Privacidade do WhatsApp: rede altera regra; entenda o que muda

privacidade do whatsapp rede altera regra entenda o que muda

Privacidade do WhatsApp gera divergência de opinião entre advogados e que ainda pode infringir LGPD

A partir de hoje (15), o WhatsApp, uma das principais redes sociais de mensagens instantâneas no mundo, vai alterar suas regras de privacidade. Porém, a medida gerou bastante polêmica desde seu anúncio no começo de 2021.

Privacidade do WhatsApp – o que muda

Segundo os novos termos de uso, quem não concordar com este compartilhamento terá sua conta no aplicativo limitada. Além disso, para reativá-la deverá concordar com os termos propostos.

Para o ex-presidente da Comissão de Ética Empresarial e da Comissão de Direito Empresarial na OAB, Francisco Gomes Junior:

“Essas mudanças, a princípio, afetam a privacidade dos usuários, ao permitir que os dados pessoais coletados no uso do aplicativo possam ser compartilhados com outras mídias sociais do mesmo grupo econômico, como o Facebook.”

Lei Geral de Proteção de Dados

O advogado ressalta ainda que a proposta do app afronta a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), responsável por regulamentar como devem ser colhidos, armazenados, usados e excluídos os dados pessoais no Brasil. Sendo assim, pela LGPD, dados pessoais só podem ser usados com autorização da pessoa, além de estipular transparência na forma como esses dados são usados.

No caso da privacidade do WhatsApp, a controvérsia fica exatamente por conta do consentimento do usuário. Este, acaba de certo modo, obrigado a aceitar os termos ou ter seus dados e conversas restringidas pelo app.

“Já existem questionamentos administrativos e de órgãos de defesa do consumidor sobre estes novos termos, mas até o momento não há indicativo de que o WhatsApp aceite negociar alterações para que se obedeça a LGPD e o direito de escolha do usuário.”

E quem não atualizar o app?

Vale lembrar que o Facebook, detentor do app de mensagens, já foi acusado de recolhimento de dados sem autorização diversas vezes. Há casos famosos como o da relação com a empresa Cambridge Analytica, acusada de usar essas informações para influenciar resultados eleitorais nos Estados Unidos e no Brexit do Reino Unido.

Dias de prazo

Apesar de passar a valer hoje a nova regra de privacidade do WhatsApp, a rede social vai liberar alguns dias para que os usuários que ainda não aceitaram os novos termos autorizem o serviço a aplicar suas novas regras.

No ano passado, foi o efeito contrário, com a rede liberando diversas novas funções para o app, relembre aqui.

No Brasil

Aqui no Brasil, o Ministério Público e o Procon já enviaram representações ao WhatsApp. Ambos alertam sobre possíveis violações da LGPD. Sendo assim, tais violações podem render alterações na forma como app vai implementar essas regras de compartilhamento. Por enquanto, a rede social não indicou como vai se comportar diante desses fatores.

Por fim, quem não quiser liberar seus dados sem saber como eles serão usados, existem outros aplicativos de mensagens disponíveis na App Store ou na Play Store.

*Foto: Divulgação

Energia limpa no DF: Claro expande produção

energia limpa no df claro expande produção

Energia limpa no DF acontecerá por meio de usina solar com geração de 6540 MWh/ano, afirma empresa de telecomunicações

Na última sexta-feira (7), a empresa de telecomunicações Claro anunciou, como parte de uma nota etapa de seu programa de fomento do uso de energia sustentável, a inauguração de mais uma usina solar no Distrito Federal. Sendo assim, construída pela multinacional EDP, a usina permitirá abastecer 110 unidades da empresa de telecomunicações. Além disso, ainda evitar a emissão de 490 toneladas de gás carbônico, o que corresponde ao plantio de 2.721 árvores.

Energia limpa no DF

Contudo, a usina de energia limpa no DF será instalada em uma área em torno de seis hectares. O espaço conta com 11.880 módulos fotovoltaicos com potências de 325Wp e 330Wp. Além de 25 inversores, capazes de gerar 6.540 MWh/ano. Esta energia corresponde ao consumo de 2.725 residências com uso médio anual de 2.400kWh.

Vale destacar que este já é o segundo projeto de energia solar da EDP para a Claro. Em junho do ano passado, ela entregou quatro usinas solares de geração distribuída.

