têm representado um retrocesso em relação à eficiência, transparência, accountability [prestação de contas] e proteção de dados pessoais da população.”

Ele ainda citou o caso da Bahia, onde foi aconteceu o primeiro teste durante as festividades carnavalescas. Durante os quatro dias da Micareta de Feira de Santana, a tecnologia captou faces de mais de 1,3 milhão de transeuntes e gerou 903 alertas. Porém, apenas 33 mandados de prisão foram cumpridos, o que equivale a 4%.

Reconhecimento facial não é tão simples

Os pesquisadores acreditam que isso ocorreu, pois reconhecer um rosto não é uma tarefa tão simples. O mesmo acontece na biometria do polegar, o que significa que a face não é analisada como um todo. Portanto, é a partir da distância entre alguns pontos que é calculada a probabilidade desta identidade bater com a da pessoa cadastrada no banco de dados.

Em relação ao rosto humano, há possibilidades de ter diferenças ou alterações nessas distâncias, que seriam bem maiores que a de uma digital, ressalta Nunes. Pois, uma pessoa perde colágeno à medida que fica mais velha, e ainda pode estar piscando, bocejando, etc.

Emissão de alerta

Há emissão de alerta quando o indivíduo é filmado pela câmera e possua certo grau de semelhança com outra pessoa que é alvo de um mandado de prisão em aberto. Este grau, no entanto, tem de estar calibrado, pois se for alto pode inviabilizar os avisos e se ainda for baixo pode ocasionar inúmeros falsos positivos.

Um exemplo prático disso aconteceu no Rio de Janeiro, quando uma mulher e um homem foram detidos por engano em Copacabana, no mês de julho (e que foram inclusos no índice total de 151 presos do levantamento).

No caso da mulher, foi descoberto que a procurada por homicídio já estava detida há quatro anos, o que fez com que a PM solicitasse uma revisão na base de dados da Polícia Civil. De acordo com o relatório emitido:

“As tecnologias de reconhecimento facial, como todas as inovações em processo de aperfeiçoamento, estão fadadas a produzir erros. Mas, diferente de que ocorre em outras tecnologias, estes erros podem representar constrangimentos, prisões arbitrárias e violações de direitos humanos.”

Reconhecimento facial em outros estados brasileiros

Neste momento, os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Pará e o Distrito Federal afirmaram estar em processo de contratação ou de implementação do uso de reconhecimento facial. Já a guarda municipal de Pilar, em Alagoas, já possui um projeto de câmeras desse tipo instaladas no teto do espaço.

Neste caso, houve um incentivo do governo federal, que autorizou em outubro uma portaria que regulamenta a utilização de dinheiro do Fundo Nacional de Segurança Pública para a implementação de sistemas de reconhecimento facial, OCR (Reconhecimento Óptico de Caracteres), inteligência artificial e outros.

Todavia, de acordo com o relatório, ainda não existe uma preocupação dos governos em preparar protocolos a fim de proteger esses dados e, consequentemente, estariam ignorando a Lei Geral de proteção de Dados Pessoais, sancionada em 2018.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Conheça os 40 líderes sociais premiados pela Fundação Schwab

conheça os 40 líderes sociais premiados pela fundação schwab

Fundação Schwab destacou líderes na área de inovação que podem gerar um maior impacto social, tanto em ambientes corporativos, como no setor público e da academia

Há mais de 20 anos que a Fundação Schwab reconhece iniciativas de empreendedores sociais, principalmente os que promovem valores inclusivos. Esta geração integra o nicho de P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) ligada à sociedade civil, acelerando soluções de problemas na prática e ainda pensando em novos futuros através da experimentação.

Nas duas últimas décadas, a fundação selecionou e reuniu mais de 350 empreendedores sociais de 70 países e os incorporou às plataformas do Fórum Econômico Mundial.

Estes empreendedores demonstraram um expressivo progresso em relação à sustentabilidade e consumo, saúde e educação, desenvolvimento rural e formação profissional. E também descobriram novos meios de promover direitos humanos e igualdade social em distintos contextos no mundo todo.

Desigualdades mostradas pela Fundação Schwab

No entanto, as desigualdades aliadas à pobreza e fatores climáticos são grandes problemas para que um único empreendedor social ou entidade possa encarar por conta própria.

