Aplicativo FalaDoc conecta médicos e pacientes via smartphone

aplicativo faladoc conecta médicos e pacientes via smartphone

Com a tecnologia cada vez mais avançada, agora é possível também falar com seu médico pela tela do celular. É o caso de um novo aplicativo que conecta médicos e pacientes, chamado FalaDoc. O objetivo do serviço é otimizar o tempo gasto em consultas médicas presenciais, além de reduzir o número de pessoas nos prontos-socorros do Brasil.

O projeto, a princípio, é destinado a empresas com a oferta de acesso ao médico da família e também de nutricionista, personal trainer e psicólogo. O sistema funciona por videoconferência ou chat.

Aplicativo FalaDoc

O serviço FalaDoc foi desenvolvido pelos mesmos criadores do sistema FalaFreud, aplicativo que conecta pacientes a psicólogos, proporcionando um acompanhamento psicológico. Seu cofundador, Yonathan Yuri Faber, afirma que a iniciativa de lançar um serviço que oferece acesso a médicos era a ideia inicial desde que o FalaFreud foi lançado em 2016. Em entrevista à revista EXAME, ele explicou:

“Muitas empresas sofrem com a variação do preço do plano de saúde dos funcionários ou perdem dias de trabalho de pessoas que precisam tratar problemas de saúde simples, como uma dor de garganta. O FalaDoc visa minimizar esses problemas para empresas”.

Legislação

Em fevereiro deste ano, a abordagem em torno da telemedicina recebeu o aval do Conselho Federal de Medicina. Todavia, ela foi revogada 20 dias depois, em função de manifestações contrárias da comunidade médica brasileira.

Sobre isso, Faber conta que o aplicativo é baseado em uma legislação antiga que exige a necessidade de atendimento prévio. Portanto, quando a companhia contrata o serviço do FalaDoc, todos os colaboradores terão que passar por consultas com os médicos que atuam com o atendimento por aplicativo.

Em fase inicial de lançamento, atualmente o FalaDoc conta com uma equipe de dez médicos. Ao colocar o aplicativo em funcionamento, seus fundadores, Faber e Renan Pupin, pretendem desafiar o Conselho Federal de Medicina e fazer com o processo regulatório do setor seja acelerado.

Como funciona

O serviço do FalaDoc consiste em o médico coletar informações sobre o histórico de saúde do paciente, podendo solicitar exames quando necessário, que podem ser realizados em laboratórios parceiros da firma. Somente depois desta avaliação presencial é que a continuidade do atendimento ao paciente poderá ser feita à distância.

Este tipo de serviço não é pioneiro no país. As startups ligadas à área de saúde já estão oferecendo esta possibilidade de atendimento, ainda em estágio embrionário. Já a rede de hospitais Albert Einstein é a pioneira em telemedicina no país, conectando médicos a médicos especializados no intuito de promover acesso a profissionais qualificados mesmo à distância.

Diferencial do FalaDoc

No entanto, a proposta do FalaDoc é diferenciada, pois não é necessário a presença do médico de ambos os lados da videoconferência.

Em estágio avançado, a telemedicina norte-americana já conta com serviços de empresas reconhecidas no mercado, como Doctor On Demand e TelaDoc. Nesses casos, o paciente pode ser atendido via internet e receber no período de poucos minutos uma receita de medicamento vinda diretamente da farmácia mais próxima de sua casa. Além dos Estados Unidos, a China e Reino Unido também contam serviços de telemedicina.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação

Você já ouviu o termo Agrovoltaico?

você já ouviu o termo agrovoltaico

O termo Agrovoltaico diz respeito à combinação de painéis solares com o cultivo agrícola, que resulta na otimização da produção

O sistema Agrovoltaico nasceu de uma conclusão de pesquisadores da Universidade do Estado do Oregon (OSU), nos EUA. De acordo com este conceito, menos de 1% de terras agrícolas poderiam ser utilizadas para geração de energia solar e, com isso, a produção seria capaz de atender à demanda global de energia elétrica.

Visão dos cientistas em relação ao Agrovoltaico

De acordo com o autor do estudo e professor associado da Faculdade de Ciências Agrícolas da OSU, Chad Higgins:

“Nossos resultados indicam que há um enorme potencial para a energia solar e a agricultura trabalharem juntas para fornecer energia confiável”.

Além disso, uma extensa pesquisa foi realizada que gira em torno de como as altas temperaturas podem impactar negativamente a produção de energia solar. Portanto, a partir de agora, tal descoberta pode influenciar na escolha por construir grandes matrizes solares em desertos. Higgins ainda acrescenta:

“Os painéis solares são exigentes. A eficiência deles diminui à medida que os painéis ficam mais quentes. A produtividade deles é menor do que poderia ser por acre”.

Universidade do Arizona

Engenheiros agrônomos da Universidade do Arizona também chegaram a uma conclusão similar. Neste caso, os especialistas cultivaram espécies como acelga, couve, ervas, pimenta e tomate à sombra de painéis solares.

Todo o processo foi medido ao longo dos três meses de verão nesta região. Houve monitoramento contínuo em relação aos níveis de luz recebidos, temperatura do ar e umidade relativa, com o uso de sensores tanto acima como abaixo do solo.

Por meio dos painéis fotovoltaicos, uma sombra foi gerada que resultou em temperaturas diurnas mais frias e as noturnas, mais quentes do que o sistema tradicional de plantio a céu aberto. Além do sistema agrovoltaico proporcionar um menor déficit de pressão de vapor, o que significa que havia mais unidade no ar neste período.

O professor da Escola de Geografia e Desenvolvimento e principal autor do estudo, Greg Barron-Gafford afirmou:

“Muitos de nós querem mais energia renovável, mas onde você coloca todos esses painéis? À medida que as instalações solares crescem, elas tendem a estar fora dos limites das cidades e é historicamente onde já cultivamos nossos alimentos”.

E também garantiu:

“Descobrimos que muitas de nossas culturas alimentares se saem melhor à sombra dos painéis solares porque são poupadas do sol direto. A produção total de frutos de ‘pequin pimenta’ foi três vezes maior e a produção de tomate foi duas vezes maior”.

Quanto mais frio, melhor

No entanto, os pesquisadores do OSU basearam suas análises na produção energética, por meio de dados coletados pela Tesla. Graças à instalação de cinco grandes matrizes solares elétricas em terrenos agrícolas do Oregon.

Houve uma sincronia de informações da companhia com dados de estações de pesquisa de microclima, que constatava uma temperatura média do ar, sua umidade relativa, além da velocidade e direção do vento, unidade do solo e energia solar recebida. Sobre isso, Higgins afirmou em tom de brincadeira:

“Descobrimos que quando está frio lá fora, a eficiência melhora. Se estiver quente, a eficiência piora. Quando está calmo, a eficiência é pior, mas um pouco de vento melhora. À medida que as condições se tornaram mais úmidas, os painéis pioraram. Os painéis solares são como as pessoas e o clima, são mais felizes quando está fresco, arejado e seco”.

Portanto, o sistema agrovoltaico se destacou mais uma vez, ou seja, quando lavouras emitem água por meio da transpiração, os painéis solares são resfriados e ficam mais eficazes.

Como aplicar a técnica de agrovoltaico

A coautora do estudo da OSU, Elnaz Hassanpour Adeh, com base nos resultados alcançados, desenvolveu um modelo de eficiência fotovoltaica que é influenciada pela temperatura do ar, velocidade do vento e umidade relativa do ar.

Com isso, ela utilizou mapas globais gerados a partir de imagens de satélite e aplicou esse modelo em todo o mundo, compreendendo 17 classes de cobertura de terra globalmente reconhecidas, integrando classes como áreas de cultivo, florestas mistas, urbanas e savanas. Tais áreas foram qualificadas desde melhor (áreas de cultivo) até pior (neve/gelo) em termos de em qual lugar um painel solar seria mais produtivo. Contudo, os solos áridos, que geralmente são usados para a instalação de sistemas solares fotovoltaicos, ficaram em quinta posição.

Ambos os pesquisadores já tinham publicado análises que revelam que os painéis solares elavam a produção agrícola em solos agrícolas secos e irrigados. Agora, tais resultados recomendam que a localização de painéis solares em pastagens ou terrenos agrícolas poderia somar no rendimento das culturas.

Fonte: site Ciclo Vivo

*Foto: Divulgação

Rio Pinheiros pode ficar limpo com projeto de despoluição

rio pinheiros pode ficar limpo com projeto de despoluição

Mesmo se for limpo, não é recomendável nada no Rio Pinheiros

O governo do Estado de São Paulo lançou o projeto Novo Rio Pinheiros, na intenção de despoluir o rio. No entanto, o órgão deixa claro que não há pretensão alguma deixar toda sua extensão propícia para banhos ou consumo. A ideia é apenas retomar o que ainda possa existir de vida nele. As afirmações são de Benedito Braga, o presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), à época do lançamento do projeto, no fim de setembro.

Na ocasião, ele explicou durante encontro no evento Rios por um Triz – Despoluição dos Rios Pinheiros e Tietê, promovido pela SOS Mata Atlântica, em São Paulo:

“Ninguém está falando de um rio que vai estar disponível para natação, para esportes de contato direto com a água. Ninguém está falando em beber a água do Rio Pinheiros. Estamos falando de um rio que tenha 100% do tempo condições aeróbias. Dessa maneira, ele deixa de cheirar mal”.

E ainda ressaltou:

“É o que foi feito em outras partes do mundo. Muitas vezes dão exemplo do Tâmisa (na Inglaterra), do Sena (na França). Eles de fato não cheiram mal, mas não se pode ter contato direto com suas águas”.

Objetivo de despoluição do Rio Pinheiros

Para ele, o principal objetivo do projeto Novo Rio Pinheiros é conseguir com que “o rio tenha utilidade para a população na região metropolitana de São Paulo”. Ao contrário de tentar fazer uma despoluição direta, o foco da ação será em relação aos córregos que deságuam no rio, ou seja, que não chegue nele itens poluidores, vindos das estações de recuperação de água do córrego.

Desafios

Braga também contou que um dos grandes desafios do projeto para despoluir o Rio Pinheiros será tirar 2.800 litros por segundo de esgoto de suas sub-bacias para se tornar, até o ano de 2022, um rio que possa de fato ser utilizado.

Para isso, foram lançados 14 pacotes de licitação no valor de R$ 1,5 bilhão.

Eduardo Trani, subsecretário estadual e Meio Ambiente, complementou:

“Hoje não existe um lugar em que as pessoas possam parar o carro para visitar o rio. E o projeto vai ter uma série de ideias para a integração rio-cidade”.

Braga finalizou o encontro dizendo que serão construídas passarelas sobre o Rio Pinheiros. Além disso, “com o aumento do calado – da profundidade do rio -, poderia haver navegação turística no Pinheiros”.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação

Smartphones 5G servem apenas para status

smartphones 5G servem apenas para status

Analistas do setor afirmam que a tecnologia 5G de celulares só serve para exibicionismo

A tecnologia 5G que promete revolucionar as mais novas redes sem fio de vários segmentos, que vão do transporte à medicina, o mesmo não se pode dizer em relação aos aparelhos de telefonia móvel. Para analistas da empresa americana Sanford C. Bernstein, o 5G presente nos smartphones nada mais é do que itens de luxo e ostentação.

Por que o 5G é só status?

Os estudiosos do setor explicam que os aparelhos móveis compatíveis com o serviço 5G, considerado ultrarrápido, são mais caros. Além disso, eles não entregam nada a mais em relação a benefícios práticos, como os modelos 4G mais recentes. Estes já baixam conteúdo a velocidades acima das necessárias para transmitir vídeos em alta definição, afirmaram os analistas Chris Lane e Samuel Chen em nota publicada no mês passado a seus clientes. Um trecho do texto dizia o seguinte:

“Não vemos nenhum argumento racional para o consumidor atualizar para o 5G”.

Tecnologia ultrarrápida

A SK Telecom, operadora sul-coreana atingiu um milhão de assinantes para o serviço 5G no mês de agosto, que na ocasião havia passado 140 dias do primeiro lançamento comercial mundial da tecnologia ultrarrápida, o que representou aproximadamente 3,5% da base de usuários da companhia.

Já a China terá cerca de 170 milhões de celulares 5G disponíveis até o próximo ano. É o que espera a China Telecom, que tem como público alvo 60 milhões de usuários 5G para sua rede.

Além deles, as operadoras de telefonia móvel dos Estados Unidos, Austrália e de outros mercados mundo afora também implementaram serviços de tecnologia 5G em áreas limitadas. Elas possuem planos de ampliar a cobertura em todo o país no decorrer dos próximos anos.

Tecnologia ultrapassada

No entanto, não tem como garantir que os novos dispositivos não poderão ser superados, pois seu sistema tecnológico ainda não está completamente amadurecido e pode seguindo sua fase evolutiva. Já com relação aos novos celulares 4G, estes ainda serão dispositivos de ponta em dois anos, acrescentaram os analistas Lane e Chen.

Os primeiros smartphones 5G, especificamente, não podem acessar faixas de ondas milimétricas que serão acrescentadas ao longo dos próximos anos para cumprir a promessa de alta velocidade e baixa latência da tecnologia.

Todavia, os analistas afirmaram que “ter o smartphone 5G mais novo e, igualmente importante, exibi-lo pode ser a maior vantagem” e finalizaram a nota com: “Especialmente se você é um dos primeiros. Para um millennial em busca de um parceiro, pode até ser uma prova de que é um bom partido”.

Fonte: Revista Exame

*Foto: Divulgação

Projeto Tietê segue atrasado e entrega é adiada mais uma vez

Projeto Tietê continua atrasado e prevê 85% de esgoto tratado até 2025; plano de 2013 era entregar as obras até o ano passado, mas crise hídrica adiou os planos, segundo a Sabesp

No mês passado foi divulgado que houve um aumento da mancha de poluição no rio Tietê, em São Paulo. Com isso, a Sabesp anunciou quase que imediatamente novas metas em relação ao Projeto Tietê, que segue bastante atrasado, para que o principal rio da capital paulista seja despoluído.

Na Grande São Paulo, as novas metas pretendem ter 92% do esgoto coletado e que 85% seja tratado até 2025. Atualmente, 87% é coletado e 68% tratado.

Projeto Tietê – início

O Projeto Tietê foi começado em 1992 e já foram investidos US$ 3 bilhões em recursos. O plano original prometia que o rio seria despoluído até 2005. Ao longo dos últimos anos este prazo foi adiado várias vezes.

Antes de vir à tona a crise hídrica que assolou os reservatórios de São Paulo, em 2013, a expectativa era de entregar a terceira etapa do projeto até 2016, de um total de quatro etapas. No entanto, hoje, a meta é entregá-la até 2021. O motivo do atraso foi em decorrência dos investimentos em obras para captação e distribuição de água no decorrer da crise, admitiu a Sabesp.

Nesta terceira fase, 72% dos trabalhos foram concluídos, além da realização de obras de expansão da estação de tratamento de esgoto de Barueri, que é a maior do país.

Já a quarta fase está em processo de execução e tem previsão de entrega até 2025 (em 2013, a entrega era até 2018). Nesta etapa, há o projeto de um supertúnel sob a marginal Tietê, que deverá receber esgoto de grande parte do centro da cidade.

Ainda nesta mesma fase existe a meta de coletar todo o esgoto entre o município de Suzano e a barragem da Penha, na capital paulista, praticamente. A poluição do rio nesses locais prejudica a qualidade da água em toda a região metropolitana, afirma a ONG SOS Mata Atlântica. Portanto, a Sabesp corre para assumir os contratos com cidades que possuem índices muito baixos de saneamento.

Sistema de esgoto municipalizado

Guarulhos é a segunda maior cidade paulista e se enquadra nesta questão. Há anos, a região conta com um sistema de esgoto municipalizado e não consegue progredir no saneamento, além de ter grande parte de seu esgoto lançado no Tietê. Prova disso é que até hoje não se sabe ao certo o real volume de esgoto tratado em relação ao que é gerado pelo município (estima-se que seja em torno de 10%). Sobre isso, Stela Goldenstein, coordenadora do 2030 Water Resources Group, vinculado ao Banco Mundial, afirmou ao à Folha:

“Não há problema em uma cidade ter o serviço de esgoto municipalizado. O problema é quando essa cidade não consegue dar conta do problema”.

Os técnicos da Sabesp se preocupam com a atual condição da infraestrutura de saneamento em Guarulhos. Eles não descartam a possibilidade de ser realizada uma auditoria técnica para identificar em que estágio se encontra as tubulações e outras instalações, antes de iniciar qualquer avanço no local. A Sabesp também está de olho nos contratos de saneamento de Mogi das Cruzes.

Bacia do rio Pinheiros

A quarta etapa do Projeto Tietê também está a universalização da bacia do rio Pinheiros. O objetivo deste processo é investir R$ 1,5 bilhão em contratos, cada um deles em uma área diferente da bacia do rio, onde residem aproximadamente 3,3 milhões de pessoas.

As companhias que trabalharem nessas regiões terão que assumir planos de melhora da qualidade dos córregos e rios de onde atuam, baseados em um modelo de remuneração por performance. No entanto, terão de lidar com a dificuldade de levar canos de esgoto para áreas de ocupação irregular, onde não existe espaço físico para se trabalhar.

No mês passado, a Sabesp vistoriou uma obra no limite de São Paulo com Taboão da Serra. Operários construíram ali um túnel de 1,20 metro de diâmetro e que deve receber o esgoto daquela região. Hoje, ele é descartado no córrego Pirajuçara, que é o afluente mais poluído do Pinheiros.

No entanto, o recomendável é que fossem construídos dois túneis para receber esgoto, cada um ao longo das margens do córrego. Porém, neste trecho do Pirajuçara é espremido por casas construídas em áreas irregulares. Portanto, a solução escolhida foi abrir um único túnel que faz uma espécie de zigue-zague sob o córrego.

Contudo, há locais que o acesso às obras é ainda mais difícil. A Sabesp estima que 3 milhões de pessoas em São Paulo residem em áreas irregulares. Na visão de Goldenstein, uma das possíveis soluções seria urbanizar as favelas. Com isso, seriam abertos espaços para estruturas de saneamento.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Reprodução / TV Globo

Cerrado é restaurado por coletores de sementes de MG

cerrado é restaurado por coletores de sementes de mg

Cerrado mineiro resgata sua tradição, além da luta de comunidades de todo o país para preservarem os locais de biodiversidade, considerado como a savana global mais rica em espécie

Conhecido como “berço das águas” ou “caixa d’água do Brasil”, o Cerrado é um bioma que acolhe oito das 12 regiões hidrográficas brasileiras e ainda abastece seis das oito grandes bacias do país.

Atualmente, o Cerrado possui mais de 50% de seu território original devastado. Com isso, suas comunidades lutam para que a biodiversidade seja preservada. A região é considerada a savana global mais rica em espécies.

Habitantes do Cerrado

A população que habita os 11 estados do Brasil cobertos pelo Cerrado (24% do território nacional) é quem realmente conhece e guarda o patrimônio ecológico e cultural da região.

É o caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Nascentes Geraizeiras, na região de Alto Rio Pardo (MG), um dos Territórios da Cidadania atendidos pelo projeto Bem Diverso. Seu trabalho é um exemplo do que está sendo feito no país pela recuperação do Cerrado.

Território da Cidadania Alto Rio Pardo

O Território da Cidadania Alto Rio Pardo é formado por 15 municípios: Berizal, Curral de Dentro, Fruta de Leite, Indaiabira, Montezuma, Ninheira, Novorizonte, Rio Pardo de Minas, Rubelita, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Santo Antônio do Retiro, São João do Paraíso, Taiobeiras e Vargem Grande do Rio Pardo.

Com o passar dos anos, estas áreas foram comprometidas por atividades florestais nada sustentáveis, entre as quais: mineração de quartzo e monocultura de eucalipto. Hoje, a RDS possui um grupo de coletores de sementes, nativas do Cerrado, que são usadas com o intuito de restaurar as áreas degradadas.

Segundo Nondas Silva, consultor técnico do projeto, a disseminação dessas sementes pelos coletores obtém sucesso em locais em que elas não pudessem germinar naturalmente. Ele ainda completou em entrevista à ONU:

“Paralelamente, você gera renda para as populações locais, que tradicionalmente dependem do Cerrado, como extrativistas de frutos, por exemplo. Assim, a gente combina recuperação das áreas e valorização da cultura”.

Como funciona a restauração do Cerrado

O processo de restauração do Cerrado é feito pela técnica de semeadura, considerada recente. Antigamente, isso era feito por meio de mudas, que apresentava diversas dificuldades, desde as despesas até a disponibilidade das mudas.

Já o processo atual de semeadura direta possui baixo custo, pois não é necessário investir em mão de obra, irrigação e viveiros. Somente é preciso ter uma equipe de coletores que realmente conheça e saiba avaliar os diferentes tipos de sementes e possuir um local adequado para seu armazenamento até o momento de seu plantio.

Portanto, empresas que agem desta forma ganham um incentivo ainda maior ao cumprir a legislação ambiental vigente ao restaurar o Cerrado, reduzindo seu passivo.   

A semeadura direta também proporciona uma expansão da diversidade de espécies e o adensamento da restauração. Além disso, com o dinheiro vindo da venda de sementes, são repassados ás famílias de coletores do cerrado. Com isso, os mais jovens são incluídos na negociação, estimulando suas capacidades empreendedoras e fortalecer seus laços e raízes com as tradições geraizeiras.

Quem são os geraizeiros

Os habitantes das “Gerais” são chamados de gerazeiros e residem na região de chapadas do Cerrado norte-mineiro, que cobre boa parte do Território Alto Rio Pardo. Eles têm forte conexão com a terra, pois a manejam há séculos por meio do extrativismo de produtos do Cerrado. Fora isso, também criam animais à solta nas terras comunais das chapadas e de suas encostas. Por fim, atuam no estabelecimento de roças, quintais e currais nas áreas de baixadas, que é onde constroem suas casas.

Esses povos se ajudam entre si, como uma relação de parentesco, fazendo trocas de plantas e de conhecimentos ligados à natureza e à vida gerazeira. Além disso, ainda mantêm laços de comércio históricos e de trocas com os catingueiros, situados na Baixada São Franciscana e com as comunidades tradicionais do Vale do Jequitinhonha.

RDS Nascentes Geraizeiras

Os coletores do Cerrado da RDS Nascentes Geraizeiras estão situados nos cerca de 38.177 hectares, pertencentes aos municípios de Montezuma, Rio Pardo de Minas e Vargem Grande do Rio Pardo, que constituem a reserva. Delimitada a partir de 2017, a área estimula a proteção a conservação dos recursos naturais usados por mais de 20 comunidades tradicionais que atuam no extrativismo sustentável para geração de renda e segurança familiar.

Projeto Bem Diverso

O projeto Bem Diverso é uma parceria entre o PNUD e a Embrapa. Tem por principal objetivo conservar a biodiversidade do país e ainda gerar renda às comunidades tradicionais e aos agricultores familiares.

Fonte: ONU

*Foto: Divulgação / Valdir Dias – Rede de Comunicadores Geraizeiros do Território Alto Rio Pardo

Idosos ganham mais autonomia com Internet das Coisas

Com o passar do tempo, as pessoas da terceira idade requerem um maior cuidado. Muitos conseguem dispor do serviço de enfermeiros ou familiares. Mas os que ficam sozinhos em casa é necessário redobrar a atenção. Por isso, que os idosos ganham mais autonomia se conseguirem ser monitorados sem que estejam a par de tudo.

Esta prática já acontece na Itália, em Bolonha. O Centro Diurno Borgo Del Sasso, que é uma casa de repouso de lá realizou um teste com residentes do local. O experimento foi administrado pela equipe da professora Alessandra Costanzo.

Como funcionou

Em uma sala de estar que foi modificada para o teste, 19 pessoas, entre idosos autossuficientes, dependentes e seus cuidadores tomaram conhecimento do sistema HABITAT. A sigla em tradução para o português significa: Assistência Domiciliar Baseada na Internet das Coisas para a Autonomia de Todos. Este projeto foi custeado pela região de Emilia-Romagna, pertencente à Bolonha. Este local propõe várias soluções tecnológicas com o objetivo de monitoramento. Com isso, idosos ganham mais autonomia na hora de realizar suas tarefas diárias.  

Idosos ganham mais autonomia

A plataforma HABITAT agrega novos tipos de mobiliário que dispõe de funções conectadas a objetos comuns do dia a dia. Este sistema é todo comandado em função de uma infraestrutura transparente ao usuário. A iniciativa pode prorrogar ou até mesmo evitar que seus moradores tenham que ser transferidos para instituições de longa permanência, como as casas de repouso ou asilos. O advento vem para contribuir a uma assistência domiciliar.

Internet das Coisas

No local desejado para instalação desses equipamentos, um interruptor esconde um potente sistema de localização interno. O aparelho mede a radiofrequência, que conclui o posicionamento do idoso em tempo real. Além disso, uma poltrona pode emitir um alerta quando a pessoa está sentada de forma que prejudique sua coluna. Também há um cinto equipado com sensores que mede movimentos internos e externos. Já um celular pode possuir sistema de inteligência artificial para emitir todas as informações necessárias a familiares, ao cuidador ou ainda a um centro de saúde. Tudo isso depende da situação de cada idoso.

O protótipo final do projeto ainda será testado em contextos da vida real. Para isso, nova bateria de testes envolverão usuários finais e serão realizados nas dependências da ASC Insieme, entidade pública voltada à cidadania da região do Vale do Reno.

Objetos inteligentes

Os tipos de objetos inteligentes foram determinados a partir das necessidades dos usuários. A plataforma gera relatórios diários e com isso os idosos ganham mais autonomia. Entre as verificações do cotidiano apontadas pelo sistema, está a quantidade de vezes que a pessoa adentrou a zona vermelha, ou seja, transitar por locais que apresentem algum risco. Além disso, o aparelho detecta se os remédios foram tomados na hora certa; se foi realizada atividade física no dia; quantas horas de sono; se realizou as refeições e se está se sentindo bem disposto. O sistema também faz recomendações, como: “Que tal tomar um pouco de ar fresco amanhã?”.

Outros sistemas de internet das coisas

Não é só o HABITAT que disponibiliza monitoramento e dá mais autonomia aos idosos. Existem no mercado outras soluções e a lista é vasta. Entre os destaques estão inclusos: Ellie Q, Gosafe2, Grandcare Systems, Jon, Ondotermoband, Senior Lifestyle System, Silver Fox, Silver Mother e Tempo.

O Brasil também possui alguns sistemas de monitoramento remoto. No entanto, estas soluções são menos sofisticadas ainda. Mas que possibilitam a cuidadores ou familiares acompanhar o dia a dia e as condições de saúde dos idosos, como o rastreador Igo, que custa cerca de R$ 740.

Já em Lisboa, em Portugal, o projeto-piloto Geosenior foca no comércio local com os idosos dos bairros. O sistema está sendo desenvolvido, na Serra da Estrela, região central do país. Com isso, açougues (talhos), café, farmácias e pequenos mercados participam de uma rede digital de resposta. Eles informam qualquer alteração no cotidiano de seus clientes mais velhos.

Fonte: Blog Folha

*Foto: Divulgação / HABITAT

Pulverização aérea para combater dengue é validada pelo STF

pulverização aérea para combater dengue é validada pelo STF

PGR tentou impedir ao votar que a trata-se de um ato inconstitucional a cerca da prevenção da dengue e que pode afetar a saúde e o meio ambiente

Foi decidido no mês passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a validação de um trecho de uma lei de 2016 que autoriza a pulverização aérea de substâncias que ajudem no combate da dengue provocada pelo mosquito Aedes aegypti. Esta medida vale para casos iminentes de perigo à saúde pública, que também inclui a transmissão dos vírus da chikungunya e da zika.

Combate à dengue

No entanto, o STF aprovou a medida contanto que seja provado cientificamente da eficácia da pulverização aérea, que já vem expressado na mesma lei, além de autorização prévia das autoridades sanitária e ambiental.

Posição da PGR

Porém, os ministros julgaram uma ADI (ação direta de inconstitucionalidade) ajuizada pela Procuradoria-Geral da República, que contestou a autorização para tais dispersões a bordo de aeronaves.

A PGR entende que neste caso não há comprovação científica de que essa solução seja eficiente. Portanto, a pulverização aleatória poderia gerar riscos à saúde da população e ao meio ambiente.

O texto da lei de 2016 diz o seguinte sobre o tema discutido no STF mês passado, em relação ao combate à dengue e demais doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti:

“permissão da incorporação de mecanismos de controle vetorial por meio de dispersão por aeronaves mediante aprovação das autoridades sanitárias e da comprovação científica da eficácia da medida”.

Votos dos ministros

Para a ministra Cármen Lúcia, relatora da ação, a PGR está correta e votou por declarar inconstitucional o trecho da lei sobre a pulverização aérea, que ela ainda ressaltou:

“Tem-se quadro de insegurança jurídica e potencial risco de dano ao meio ambiente e à saúde humana pela previsão normativa de controle do mosquito Aedes aegypti pela dispersão de produtos químicos por aeronaves”.

Na mesma linha pensamentos, seguiram os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

Em contrapartida, os ministros Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Luiz Fiux e Marco Aurélio votaram pela constitucionalidade da lei e julgaram improcedente a ação da PGR.

Meio termo

Já um terceiro grupo de ministros votou de um modo que considera o trecho da lei constitucional, mas desde que a dispersão de substâncias via aérea se assegure de tal necessidade. Além disso, que a medida tenha autorização prévia tanto do órgão ambiental quanto do órgão sanitário competente.

Portanto, foi esse o voto que prevaleceu para que este trecho da lei de 2016 fosse validado pelo STF. Os ministros que votaram nesta última alternativa foram: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e o presidente da corte, Dias Toffoli. Sobre isso, Toffoli disse à Folha de S. Paulo, na ocasião:

“Conforme noticiado na data de hoje, a incidência da dengue no Brasil aumentou 600% em um ano”.

Ele se baseou em uma matéria veiculada pelo site UOL, pertencente ao Grupo Folha.

Dados oficiais de fim de agosto sobre a dengue

De acordo com informações oficiais, até o dia 24 de agosto, foram diagnosticados no Brasil 1.439.471 casos de dengue, o que equivale a 690,4 casos a cada 100 mil habitantes, que resultou em 591 óbitos. Com isso, o índice representa uma alta de 599% durante os meses de janeiro e agosto, que já durante o primeiro semestre do ano tinha sido alertado pelo Ministério da Saúde. Na ocasião, o órgão havia divulgado um crescimento de 163%, principalmente nos estados de Minas Gerais e São Paulo.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Reprodução / Emphyrio – Pixabay

Facebook revela por que usuários desistem de compras online

facebook revela por que usuários desistem de compras online

As empresas, como sites de comércio eletrônico lidam diariamente com a desistência da compra de produtos por parte de internautas. Recentemente, o Facebook realizou um estudo onde aponta quais são os principais motivos para que os consumidores deixem de finalizar a compra de um produto em sua loja para comprar do concorrente.

Pesquisa do Facebook

O valor aproximado no estudo sobre o custo de chance para as empresas que atuam com vendas de artigos pela internet no Brasil é de R$ 38 milhões. No entanto, nos últimos sete meses, 46% dos usuários desistiram de finalizar uma compra por vias digitais.

Os negócios que funcionam por meio de um e-commerce revelam que existem três principais motivos para que as vendas não sejam concretizadas. São eles: dados insuficientes sobre o produto; falta de disponibilidade do artigo desejado pelo cliente, como o tamanho específico de uma roupa ou sapato, por exemplo; e o serviço de busca do site que oferece o produto em questão.  

Outras dificuldades

Para aproximadamente metade dos consumidores, o que representa 48%, deixaram de comprar um produto na internet por encontrar dificuldade na hora de preencher seus dados pessoais para conseguirem realizar o pagamento. Entre as reclamações que o Facebook identificou, estão: acusação de erro ao completar as transações, opções restritas de entrega, além de um valor de frete bastante alto para receber o produto em casa.

Já para os consumidores na faixa dos 50 anos de idade, o estudo da rede social revelou que 76% desistiram de finalizar uma compra online quando seu meio de pagamento escolhido não é aceito pelo site. Além disso, para 48% das mulheres entrevistadas pelo Facebook, uma das principais queixas é que as lojas em que elas tiveram interesse de comprar algo, geralmente, não possibilitam salvar as escolhas de produtos que elas desejam para ficarem armazenadas nos carrinhos digitais e poderem concretizar a compra em outro momento.

Principais pontos de atrito encontrados pelo Facebook

A pesquisa do Facebook ainda indicou que os principais motivos para que tenha tanta desistência em procedimentos de compras em lojas online é que são produtos entregues incompletos ou danificados (75%); plataforma de pagamento que inspira desconfiança ao cliente (71%); falhas e atrasos em transações (59%); produto sem estoque (54%) e meio de pagamento escolhido inexistente (54%).

Problemas das lojas físicas

Já nos pontos comerciais físicos, os principais problemas encontrados pelo Facebook a partir desta pesquisa foram: a impossibilidade de provar ou trocar um produto; o artigo de desejo estar em falta naquele instante; e vendedores que não são cordiais com os clientes.

Esse estudo realizado pela rede social de Mark Zuckerber teve por objetivo poder ajudar as marcas que negociam produtos em suas mídias, especialmente em datas comemorativas, consideradas de suma importância para o comércio online, como a Black Friday, que ocorre todo ano, sempre no fim do mês de novembro.

Fonte: revista EXAME

*Foto: Divulgação

STJ diz que motoristas não têm vínculo empregatício com a Uber

stj diz que motoristas não têm vínculo empregatício com a uber

Por decisão do órgão, fica estabelecido que motoristas não são empregados da empresa Uber, e sim microempreendedores individuais que prestam serviço para a mesma e, portanto, não há qualquer tipo de vínculo empregatício

Recentemente, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu por unanimidade que há vínculo empregatício entre motoristas e a Uber. Com isso, fica estabelecido que os condutores são microempreendedores individuais, e não colaboradores da empresa de transporte por aplicativo. Portanto, desde então qualquer disputa legal deve ser encaminhada a um tribunal da Justiça Cível e não da Justiça do Trabalho.

Sobre isso, o ministro Moura Ribeiro justificou em sua decisão:

“Os motoristas de aplicativo não mantêm relação hierárquica com a empresa Uber porque seus serviços são prestados de forma eventual, sem horários pré-estabelecidos e não recebem salário fixo, o que descaracteriza o vínculo empregatício entre as partes”.

Não há vínculo empregatício

Ribeiro ressalta que a modalidade de economia compartilhada é uma novidade no mercado, em que os aplicativos de companhias de tecnologia funcionam como intermediários para quem quer prestar serviços a outras pessoas, e isso engloba o trabalho prestado pela Uber, em parceria com motoristas, sem ter vínculo empregatício.

Portanto, o ministro ainda diz que a Uber não será obrigada a pagar direitos trabalhistas aos motoristas, quem envolveriam questões, como: aviso prévio, férias, FGTS e multa rescisória.

Com isso, o Superior Tribunal de Justiça também determinou que o órgão responsável por resolver possíveis disputas entre a companhia de app e motoristas é a Justiça Cível. Pois, se houvesse vínculo empregatício, estas ações seriam encaminhadas à Justiça do Trabalho. A decisão foi de comum acordo entre todos os ministros que fazem parte da Segunda Seção do STJ e que se tornou pública no início de setembro.

Decisão do STJ

A decisão foi proferida baseada em um caso que foi o primeiro deste tipo a ser levado a um tribunal superior no país. Com isso, outras ocorrências devem ser influenciadas em instâncias de primeiro e segundo grau. Mais de 250 processos na Justiça do Trabalho já definiram que não há vínculo empregatício entre a companhia e condutores parceiros, de acordo com informações da própria Uber.

A partir disso, o STJ avaliou o vínculo entre motoristas e a empresa de transporte por aplicativo, em virtude de um processo que já tramitava na Justiça estadual de Minas Gerais. A ação foi movida por um motorista que havia sido suspenso da plataforma da empresa sob alegação de má conduta de comportamento e da utilização do app. Com isso, o condutor resolveu mover um processo por danos morais.

Todavia, o tribunal estadual não se analisou capaz de julgar tal caso por compreender que se tratava de uma relação de trabalho. Portanto, o processo foi parar na Justiça do Trabalho, que também renunciou a decidir o caso. Pois, para ela não havia vínculo empregatício entre as partes. Consequentemente, o caso foi parar nas mãos do STJ.

Fonte: Tecnoblog

*Foto: Divulgação