Tais empreendimentos, situados em uma área de 5,8 hectares na cidade de Taubaté (SP) possui capacidade instalada de mais de 4 megawatts-pico (MWp). E também garantem o fornecimento de energia renovável a 516 unidades consumidoras da Claro no estado de São Paulo.

Projeto “A Energia da Claro”

O projeto “A Energia da Claro”, lançado em 2017, tem como prioridade o uso de fontes renováveis e ações de proteção ao meio ambiente em todas as operações e instalações da empresa no Brasil.

Sobre isso, Hamilton Ricardo Pereira da Silva, diretor de Infraestrutura da Claro, afirma:

“O ‘Energia da Claro’ é considerado atualmente o maior programa de geração distribuída do país e a parceria estabelecida com a EDP reforça o compromisso da empresa com a inovação e com a sustentabilidade. O investimento constante para inauguração de novas usinas e diversificação das matrizes energéticas, dentro de um programa próprio de energia renovável, prova a importância com que o tema é tratado pela companhia.”

Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica

Em contrapartida, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), afirma que em 2021, o Brasil ultrapassou a marca de 8 gigawatts (GW) de potência instalada na fonte solar fotovoltaica. Sendo 4,9 GW em geração centralizada e pouco mais de 3,1 GW na geração distribuída.

Além disso, desde 2012, já foram investidos mais de R$ 35,4 bilhões no setor, que geraram 210 mil empregos e arrecadação de R$ 10,4 bilhões em receitas, evitando assim a emissão de mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

*Foto: Divulgação/Brasal

Aumento de penas para furto e estelionato na internet: saiba mais

aumento de penas para furto e estelionato na internet saiba mais

Elevação das penas para furto e estelionato na internet é aprovada por Senado e agora vai à sanção presidencial

Na quarta-feira (5), o Senado aprovou um projeto de lei de ordem política que aumenta as penas para furto e estelionato na internet ou ainda de dispositivos eletrônicos, como celulares, computadores e tablets.

Aumento de penas para furto e estelionato na internet

O texto, que é de autoria do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), foi apreciado pela Câmara dos Deputados em abril e sofreu poucas modificações. Sendo assim, os senadores acataram as alterações realizadas pelos deputados.

Portanto, agora, o projeto seguirá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o senador Rodrigo Cunha (PSBD-AL), relator do texto:

“[O projeto] Tem tudo a ver com o momento que estamos vivendo, um momento em que, durante essa pandemia, os golpes virtuais dispararam em todo o Brasil.”

E ainda complementou:

“Então, nós temos aqui, de dados objetivos, mais de 60 milhões de brasileiros que já sofreram fraudes apenas pela internet, na maneira financeira, fora também os outros tipos de golpes, como, por exemplo, propaganda enganosa, clonagem de cartão de crédito, boletos falsos.”

Código Penal

Por fim, de acordo com a proposta, o crime de furto previsto no Código Penal passaria a ter um agravante. Neste caso, seria uma pena de reclusão de 4 a 8 anos, quando praticado com o uso desses dispositivos, estejam ou não conectados à internet, e também se for com violação de senhas ou de mecanismos de segurança, seja com o uso de programas invasores.

Atualmente, a pena de furto prevista no Código Penal sem essas circunstâncias é de um a quatro anos e multa.

Contudo, o projeto de lei estipula que a pena seja aumentada de um terço ao dobro se o crime for praticado contra idoso ou vulnerável. Já para fraudes cometidas com uso de servidor de informática mantido fora do país, a pena aumenta de um terço a dois terços.

Estelionato

Por outro lado, para casos de estelionato na internet, o texto inclui reclusão de 4 ou 8 anos, além de multa quando a fraude for cometida com o uso de informações fornecidas pela vítima ou por terceiro induzido a erro por meio de redes sociais, contatos telefônicos ou envio de email fraudulento, por exemplo. Vale lembrar que sem agravantes, a pena atual é de um a cinco anos de prisão.

Além disso, a depender da gravidade, a pena também é elevada em um terço a dois terços se o crime for praticado com uso de servidor mantido fora do Brasil.