Portanto, é necessário reconhecer que muitos desses problemas estão interligados e suas causas também são profundas e refletidas na cultura, na história e na política. Além disso, a tomada de soluções são constantemente balizadas por normas desatualizadas e estruturas distorcidas de poder.

Parcerias

Para haver uma alteração de verdade, é fundamental a formação de parcerias com vários stakeholders para que as transformações radicais aconteçam de fato.

É preciso desenvolver a inovação social em todos os setores. Com isso, tecnologias sociais seriam adotadas, testadas, escaláveis e difundidas, seja por meio de empresas sustentáveis no deserto ou por modelos comunitários de atendimento à saúde.

É necessário também ter em mete que liderar o ecossistema de inovação social exige compromisso, resiliência e, claro, imaginação. E mais que tudo isso, de pessoas inovadoras, corajosas e comprometidas.

40 novas lideranças reconhecidas pela Fundação Schwab

Exatamente por tudo isso que a Fundação Schwab ampliou suas atuações para reconhecer e apoiar um ecossistema de agentes pioneiros que compartilham um objetivo em comum: acelerar o progresso rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) e progredir coletivamente no campo da inovação social.

A fundação homenageou com bastante orgulho 40 destas novas lideranças em inovação social durante seu evento anual em Nova York. No mês de setembro, foi reunida a primeira comunidade intersetorial de inovadores sociais no Fórum Econômico Mundial, durante a Cúpula de Desenvolvimento Sustentável.

Premiação

Na ocasião, foram apresentados os escolhidos das três novas categorias de premiados a cada ano, além dos empreendedores sociais. Ativistas, cidadãos e jovens de todo planeta protestam por ações fortes, exigindo mudanças em governos, companhias e instituições.

Para a Fundação Schwab, o que foi presenciado neste encontro foi um grupo comprometido de inovadores sociais chamado de intraempreendedores, que são agentes internos que causam mudanças dentro de governos e empresas. Eles utilizam os recursos à sua disposição para que grandes transformações aconteçam ao mesmo tempo em que lutam por modificações internas necessárias.

No encontro, o ex-chefe do Fundo Nacional de Ciência, Tecnologia e Artes do Reino Unido, que é um dos novos integrantes da Rede Schwab, Geoff Mulgan, afirmou:

“Em todo mundo, o setor público está tendo que aumentar sua capacidade de inovar, abrindo-se à criatividade da sociedade e dos inovadores sociais.”

Já para Garance Wattez-Richard, head da AXA, e um dos nossos premiados do ano, as grandes corporações passam a adotar princípios de inclusão e impacto em seus trabalhos.

“Não existe melhor maneira de desenvolver um negócio de impacto social do que fazê-lo em uma grande corporação que dispõe dos recursos necessários. Mas isso só é possível com envolvimento contínuo da liderança.”

Além disso, os governos presentes no evento também reconheceram a força de contribuição dos empreendedores sociais, que geram sociedades mais inclusivas. E ainda podem liderar políticas e parcerias que permitam que esta ação floresça ainda mais.

ODSs

O grande número de eventos baseados em soluções para os ODSs é um indicativo de que os cidadãos, a sociedade civil e o setor privado devem estar ansiosos para atuarem junto a formuladores de políticas. Com isso, será possível seguir ao alcance das metas globais.

Por fim, a Fundação Schwab afirmou que ao reunir a nova comunidade de líderes transformadores em paralelo à Assembleia da ONU, a intenção foi de desenvolver uma maior compreensão das estratégias para que resulte um trabalho colaborativo.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação / Anthony Collins

750 mil toneladas de trigo terão taxa de importação isenta

750 mil toneladas de trigo terão taxa de importação isenta

Isentar tarifa do trigo significa consolidar o compromisso que o Brasil assumiu junto à OMC

Na semana passada, foi anunciado pelo Ministério da Agricultura que o Brasil implantou uma corta de importação de 750 mil toneladas de trigo por ano isento de tarifas. A medida, por enquanto, tem prazo indeterminado.

Tal cota consolida o compromisso que o Brasil assumiu junto à OMC (Organização Mundial do Comércio).

Implementação da cota do trigo

A implementação da cota do trigo recebeu aval durante uma reunião do Comitê Executivo de Gestão da Camex (Câmara de Comércio Exterior), que foi realizada no dia 5 de novembro, conforma nota divulgada pelo ministério.

A pasta ainda ressaltou que com a medida, as importações de todos os países serão favorecidas com a cota, com exceção das provenientes de nações com as quais o Brasil possui acordo de livre-comércio para o produto. É o caso da Argentina, que é a principal fornecedora de trigo para o Brasil, que é isenta de taxas por ser país-membro do Mercosul.

Previsões da Abitrigo

Já era esperada a cota entrar em vigor em 2020, segundo previsões da Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo). Com isso, a medida pode favorecer especialmente o cereal dos Estados Unidos, Canadá e Rússia.

Em viagem presidencial ocorrida em março deste ano, Jair Bolsonaro acordou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que o Brasil consentiria a importação de no máximo 750 mil toneladas de trigo dos EUA isentas de taxa.

Mercado americano de carnes

A iniciativa seria um dos esforços que o Brasil está fazendo para conseguir entrar novamente no mercado americano de carnes. Tal esforço sempre encontrou resistência dos produtores americanos de proteína animal.

Em meados de 2017, os Estados Unidos suspenderam a compra de carne bovina in natura brasileira, em função da operação Carne Fraca, em que foi revelado um esquema de adulteração do produto que era negociado no mercado interno e externo, em que atestados de qualidade eram obtidos por meio de corrupção de funcionários daquele governo.

Em uma publicação da Folha de São Paulo no dia 4 de novembro, o governo americano negou a abertura de seu mercado à carne bovina in natura do Brasil depois do resultado de uma inspeção técnica comandada pelo Departamento de Agricultura no Brasil.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Aplicativo FalaDoc conecta médicos e pacientes via smartphone

aplicativo faladoc conecta médicos e pacientes via smartphone

Com a tecnologia cada vez mais avançada, agora é possível também falar com seu médico pela tela do celular. É o caso de um novo aplicativo que conecta médicos e pacientes, chamado FalaDoc. O objetivo do serviço é otimizar o tempo gasto em consultas médicas presenciais, além de reduzir o número de pessoas nos prontos-socorros do Brasil.

O projeto, a princípio, é destinado a empresas com a oferta de acesso ao médico da família e também de nutricionista, personal trainer e psicólogo. O sistema funciona por videoconferência ou chat.

Aplicativo FalaDoc

O serviço FalaDoc foi desenvolvido pelos mesmos criadores do sistema FalaFreud, aplicativo que conecta pacientes a psicólogos, proporcionando um acompanhamento psicológico. Seu cofundador, Yonathan Yuri Faber, afirma que a iniciativa de lançar um serviço que oferece acesso a médicos era a ideia inicial desde que o FalaFreud foi lançado em 2016. Em entrevista à revista EXAME, ele explicou:

“Muitas empresas sofrem com a variação do preço do plano de saúde dos funcionários ou perdem dias de trabalho de pessoas que precisam tratar problemas de saúde simples, como uma dor de garganta. O FalaDoc visa minimizar esses problemas para empresas”.

Legislação

Em fevereiro deste ano, a abordagem em torno da telemedicina recebeu o aval do Conselho Federal de Medicina. Todavia, ela foi revogada 20 dias depois, em função de manifestações contrárias da comunidade médica brasileira.

Sobre isso, Faber conta que o aplicativo é baseado em uma legislação antiga que exige a necessidade de atendimento prévio. Portanto, quando a companhia contrata o serviço do FalaDoc, todos os colaboradores terão que passar por consultas com os médicos que atuam com o atendimento por aplicativo.

Em fase inicial de lançamento, atualmente o FalaDoc conta com uma equipe de dez médicos. Ao colocar o aplicativo em funcionamento, seus fundadores, Faber e Renan Pupin, pretendem desafiar o Conselho Federal de Medicina e fazer com o processo regulatório do setor seja acelerado.

Como funciona

O serviço do FalaDoc consiste em o médico coletar informações sobre o histórico de saúde do paciente, podendo solicitar exames quando necessário, que podem ser realizados em laboratórios parceiros da firma. Somente depois desta avaliação presencial é que a continuidade do atendimento ao paciente poderá ser feita à distância.