Entretanto, para o crime de estelionato contra idoso ou vulnerável, o projeto aumenta em um terço ao dobro a pena, em caso de crime cometido contra idoso ou vulnerável e o resultado for considerado grave.

Crime de invasão de dispositivo de informática

O projeto de lei ainda se estende à pena do crime de invasão de dispositivo de informática, ligado ou não à internet, para obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do dono ou para instalar vulnerabilidades para conseguir vantagem ilícita.

Hoje, o Código Penal prevê detenção de 3 meses a 1 ano e multa. O projeto eleva a pena para reclusão de 1 a 4 anos e multa. O texto também determina aumento de um terço a dois terços da pena se constatar prejuízo econômico com a invasão.

Domicílio da vítima

Na Câmara dos Deputados, uma das alterações mais expressivas realizada pelo relator do texto, o deputado Vinicius Carvalho (Republicanos-SP), foi a que suprimiu o artigo que previa o domicílio da vítima como fator definidor da competência pelo lugar da infração.

Ele acompanhou entendimento de que isso poderia acarretar em questionamentos de ordem processual. Consequentemente, estas ações atrasariam a repressão aos crimes cibernéticos e poderiam levar à prescrição do crime.

*Foto: Divulgação

Marketplace para influenciadores: Instagram adota função Clubhouse

marketplace para influenciadores instagram adota função clubhouse

Recurso de marketplace para influenciadores foi anunciado no dia 28 de abril, com a finalidade de melhorar a experiência dos usuários na plataforma

Na última quinta-feira (28), o Instagram anunciou duas novidades com a finalidade de melhorar a experiência dos usuários na plataforma. Isso tudo depois de anos evitando se envolver na relação entre as marcas e os criadores de conteúdo. Mas agora a rede social decidiu criar um marketplace para influencers. Ela será capaz de conectá-los às empresas interessadas em promover seus produtos.

Vale lembrar a partir de julho de 2019, os stories do Instagram se tornou um espaço de engajamento para as marcas.

Marketplace para influenciadores

Além disso, o marketplace para influenciadores concorrerá com o Clubhouse, que é a nova rede social de áudios. Portanto, o Instagram que integra o conglomerado de tecnologia do Facebook Inc., vai passar a oferecer a opção de desligar o vídeo e o áudio durante as transmissões ao vivo.

Sendo assim, o recurso poderá ser ativado nas “salas ao vivo”. A ferramenta lançada recentemente e possibilita aos usuários fazerem lives em grupos. Porém, o controle do áudio e do vídeo será individual. Com isso, os anfitriões não poderão desativar os outros participantes.

Monetização do “trabalho criativo”

Por outro lado, o Instagram ainda não divulgou mais detalhes sobre o marketplace para influenciadores. Mas, de acordo com Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, a ideia é facilitar a monetização do “trabalho criativo” desses criadores de conteúdo.

Sobre isso, Adam Mosseri, diretor do Instagram, afirma:

“Branded content é o motor econômico por trás do ecossistema de criação. Matchmaking (a conexão entre esses dois lados) é algo pelo qual podemos agregar muito valor.”

Promover produtos aos seguidores

Geralmente, pessoas com grande número de seguidores são solicitadas pelas marcas a promover produtos de seguidores. Isso pode ser por e-mail ou mensagens diretas no Instagram. Tal função resultou em um sistema opaco, no qual os preços pagos pelos mesmos tipos de posts promovidos variam muito, finalizou o executivo.

*Foto: Divulgação

Planos Premium do Spotify sofrem reajuste no Brasil

planos premium do spotify sofrem reajuste no brasil

Anúncios de reajuste dos planos Premium do Spotify foi feito na última segunda-feira (26)

Na última segunda-feira (26), a plataforma de música sueca, o Spotify, anunciou um reajuste nos preços dos planos Premium. Sendo assim, os usuários de contas Premium Individual, Duo, Família e Universitário seguirão pagando os valores atuais até o mês de julho deste ano. Após isso, o aumento entrará em vigor automaticamente.

Reajuste dos planos Premium do Spotify

Entretanto, os novos assinantes qualquer um dos planos do streaming musical já serão cobrados conforme a tabela de preços atualizada no primeiro pagamento. Isso porque todas as opções incluem um mês grátis ao assinar.