Este tipo de serviço não é pioneiro no país. As startups ligadas à área de saúde já estão oferecendo esta possibilidade de atendimento, ainda em estágio embrionário. Já a rede de hospitais Albert Einstein é a pioneira em telemedicina no país, conectando médicos a médicos especializados no intuito de promover acesso a profissionais qualificados mesmo à distância.

Diferencial do FalaDoc

No entanto, a proposta do FalaDoc é diferenciada, pois não é necessário a presença do médico de ambos os lados da videoconferência.

Em estágio avançado, a telemedicina norte-americana já conta com serviços de empresas reconhecidas no mercado, como Doctor On Demand e TelaDoc. Nesses casos, o paciente pode ser atendido via internet e receber no período de poucos minutos uma receita de medicamento vinda diretamente da farmácia mais próxima de sua casa. Além dos Estados Unidos, a China e Reino Unido também contam serviços de telemedicina.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação

Você já ouviu o termo Agrovoltaico?

você já ouviu o termo agrovoltaico

O termo Agrovoltaico diz respeito à combinação de painéis solares com o cultivo agrícola, que resulta na otimização da produção

O sistema Agrovoltaico nasceu de uma conclusão de pesquisadores da Universidade do Estado do Oregon (OSU), nos EUA. De acordo com este conceito, menos de 1% de terras agrícolas poderiam ser utilizadas para geração de energia solar e, com isso, a produção seria capaz de atender à demanda global de energia elétrica.

Visão dos cientistas em relação ao Agrovoltaico

De acordo com o autor do estudo e professor associado da Faculdade de Ciências Agrícolas da OSU, Chad Higgins:

“Nossos resultados indicam que há um enorme potencial para a energia solar e a agricultura trabalharem juntas para fornecer energia confiável”.

Além disso, uma extensa pesquisa foi realizada que gira em torno de como as altas temperaturas podem impactar negativamente a produção de energia solar. Portanto, a partir de agora, tal descoberta pode influenciar na escolha por construir grandes matrizes solares em desertos. Higgins ainda acrescenta:

“Os painéis solares são exigentes. A eficiência deles diminui à medida que os painéis ficam mais quentes. A produtividade deles é menor do que poderia ser por acre”.

Universidade do Arizona

Engenheiros agrônomos da Universidade do Arizona também chegaram a uma conclusão similar. Neste caso, os especialistas cultivaram espécies como acelga, couve, ervas, pimenta e tomate à sombra de painéis solares.

Todo o processo foi medido ao longo dos três meses de verão nesta região. Houve monitoramento contínuo em relação aos níveis de luz recebidos, temperatura do ar e umidade relativa, com o uso de sensores tanto acima como abaixo do solo.

Por meio dos painéis fotovoltaicos, uma sombra foi gerada que resultou em temperaturas diurnas mais frias e as noturnas, mais quentes do que o sistema tradicional de plantio a céu aberto. Além do sistema agrovoltaico proporcionar um menor déficit de pressão de vapor, o que significa que havia mais unidade no ar neste período.

O professor da Escola de Geografia e Desenvolvimento e principal autor do estudo, Greg Barron-Gafford afirmou:

“Muitos de nós querem mais energia renovável, mas onde você coloca todos esses painéis? À medida que as instalações solares crescem, elas tendem a estar fora dos limites das cidades e é historicamente onde já cultivamos nossos alimentos”.

E também garantiu:

“Descobrimos que muitas de nossas culturas alimentares se saem melhor à sombra dos painéis solares porque são poupadas do sol direto. A produção total de frutos de ‘pequin pimenta’ foi três vezes maior e a produção de tomate foi duas vezes maior”.

Quanto mais frio, melhor

No entanto, os pesquisadores do OSU basearam suas análises na produção energética, por meio de dados coletados pela Tesla. Graças à instalação de cinco grandes matrizes solares elétricas em terrenos agrícolas do Oregon.

Houve uma sincronia de informações da companhia com dados de estações de pesquisa de microclima, que constatava uma temperatura média do ar, sua umidade relativa, além da velocidade e direção do vento, unidade do solo e energia solar recebida. Sobre isso, Higgins afirmou em tom de brincadeira:

“Descobrimos que quando está frio lá fora, a eficiência melhora. Se estiver quente, a eficiência piora. Quando está calmo, a eficiência é pior, mas um pouco de vento melhora. À medida que as condições se tornaram mais úmidas, os painéis pioraram. Os painéis solares são como as pessoas e o clima, são mais felizes quando está fresco, arejado e seco”.