Notificações para quem já é assinante

Há alguns dias, todos os usuários de planos Premium do Spotify passaram a ser notificados sobre as alterações nos valores de pagamento. Por outro lado, a empresa sueca afirmou em comunicado oficial que tais reajustes possibilitarão que o serviço de tecnologia musical continue “trazendo novos conteúdos e recursos”.

E-mails a assinantes do Reino Unido

Já os usuários do Spotify do Reino Unido e outros países europeus também estão recendo e-mails de notificação sobre a decisão de reajuste.

Confira os novos valores para assinantes de planos Premium do Spotify aqui no Brasil:

  • Premium Universitário: de R$ 8,50 para R$ 9,90
  • Premium Individual: de R$ 16,90 para R$ 19,90
  • Premium Duo: de R$ 21,90 para R$ 24,90
  • Premium Família: de R$ 26,90 para R$ 34,90

Parceria com o Facebook

Por fim, o serviço de streaming anunciou também uma novidade em parceria com o Facebook.

Trata-se de um miniplayer, chamado de Boombox. Tal iniciativa vai permitir aos ouvintes aproveitar o áudio do Spotify dentro do Facebook, sempre precisar trocar de aplicativo.

Aumento de podcasts na pandemia

Vale lembrar que o Spotify cresceu muito em meio à pandemia de Covid-19, em termos de número de assinantes. Mas esse movimento também foi puxado pelo aumento recorde de canais de podcasts, que foram responsáveis pela alta da receita do streaming musical.

Banco Central pode subir juro além do previsto

banco central pode subir juro além do previsto

Juro além do previsto pode ser decorrente do avanço da pandemia, além da complicada discussão sobre o Orçamento deste ano

Esta semana veio à tona pelo ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, que a segunda onda da pandemia de covid-19 no país aliada a complicada discussão sobre o Orçamento deste ano dificultam a política monetária. Com isso, pode haver juro além do previsto.

Juro além do previsto

Portanto, o BC optou agora por uma estratégia de contemplar as duas coisas e arrisca-se a ser forçado a subir o juro além do previsto. A afirmação é do atual sócio-diretor da Tendências Consultoria.

Copom

Além disso, em março, o Copom elevou a Selic 0,75 ponto percentual, para 2,75%. E ainda indicou que fará outro aumento do mesmo tamanho em maio.

Por outro lado, o mercado vem precificando um aperto maior. Isso porque as projeções dos economistas apontam inflação acima do centro da meta para 2021 e 2022.

Para Loyola, que comandou o BC em dois períodos, sendo o último deles de 1995 a 1997, na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso:

“O BC está de alguma forma esperando o que a conjuntura vai trazer, vai verificar se esse ritmo de alta é suficiente para trazer as expectativas à meta.”

Gestão atual do BC

Porém, Loyola reconhece que o atual presidente do BC Campos Neto fez tudo certo em relação à pandemia. Ou seja, ele reduziu fortemente os juros, aumentou a liquidez na economia e criou mecanismos para estimular o crédito. Em contrapartida, ele foi surpreendido pela piora da pandemia, o que exigiu mais gastos e embaralhou as previsões de recuperação econômica, e pelo imbróglio fiscal.

Congresso e governo federal

Recentemente, houve um arranjo entre Congresso e governo federal para o Orçamento deste ano. Mas que deixou uma série de “fios desencapados” que vão continuar a gerar riscos fiscais.

“O BC tem uma posição difícil para conciliar todas as questões.”

Commodities

Vale ressaltar que, em condições normais, era esperado que o ciclo de alta das commodities beneficiasse a economia e fortalecesse o real. Porém, isso não está acontecendo de fato, em decorrência das incertezas fiscal e política, afirma Loyola.

Câmbio

Sobre o câmbio, o ex-presidente do BC diz que o banco está fazendo o que tem de fazer. Neste caso, estão agindo pontualmente para diminuir a volatilidade em momentos mais tensos, oferecendo um estoque de hedge razoável ao mercado e não deixando faltar liquidez em situações agudas.

Por fim, a eleição presidencial de 2022 começa a preocupar investidores. E para Loyola esse fato “não sinaliza nenhum futuro brilhante para o país, pois se conhece a incapacidade de gestão dos dois”.

*Foto: Divulgação

Marca de café lança cápsulas biodegradáveis e compostáveis

marca de café lança cápsulas biodegradáveis e compostáveis

Cápsulas biodegradáveis e compostáveis da Melitta são compatíveis com o sistema Nespresso, produzidas com materiais de fontes renováveis

Recentemente, a empresa Melitta lançou no Brasil cápsulas de café biodegradáveis e compostáveis. Além disso, elas são compatíveis com o sistema Nespresso, produzidas com materiais de fontes renováveis.

Depois de passar pelo processo de compostagem as cápsulas podem retornar à natureza como composto nutriente para o solo.

Cápsulas biodegradáveis e compostáveis

As cápsulas biodegradáveis e compostáveis do café Melitta são produzidas a partir de materiais de fontes renováveis e livres de transgênicos, bisfenol A e alumínio. Também possuem certificados internaiconais OK Biobased e OK Compost, além de barreira ao oxigênio. Com isso, não precisam de dupla embalagem e, consequentemente, preservam o aroma e o sabor do café.

Linha completa

A linha de sustentabilidade da marca de café conta com circo versões blends: Ristretto, Marcato, Staccato, Audacce e Tenuto, que une diferentes perfis aromáticos e intensidades.

O produto poderá ser adquirido em todo o Brasil, o que vai gerar uma ampliação da presença da marca no país. As cápsulas biodegradáveis e compostáveis chegarão ao mercado em novas embalagens com a finalidade de reforçar a qualidade e a credibilidade da empresa.

Como fazer o descarte corretamente

Além disso, outra iniciativa da Melitta diz respeito ao descarte correto das cápsulas. Ele está vinculado ao programa nacional de reciclagem em parceria com a companhia TerraCycle, especializada na gestão de resíduos sólidos.

Sendo assim, o consumidor pode armazenar as cápsulas usadas em uma caixa. E quando atingir o mínimo de 50 itens Melitta, poderá realizar um cadastro no site TerraCycle e imprimir uma etiqueta que poderá ser usada para despachar a caixa em qualquer agência dos Correios, sem custo algum.

Vale lembrar que também há o Programa Recicla, com ideia similar de descarte de materiais em pontos específicos em diversos municípios.

Processo de compostagem

O TerraCycle realiza um processo de compostagem industrial, transformando os itens coletados em adubo orgânico.

Outra função das cápsulas coletadas é a serem convertidas em doações a instituições de caridade ou escolas públicas escolhidas pelos consumidores. Portanto, quando mais cápsulas enviadas, maiores são os valores doados.

Para saber mais informações sobre o programa nacional de reciclagem de cápsulas Melitta, acesse o site do TerraCycle.

*Foto: Divulgação

Sindicância de fura fila na vacinação: dois agentes de SP são afastados

sindicância de fura fila na vacinação dois agentes de sp são afastados

Uma sindicância de fura fila na vacinação levou dois oficiais do 32º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I) em Assis (SP) a serem afastados. A verificação foi aberta nesta semana e apura se houve fraude na vacinação para profissionais das forças de segurança. Além disso, as suspeitas levantadas até o momento são de que parentes de alguns agentes foram até o batalhão receberem doses do imunizante contra Covid-19.

Sindicância de fura fila na vacinação

Segundo nota divulgada ontem (15), a Polícia Militar de São Paulo disse ter recebido “com perplexidade” a informação de que familiares de policiais teriam sido vacinados na chamada “xepa”. Em geral, quando são aproveitadas algumas doses restantes de três frascos já abertos ao final das atividades do dia.

A corporação afirma:

“A operação de vacinação dos profissionais de segurança pública exigiu minucioso planejamento e primorosa execução para imunizar mais de 140 mil agentes em 83 postos de vacinação nos quartéis em 10 dias.”

Ela lembra ainda que o suposto uso indevido “contraria determinações claramente emanadas pelo comando da Polícia Militar”. E acrescentou também:

“A instituição não compactua com desvios de comportamento e o caso está sendo rigorosamente apurado.”

Posicionamento da PMSP

Contudo, a PMSP ressaltou ter seguido “as recomendações do PNI (Programa Nacional de Imunizações) e do PEI (Plano Estadual de Imunização) para vacinação contra a Covid-19, assim como os protocolos técnicos de ambas as instâncias”.

Prefeitura de Assis

Na segunda-feira (12), a prefeitura de Assis disse que vai seguir o pedido do Ministério Público de São Paulo. Sendo assim, ela divulgará a lista dos profissionais de Segurança Pública vacinados contra Covid-19. Em um comunicado, o governo municipal destacou não ter participado “de nenhum critério ou avaliação de elegibilidade para a vacinação” do grupo mencionado.

O texto diz ainda:

“Todo o direcionamento, local e horário, organização da fila, pré-cadastramento e registro no sistema VaciVida ficou de total responsabilidade da Policia Militar e da equipe da Penitenciária de Assis.”

Entretanto, o governo municipal diz que foi de sua responsabilidade “apenas realizar a aplicação do imunizante em parceria com a Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado (GVE 13 – Assis), pois a Policia Militar não tinha profissional qualificado para este fim”.

“Já a Penitenciária de Assis, que dispõe de uma equipe de saúde, realizou a aplicação da vacina de seus servidores.”

*Foto: Divulgação

Produção de monitores e notebooks LG funcionará em Manaus

produção de monitores e notebooks lg funcionará em manaus

Mudança da produção de monitores e notebooks LG de São Paulo para Manaus é decorrente do fim de divisão de smartphones da marca, além da possibilidade de 700 trabalhadores serem demitidos

Após anúncio do encerramento global da divisão de smartphones, a LG levará sua linha de produção de monitores e notebooks para Manaus (AM), onde já fabrica outros produtos, como televisores. Hoje, a produção está localizada na cidade de Taubaté (SP).

Vale lembrar que em meio à pandemia, a marca criou uma máscara recarregável e que purifica o ar, utilizando tecnologia presente no app LG ThinQ.

Mudança da produção de monitores e notebooks LG

No último dia 6, a entidade teve reunião com representantes da empresa. Sendo assim, a LG Brasil disse em nota que a transferência da produção para a unidade no Amazonas fortalecerá sua estratégia comercial.

Entretanto, ela afirmou que cumprirá as responsabilidades para reduzir os impactos para funcionários e parceiros comerciais. Porém, ainda não disse as datas exatas para o encerramento e transferência da produção no interior paulista.

Já em comunicado divulgado no dia 5 a empresa disse que até 31 de julho todas as linhas de celulares estarão desligadas.

Demissões

Por outro lado, com a mudança para Manaus, serão 700 os funcionários diretos da LG em Taubaté que deverão ser demitidos. A afirmação é do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté. Atualmente, são 400 trabalhadores na produção de smartphones e outros 300 na de monitores e notebooks.

Na semana passada, a entidade sindical e a LG tiveram a primeira de uma série de reuniões. Em vídeo divulgado após a reunião, Cláudio Batista, presidente do sindicato, afirma que a ideia é fechar um acordo para os trabalhadores.

Batista disse ainda que a LG comunicou que manterá em Taubaté o call center e o serviço de assistência técnica. Juntos, os dois setores somam 300 funcionários.

“Ficou acertado que vamos discutir, podendo chegar a um acordo, plano médico, PLR [participação nos lucros e resultados], indenização social, qualificação profissional, assistência sindical, prova de quitação, absenteísmo, B94 [código do INSS para auxílio-doença por questões de trabalho], estáveis e gestantes.”

Outras empresas da região serão impactadas

Contudo, o encerramento da produção de monitores e notebooks LG e sua linha de celulares afeta mais três empresas na região. Duas delas estão em Caçapava e uma em São José dos Campos. Juntas elas empregam aproximadamente 430 pessoas, afirma o sindicato.

Além disso, de acordo com o sindicato de São José dos Campos, todas elas trabalham apenas para atender a LG. Portanto, sem a produção de telefones, elas deverão fechar as portas.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos encaminhou uma representação ao Ministério Público do Trabalho. A entidade diz que a possibilidade de haver demissão coletiva é ilegal e pede abertura de um inquérito civil. Segundo, o presidente do sindicato, Weller Gonçalves:

“O clima nas fábricas é de indignação e muita preocupação. Estamos num momento de alto índice de desemprego, desindustrialização e pandemia.”

*Foto: Reprodução/ AP Photo/Ahn Young-joon

Produção de cosméticos sustentáveis: startup paulista cria método

produção de cosméticos sustentáveis startup paulista cria método

Produção de cosméticos sustentáveis desenvolveu um sérum rejuvenecedor a partir de bioativos obtidos da Artemísia, utilizada na medicina tradicional chinesa

Criada em 2020, como uma ideia da farmacêutica Soraya El Khatib, a startup S Cosméticos do Bem tinha por objetivo inicial desenvolver produtos baseados em preceitos da economia circular. Ou seja, em que toda a cadeia de produção contribui para uma atitude de maior sustentabilidade, com menos impacto no meio ambiente.

Produção de cosméticos sustentáveis

Sendo assim, nos últimos meses a produção de cosméticos sustentáveis se tornou uma spin-off da Universidade Estadual de Campinas. Além disso, ela contou com o apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). Resultado: há uma boa aceitação de um dos seus produtos inovadores disponíveis de forma comercial. Trata-se do sérum rejuvenecedor.

Bioativos

A produção utiliza bioativos extraídos da Artemísia (Artemisia annua), planta originária da China. Um dos principais componentes dessa espécie é utilizado na Ásia, pela medicina tradicional chinesa, para o tratamento da malária. El Khatib explica ao Pesquisa para Inovação:

“Segundo vários estudos, essa planta tem, aproximadamente, três mil bioativos. O produto que desenvolvemos a partir dela tem uma formulação mais viscosa que um líquido, mas não chega a ser um creme, e tem se mostrado um sucesso em termos de regeneração da pele, o que reduz de forma significativa os sinais de envelhecimento.”

Eficácia no combate da malária cerebral e da malária falciparum

Além disso, os estudos sobre Artemísia apontam que os componentes da planta são potentes e eficazes no combate da malária cerebral e da malária falciparum.

Essa variedade da doença – causada pelo plasmodium, transmitido na maioria das vezes por mosquitos do gênero Anopheles – é considerada uma das mais agressivas para o ser humano. E foi por causa dos estudos das propriedades da artemísia no combate à malária que a pesquisadora chinesa Yu Yu Tu ganhou parte do Nobel de Medicina e Fisiologia de 2015.

Objetivo da startup paulista

Entretanto, nos laboratórios da startup o principal objetivo dos pesquisadores era desenvolver produtos cosméticos e repelentes para insetos comuns no Brasil a partir da planta. Para isso, desenvolveram técnicas inovadoras para extração dos princípios ativos que não poluíssem o meio ambiente.

“As metodologias convencionais se mostraram um desastre total em relação aos nossos objetivos. Os resíduos desses processos são muitas vezes tóxicos e poluem muito o ambiente, além de não serem escaláveis. A nossa condição de montar toda a cadeia de acordo com as práticas da economia circular nunca seria atingida daquela forma.”

Aromático, perene e cresce em arbustos

Além disso, o vegetal chinês é aromático, perene e cresce em arbustos. Possui folhas verdes e caule ereto e acastanhado. Chegando a um metro de altura. Inclusive, no Brasil o cultivo da planta já sofreu as devidas adaptações por causa das diferenças climáticas entre América do Sul e China. E isso favoreceu o uso da planta por aqui.

Com isso, a produção de cosméticos sustentáveis aproveita todas as qualidades da planta, sem usar solventes orgânicos tóxicos.

“Esse processo garante a ausência de ingredientes alergênicos, transgênicos ou qualquer resíduo de origem animal.”

Inovação patenteada

Por fim, a S Cosméticos do Bem acaba de patentear a inovação, burilada a partir dos conceitos e metodologias da química e da farmacologia.

A farmacêutica afirma que há metas mais ousadas ainda para os próximos anos. Para isso, a startup pretende buscar parcerias para atingir uma escala maior de produção para os itens já comercializados. Trata-se da linha exclusivamente voltada aos repelentes, continuará sendo um destaque da empresa. Prova disso é que a companhia tem a patente de uma linha de sprays, feitos com óleos voláteis da Artemísia. eles prometem garantir proteção contra mosquitos, inclusive contra o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, do zika vírus e da febre amarela.

“Também estamos com um projeto em desenvolvimento muito promissor de um produto contra o Sars-CoV-2.”

*Foto: Divulgação