Portanto, o sistema agrovoltaico se destacou mais uma vez, ou seja, quando lavouras emitem água por meio da transpiração, os painéis solares são resfriados e ficam mais eficazes.

Como aplicar a técnica de agrovoltaico

A coautora do estudo da OSU, Elnaz Hassanpour Adeh, com base nos resultados alcançados, desenvolveu um modelo de eficiência fotovoltaica que é influenciada pela temperatura do ar, velocidade do vento e umidade relativa do ar.

Com isso, ela utilizou mapas globais gerados a partir de imagens de satélite e aplicou esse modelo em todo o mundo, compreendendo 17 classes de cobertura de terra globalmente reconhecidas, integrando classes como áreas de cultivo, florestas mistas, urbanas e savanas. Tais áreas foram qualificadas desde melhor (áreas de cultivo) até pior (neve/gelo) em termos de em qual lugar um painel solar seria mais produtivo. Contudo, os solos áridos, que geralmente são usados para a instalação de sistemas solares fotovoltaicos, ficaram em quinta posição.

Ambos os pesquisadores já tinham publicado análises que revelam que os painéis solares elavam a produção agrícola em solos agrícolas secos e irrigados. Agora, tais resultados recomendam que a localização de painéis solares em pastagens ou terrenos agrícolas poderia somar no rendimento das culturas.

Fonte: site Ciclo Vivo

*Foto: Divulgação

Rio Pinheiros pode ficar limpo com projeto de despoluição

rio pinheiros pode ficar limpo com projeto de despoluição

Mesmo se for limpo, não é recomendável nada no Rio Pinheiros

O governo do Estado de São Paulo lançou o projeto Novo Rio Pinheiros, na intenção de despoluir o rio. No entanto, o órgão deixa claro que não há pretensão alguma deixar toda sua extensão propícia para banhos ou consumo. A ideia é apenas retomar o que ainda possa existir de vida nele. As afirmações são de Benedito Braga, o presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), à época do lançamento do projeto, no fim de setembro.

Na ocasião, ele explicou durante encontro no evento Rios por um Triz – Despoluição dos Rios Pinheiros e Tietê, promovido pela SOS Mata Atlântica, em São Paulo:

“Ninguém está falando de um rio que vai estar disponível para natação, para esportes de contato direto com a água. Ninguém está falando em beber a água do Rio Pinheiros. Estamos falando de um rio que tenha 100% do tempo condições aeróbias. Dessa maneira, ele deixa de cheirar mal”.

E ainda ressaltou:

“É o que foi feito em outras partes do mundo. Muitas vezes dão exemplo do Tâmisa (na Inglaterra), do Sena (na França). Eles de fato não cheiram mal, mas não se pode ter contato direto com suas águas”.

Objetivo de despoluição do Rio Pinheiros

Para ele, o principal objetivo do projeto Novo Rio Pinheiros é conseguir com que “o rio tenha utilidade para a população na região metropolitana de São Paulo”. Ao contrário de tentar fazer uma despoluição direta, o foco da ação será em relação aos córregos que deságuam no rio, ou seja, que não chegue nele itens poluidores, vindos das estações de recuperação de água do córrego.

Desafios

Braga também contou que um dos grandes desafios do projeto para despoluir o Rio Pinheiros será tirar 2.800 litros por segundo de esgoto de suas sub-bacias para se tornar, até o ano de 2022, um rio que possa de fato ser utilizado.

Para isso, foram lançados 14 pacotes de licitação no valor de R$ 1,5 bilhão.

Eduardo Trani, subsecretário estadual e Meio Ambiente, complementou:

“Hoje não existe um lugar em que as pessoas possam parar o carro para visitar o rio. E o projeto vai ter uma série de ideias para a integração rio-cidade”.

Braga finalizou o encontro dizendo que serão construídas passarelas sobre o Rio Pinheiros. Além disso, “com o aumento do calado – da profundidade do rio -, poderia haver navegação turística no Pinheiros”.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação