Fintechs chegam para acabar com burocracias bancárias

fintechs chegam para acabar com burocracias bancárias

Uma das maiores revoluções apresentadas até o momento é a criação de cartões pré-pagos

Startups inovam cada vez mais no setor de serviços financeiros. Para alegria de muitos usuários estas empresas chegam para acabar com burocracias bancárias.

As fintechs, como estes modelos de empresas são chamados, tem seu maior número concentrado no Brasil. A afirmação é do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que realizou o estudo “Fintech na América Latina 2018: Crescimento e Consolidação”.

Já o relatório da holding Distrito, “Fintech Mining Report 2019”, diz que o país possui 550 empresas com este perfil. Só no período de 2016 a 2018, já apareceram 231 companhias focadas no mercado financeiro.

Objetivo das fintechs

O surgimento dessas fintechs vem com o intuito de acrescentar e ensinar as pessoas a lidarem com seu próprio dinheiro. Uma das soluções encontradas para este feito é facilitar as transações financeiras, ou seja, torná-las menos burocráticas. Também é importante que elas sejam mais dinâmicas e com maior transparência em relação a recebimento de valores, transferências, investimentos e pagamentos de contas.

Além das empresas utilizarem recursos de inteligência artificial e blochchain, elas também se apoiam em outros fatores. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 116 milhões dos 209 milhões de brasileiros, possuem acesso à internet. Esta informação também é muito importante para as operações das fintechs.

Diversas alternativas

Já é uma realidade nos dias atuais os usuários não necessitarem abrir uma conta em agência e terem acesso a recursos de um banco tradicional. Além disso, eles também podem optar por contas isentas de taxas e investirem pelo próprio smartphone, via aplicativo.

Segundo o CEO do Grupo GR Discovery, Mateus Davi Pinto Lucio, em entrevista à revista Veja:

“O Brasil oferece poucas opções para os investidores. Em outros países, como nos Estados Unidos, a gama de alternativas é muito maior”.

Com isso, a empresa que atua há dez anos no país, foca seus serviços em inovação e em facilitar a vida de seus clientes. Por meio do WhatsApp, o consumidor que possui o recurso GR Exchange, consegue realizações operações no mercado de câmbio.

A companhia GR Help decidiu alegrar seus usuários com um assistente virtual inteligente. Este serviço proporciona ao consumidor uma experiência mais simples de como preencher o formulário de Imposto de Renda. Motivo de dor de cabeça para muitas pessoas todos os anos. Além disso, a fintech criou um cartão pré-pago com menos burocracia em sua aquisição, diferente dos modelos tradicionais.

Cartão sem análise

A empresa GR Card propõe ao mercado o uso de um cartão que não necessita de aprovações de gerentes. Tudo é feito a partir de um formulário online e, em seguida, a conta digital já está pronta. A fintech também não exige que o cliente possua conta em outro banco para poder abrir uma conta.

Outra facilidade da companhia é que o usuário pode carregar seu cartão a cada pagamento de boleto, por exemplo. Com o dinheiro em conta, o cliente pode efetuar pagamentos ou ainda realizar compras em um dos mais de 600 mil pontos de comércio que aceitam este cartão. As lojas podem ser físicas ou online, basta que aceitem a bandeira GoodCard. O GR Card também possibilita saques em toda a rede S&P e fazer transferências entre cartões.

Maior transparência

Além de simplificar a vida dos cidadãos, o uso de um cartão digital pode abrir mercado para pequenas empresas.

Um exemplo prático disso é o caso de uma empreiteira que utiliza serviços terceirizados. Neste caso, muitos dos gesseiros e pedreiros não possuem contas em bancos tradicionais. Além de não terem condições de abrir uma por não conseguirem apresentar um comprovante de renda que seja considerado válido por estas instituições financeiras, afirma o CEO.

Ainda de acordo com Lucio:

“Eles recebem em dinheiro ou pela conta de algum familiar. Com o produto pré-pago, o empreiteiro pode gerar dezenas de cartões, colocar nas mãos de cada profissional e fazer os depósitos para cada um deles”.

Todavia, com este recurso do cartão digital, estes prestadores de serviço poderão ter acesso a todo histórico de depósito, o que gera uma maior transparência pela empresa que os contratou.

O CEO complementa que este tipo de tecnologia foi feita para quem realmente precisa e antes não tinham acesso por exigências burocráticas de instituições tradicionais. Agora, o usuário consegue verificar saldo, realizar transações e até mesmo bloquear um cartão via site ou aplicativo da companhia. Sempre com rapidez e transparência, gerando assim a nova trajetória dos bancos.

*Ilustração: Reprodução / Morgana Miranda

Carro próprio x Uber: qual gera mais economia ao consumidor

carro próprio x uber qual gera mais economia ao consumidor

Atualmente, não há como negar que a vida das pessoas ficou mais cômoda após chegar ao mercado os aplicativos de transporte. As causas para utilizar este serviço são diversas. Vão desde não querer dirigir porque vai sair com os amigos para beber ou se não tem carro próprio mesmo e já está tarde para pegar um ônibus ou metrô para voltar para casa.

Comparado aos gastos mensais de um veículo próprio, os aplicativos de transporte podem ser a solução para muitos. No Brasil, as empresas prestadoras deste serviço mais conhecidas são: Uber, 99 e Cabify.

Mas nem sempre para todas as pessoas será mais vantajoso deixar o automóvel de lado para andar só de carro compartilhado. Portanto, cada um deve se fazer esta pergunta.

O que pesa mais no bolso

Em primeiro lugar, o que é bom para um, pode não ser para o outro. Portanto, é importante cada pessoa fazer a própria análise de gastos, colocando tudo na ponta do lápis mesmo.

Por exemplo, quem tem carro já possui gastos de início de ano com IPVA e renovação do seguro do carro. Além de colocar combustível semanalmente, a depender do tipo, se é gasolina ou etanol. Também tem os condutores que cometem infrações no trânsito e depois são obrigados a arcar com multas altíssimas. Fora isso, tem os gastos com revisão do carro e estacionamento.

Outro fator bastante levado em consideração é a depreciação do carro, ou seja, ele perde seu valor a cada ano. E na hora que vai trocar de veículo e dá o usado como entrada ou pensando que vai abater boa parte do preço do veículo novo, vem aquele susto. No caso de quem utiliza pouco o carro no dia a dia, talvez seja uma vantagem na hora de trocar de automóvel por estar em melhor estado de conservação.

Uber x Veículo próprio

Mais uma vez é importante aqui o próprio dono do veículo fazer as contas de quanto gasta ao ano tanto com custos fixos quanto com os inesperados.

Se a pessoa gasta quase cerca de R$ 8 mil por ano, já incluso impostos, depreciação e seguro, com este mesmo valor ela pode conseguir realizar cinco viagens semanais de Uber no ao custo de R$ 30 cada corrida.

Vale a pena tantas despesas?

Fora os gastos fixos por ano, existem os gastos com estacionamento, combustível, que não dá para precisar o valor exato por mês. Além das pessoas que podem pegar estrada e eventualmente pagar pedágios, tudo isso são custos a serem computados.

Vantagens de ficar sem carro

Para quem não for dependente do carro e seja apenas um comodismo, vale a pena utilizar o app de transportes. Já os que conseguiriam ficar numa boa sem veículo na cidade, seria uma solução vendê-lo. Se o veículo valer hoje em torno de R$ 25 mil, ainda tem a opção de aplicar o dinheiro e ainda ter algum lucro por ano. A pessoa também pode ainda alugar sua vaga de garagem no prédio por um valor médio de R$ 160 e ainda ter um ganho anual de R$ 1.920.

O usuário de transporte por aplicativo ainda pode alternar sua utilização com metrô, ônibus ou bicicleta e economizar ainda mais.

Conclusão

Para quem consegue ficar sem carro é uma boa se desfazer dele mesmo e utilizar transporte público ou os carros compartilhados.

Agora, para quem trabalha de carro pela cidade ou que ainda tem de realizar pequenas viagens na semana, é melhor continuar com o veículo. Geralmente, as empresas dão auxílio combustível ao dono.

O que importa é pensar direito, pois não é uma decisão fácil de tomar e requer saber antes quanto é gasto com cada opção.

*Foto: Divulgação

Chega a 163% o índice de mortes por dengue, sobretudo em MG e SP

chega a 163% o índice de mortes por dengue, sobretudo em mg e sp

O número foi recentemente divulgado pelo Ministério da Saúde em relação a doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

No período de um ano, o número de mortes por dengue atingiu mais que o dobro. No primeiro semestre de 2018, foram registrados 139 casos. Já nos primeiros seis meses de 2019, foram 366 ocorrências. Um crescimento de 163%.

As informações foram fornecidas pelo Ministério da Saúde, e contém casos de transmissões pelo Aedes aegypti computados até o dia 8 de junho. O indicativo do ministério mostra que este é o maior índice registrado desde 2015. Naquele ano, 752 pessoas foram a óbito em decorrência da dengue.

Ranking

O estado de São Paulo teve o maior número de mortes este ano, com 145 registros. Em seguida vem Minas Gerais, com 79; Goiás, com 29; Distrito Federal, com 24; e Mato Grosso do Sul com 23 casos.

​Fora isso, existe as ocorrências de suspeitas de dengue que cresceu bastante do primeiro semestre de 2018 para o mesmo período deste ano. O número subiu de 170.628 para 1.127.244, uma alta de 561%.

Maior incidência

Os estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul foram os locais com maior incidência da doença. E apresentaram, respectivamente, 1.804, 1.230 e 1.164 casos. O auge das ocorrências se deu no mês de abril nestas regiões.

Sorotipos e outros fatores determinantes

De acordo com infectologistas ouvidos pelo jornal Folha de S. Paulo, os fatores que podem ter influenciado no aumento dos casos são:

  • Urbanização sem planejamento;
  • Alterações climáticas;
  • Circulação de um sorotipo que difere do vírus da dengue.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019, a predominância no país é o sorotipo 2. Ele é considerado mais agressivo que os demais que já circularam pelo Brasil, os do tipo 1 e 4. Há ainda mais um subtipo, o 3.

De acordo com análises realizadas entre o fim dos anos 1990 e o começo dos anos 2000, o sorotipo 2 era presença frequente e apareceu com maior intensidade pela última vez em território nacional, em 2008.

Segundo o professor do departamento de Infectologia da Unifesp, Marcelo Burattini, o fato de muitas pessoas não terem sido infectadas por este subtipo faz com que elas estejam mais propensas à contaminação.

Ele ressalta que em 2020 em virtude desta alteração de sorotipo, o panorama pode ser bem ruim. Pois, terá maior circulação de mosquitos que carregará o vírus do tipo 2.

Sendo assim, a alternância de sorotipos prova que a dengue é uma doença periódica, de acordo com informações de anos anteriores.

Mudanças climáticas

As altas temperaturas, além da elevação dos índices de chuva neste primeiro semestre podem ter colaborado para o aumento dos casos de dengue. Só no estado de São Paulo, segundo dados do Imnet (Instituto Nacional de Meteorologia), o verão de 2019 foi o quinto mais quente da história.

Do ponto de vista histórico, as ocorrências da doença costumam ser maiores no início desta estação, sendo reduzida já no mês de maio, quando ocorre o outono. No entanto, segundo a consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Melissa Falcão, a maior incidência em 2019 começou antes do esperado. Portanto, o encerramento da epidemia também será prolongado.

Transmissão e sintomas

O mosquito transmissor da dengue é o Aedes aegypti. Ele se prolifera, principalmente, em locais com água parada, como pneus, vasos com plantas e garrafas plásticas. No entanto, evitar que estes criadouros se instalem já um modo de prevenção.

Os sintomas mais comuns da doença são dores musculares e nos olhos, dor de cabeça, falta de apetite, febre alta e mal estar em geral. É importante que as pessoas usem bastante repelente durante o período mais quente do ano, de preferência logo pela manha e no fim de tarde.

Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou um comunicado em que afirma atuar na prevenção e combate ao mosquito transmissor. Ele desenvolve esta ação junto aos municípios e estados do país. E ressalta que é de responsabilidade das autoridades locais determinar a visita de agentes às residências para explicar e eliminar possíveis criadouros.

Além disso, o ministério proporciona o apoio necessário como fornecimento de insumos para combater o Aedes. Só em 2018, o governo disponibilizou verba de R$ 1,9 bilhão para esta causa.

Com o crescimento dos casos neste ano, a pasta comunicou em abril a expansão dos testes com mosquitos Aedes aegypti contaminados pela bactéria Wolbachia. Esta consegue diminuir a capacidade do inseto de transmitir o vírus da chikungunya, febre amarela e zika.

Após isso, o procedimento deve integrar os serviços do SUS. Segundo o ministério, este tipo de teste é seguro para os seres humanos e para o meio ambiente, visto que a Wolbachia se desenvolve somente dentro das células dos mosquitos. Para a realização desta iniciativa, houve investimento de R$ 22 milhões.

O número de mortes em decorrência da dengue nos anos de 2015 a 2017 foram respectivamente de: 752, 318 e 107.

Fontes: Ministério da Saúde e jornal Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Libra: afinal de contas o que é este ‘whitepaper’ do Facebook?

libra - afinal de contas o que é este ‘whitepaper’ do facebook

Muito já foi falado sobre a Libra do Facebook desde seu lançamento, em 18 de junho. Mas é preciso entender as reais diferenças de uma moeda própria criada pela rede social e o Bitcoin já presente no mercado financeiro.

Chamado de ‘whitepaper’ pelos especialistas do setor por se tratar de um documento, ao ser lançado chamou bastante atenção sob o ponto de vista de como ele pode impactar no preço do Bitcoin a longo prazo.

Alguns analistas do mercado creem que a moeda do fundador da rede social, Mark Zuckerberg, não passa apenas de uma espécie de paypal em que é citada a palavra “blockchain” como um chamariz. Já do lado oposto, outros especialistas acreditam que a Libra pode abrir caminho para a implantação de mais criptomoedas tradicionais.

Com essas informações em mente, a importância de saber distinguir exatamente a função da Libra e do Bitcoin é essencial no mercado financeiro.

Bitcoin não é igual a Libra

Enquanto que o Bitcoin é considerado uma rede descentralizada e focada em ser resistente à sua censura, a Libra é comandada por um grupo de grandes empresas. Porém estas corporações sofrem pressão regulamentar de diversos governos espalhados pelo mundo.

Já foi constatado desde seu lançamento, que o Facebbok terá de enfrentar a decisão de legisladores que são contra a implantação de sua moeda digital.

Prova disso é que, de acordo com o site Bloomberg, o ministro de finanças francês bruno Le Maire disse na época que não podia permitir que a Libra se tornasse uma moeda dominante. No mesmo período, um parlamentar alemão também disse que os reguladores deveriam prestar atenção sobre esta questão.

Já nos Estados Unidos, o impacto do ‘whitepaper’ foi maior, fazendo com a presidente da Câmara de Serviços Financeiros, Maxine Waters, solicitasse que a rede social suspendesse a operação da Libra por enquanto.

Além disso, em relação à política monetária, as duas moedas também se distinguem. No caso, a moeda do Facebook é amparada por um balaio de moedas dos governos, ao passo que o Bitcoin possui seus próprios meios de ofertas que não envolvem política e são predeterminados.

Resistências

Caso sofra mais resistências de reguladores, pode ser que a operação da Libra não vá adiante, de acordo com o vice-presidente de soluções digitais da Mastercard, John Lambert em entrevista à Reuters.

Por conta da moeda do Facebook possuir participantes que são facilmente identificáveis, estes podem se tornar alvo dos reguladores. Além disso, ainda correriam o risco de ter o projeto todo interrompido por estes órgãos.

Em função de ser alvo de regulamentos, surge a pergunta se realmente a Libra deveria ser considerada uma criptomoeda como o Bitcoin. Pois, para os gêmeos Winklevoss, é notório o desagrado do setor financeiro que quer a permanência de uma rede descentralizada como o Bitcoin consegue proporcionar. Além disso, esta moeda consegue se aliar a aplicativos de pagamentos em criptomoeda que já são estão regulamentados. Essa ligação ainda permite o uso do Altcoins também estabelecimentos como o supermercado Whole Foods e as lojas da rede Starbucks.

Reflexos do escândalo

Também não se pode deixar de mencionar os escândalos envolvendo o Facebook. Por ter sido alvo de que é uma empresa que invade a privacidade de seus usuários ao longo dos anos, ele não gera confiança como o Bitcoin, ao contrário, causa desconfiança. Portanto, ela é vista como antiética.

Análise

Em suma, a Libra do Facebook demonstra ser mais um sistema de financeiro que surge no mercado. Sua aparição não deve influenciar no preço do Bitcoin, pois esta criptomoeda já entendida como uma loja que não depende de política para sua operação e que seu valor é de transação médio.

Fontes: Forbes e Bloomberg

*Foto: Divulgação

Lego estuda meios para substituir o plástico em seus brinquedos

lego estuda meios para substituir o plástico em seus brinquedos

Meta da fabricante dinamarquesa de brinquedos é cortar quase todo o plástico de seus produtos até 2030

Cada vez mais as empresas estão preocupadas com o uso do plástico em seus produtos. E ao mesmo tempo, o consumidor também está atento a reduzir este material em seu dia a dia.

A porcentagem de companhias de outros segmentos, que vão além das de canudos, estão tentando se moldar à nova realidade.

Entre estas empresas encontra-se justamente a Lego, que desde 2012 tenta substituir o uso do plástico por material orgânico. Porém, a procura pelo método exato que consiga atingir o mesmo grau de satisfação é difícil de chegar.

Aposta em plantas

A empresa dinamarquesa, que foi fundada em 1932, aposta em uma solução à base de plantas. Outras tentativas já foram colocadas em prática para dar consistência ao produto. Entres eles, o uso de milho, considerado muito mole, e o trigo, que carregava o problema de não obter cores.

De acordo com uma reportagem do periódico americano The Wall Street Journal, até o momento já foram mais de 200 tipos de materiais combinados e nenhum deles chegou à mesma qualidade do plástico.

Meta

Até 2030, o objetivo é abolir quase inteiramente o uso do plástico na fabricação dos famosos tijolinhos de montar. Anualmente, são vendidas mais de 70 milhões de peças da Lego. No entanto, apenas 2% desses produtos são feitos com a utilização de plástico biodegradável, extraído das plantas.

85 anos da empresa

Em 2018, a companhia dinamarquesa completou 85 anos e lançou os primeiros brinquedos à base de bioplástico. Para se tornar ainda mais sustentável, a Lego está investindo na contratação de profissionais capazes de atingir o sucesso deste projeto. Estão sendo utilizados recursos no valor de 1 bilhão de coroas, algo em torno de R$ 583 milhões.

A empresa está presente em mais de 130 países e teve faturamento de US$ 5,5 bilhões e alta de 4% no ano passado. Segundo a própria companhia, houve um maior interesse de seus produtos no mercado chinês, um nicho de negócio ainda pouco explorado por ela.

A dificuldade da substituição comparada a ir à Lua

Ainda na matéria do The Wall Street Journal, Tim Guy Brooks, diretor de responsabilidade ambiental da Lego disse que trocar o plástico por outro material é quase como o homem ter pisado na Lua a primeira vez. Pois, quando isso foi divulgado à época, ainda não existia a tecnologia capaz de conseguir este feito.

Brooks também citou a empresa Beyond Meat que produz hambúrgueres sem carne, que era algo impensável dez anos atrás. Hoje, esta empresa fatura milhões com a ideia.

Enquanto a Lego não alcança a solução exata para substituir o plástico em seus produtos, ela já reduziu a utilização de embalagens em 18%.

Outras empresas também estão se comprometendo em diminuir este tipo de material em suas embalagens como a Coca-Cola e a Nestlé.

Questão ambiental

O plástico é produzido por meio do petróleo e é altamente poluente para o meio ambiente. Atualmente, mais de 800.000 toneladas do material são jogados nos oceanos.

Além disso, as embalagens que, na maioria das vezes, são inutilizadas após o primeiro uso correspondem a 40% do plástico utilizado em todo planeta. Sendo que apenas um quinto dele, mundialmente falando, é reciclado, de acordo com estatísticas da Universidade da Califórnia.

*Foto: Divulgação

Brasil Game Show deste ano inova ao trazer novas marcas

brasil game show deste ano inova ao trazer novas marcas

A 12ª edição do Brasil Game Show promete ser a maior de todas até o momento. Considerada a maior feira de jogos da América Latina, desta vez o evento contará com a participação de novas empresas do setor, além de especialistas. O BGS acontecerá de 9 a 13 de outubro, no Expo Center Norte, na Vila Guilherme, em São Paulo.

Destaques e convidados

Entre as presenças já confirmadas, está a de Al Lowe, criador da série “Leisure Suit Larry” e também dos games: “Freddy Pharkas”, “King’s Quest III”, “Police Quest” e “Torin’s Passage”. Ainda serão anunciadas mais participações até outubro.

Além disso, o BGS também trará o dublador do Marioz Broz, da Nintendo, Charles Martinet; o criador do game “Dark Souls”, Hidetaka Miyazaki; o designer de jogos John Romero, de “Doom” e “Quake; e Shota Nakama, da Video Game Orchestra.

Em relação a presenças de novas empresas. A edição deste ano trará a Asus, que apresentará as inovações da linha ROG (Republico of Gamers). Também estarão presentes no pavilhão a Intel e o stand do YouTube. Este último ocupará 1.000 m². A dimensão será a mesma do espaço destinado ao game “Fortnite”, mais um debutante do evento.

Aumento de visitantes

A expectativa para o CEO e fundador da BGS, Marcelo Tavares é que tenha um aumento do número de visitantes em 10%. No ano passado, passaram pela feira 330 mil pessoas. Segundo Tavares, o interesse do público cresce a medida que nomes renomados da indústria de games comparecem ao evento, juntamente com a produção de jogos disponibilizada em mais de uma plataforma.

O CEO menciona como exemplo disso tudo o título “Fortnite”, que foi considerado o game mais jogado no mundo em 2018. A campanha dele envolveu outras mídias digitais, como o longa-metragem “Vingadores: Ultimato”.

Tavares também ressalta que este jogo é essencial para o BGS e um modo da empresa responsável pelo título, Epic Games, corresponder ao carinho dos fãs brasileiros ao estar presente nesta edição.

Maior número de empresas estreantes e expansões das antigas

Além das já citadas, a feira contará com a estreia da AOC. Já em termos de ampliação de espaço, a empresa DXRacer poderá desfrutar desta novidade. Entre as presenças já carimbadas em outras edições, estão a Brasil Game Cup e a Hasbro. Fora isso, a expansão dos locais de players de streaming de vídeo será maior, pois, de acordo com Tavares, o público brasileiro gosta muito de ver este tipo de transmissão.

Vendas de ingressos

A junção de todos esses fatores reflete na venda de ingressos, que para este ano está fluindo muito mais, segundo o CEO da feira. Portanto, ele acredita que o público da edição 2019 será o maior de todos.

Além disso, Tavares disse que a parte de pessoas de fora de São Paulo que comparecerão à feira deste ano deve representar entre 30% e 40% do público total. Isso pode acontecer graças à campanha de marketing realizada pela primeira vez com a mesma intensidade em todos os cantos do país.

Em entrevista ao site F5 da Folha de S. Paulo em junho, Tavares afirmou:

“Queremos um evento cada vez mais democrático. Teremos uma área só para mobile, mantendo a área para PC Gamers e consoles. É um evento que vai ter cada vez mais conexão com a internet, do ponto de vista de redes sociais e transmissão online, que esse ano, faremos não só dos campeonatos de e-sports, mas de toda a feira”.

Os ingressos para a 12ª edição do Brasil Game Show custam entre R$ 95 e R$ 390.

*Foto: Divulgação

‘Phishing’: usuários brasileiros são os mais atacados

phishing - usuários brasileiros são os mais atacados

Segundo análise da empresa de antivírus Kaspersky Lab, um em cada cinco brasileiros são bombardeados por mensagens que contenham fraudes

Um estudo divulgado pela companhia russa Kaspersky Lab mostra estatísticas sobre ataques feitos por spam (e-mails indesejados) durante o primeiro trimestre de 2019. Os números publicados pela fabricante de antivírus atestam que o Brasil é o país com mais usuários que recebem mensagem de teor ‘phishing’.

O que é phishing?

Em tradução livre, phishing significa receber uma mensagem por smartphone ou e-mail e este conteúdo tentar convencer a pessoa a passar seus dados pessoais.

Os casos mais habituais, recebidos via spam de e-mail, atestam que a vítima possui algum débito financeiro. Em seguida, a mensagem geralmente diz que para solucionar esta questão, o usuário deve clicar em um link, onde serão pedidas algumas informações. Porém, esses dados da vítima serão digitados em uma página falsa. Na sequência, o conteúdo fornecido pela vítima será utilizado por ladrões em operações fraudulentas. Elas podem ser desde roubo de contas até acesso a transferências bancárias não permitidas.

Estudo da Kaspersky Lab

Ainda segundo o estudo da Kaspersky Lab, 21,66% dos brasileiros (algo em torno de um em cada cinco internautas) já receberam esse tipo de mensagem fraudulenta. Na sequência vem os australianos (17,20%), seguidos pelos espanhóis (16,96%), portugueses (16,81%) e venezuelanos (16,72%).

Além disso, o levantamento apontou que os brasileiros ocupam o quarto lugar como autores dessas mensagens. A empresa afirma que 6,95% de todas as mensagens indesejadas foram enviadas por meio de computador no país. Já os chineses são responsáveis por enviarem o maior número de conteúdos como esses, com 15,82%. Na segunda posição ficou os Estados Unidos, com 12,64%.

Instituições financeiras e mercado de flores

Em 25,78% dos casos a fraude teve como principais envolvidos as instituições financeiras, segundo a Kaspersky Lab. Outros segmentos que interessam aos golpistas inserem sérvios de sites de internet (19,82%), sistemas de prestação de contas (17,33%) e por último as redes sociais (9,07%).

Todavia, o estudo também apresentou que algumas das mensagens usadas por criminosos se valiam de comemorações, como o Dia dos Namorados. Este dia é mais conhecido como Dia de São Valentim nos EUA e é festejado todo dia 14 de fevereiro. Essa data em específico foi apontada no relatório como tendo um elevado número de mensagens indesejadas vindas de locais que tinham a ver com a temática. Os espaços citados envolviam lojas de flores, serviços para relacionamentos e até vendas de Viagra.

Os e-mails que não possuem conteúdo essencialmente comercial (como a venda ilegal de um medicamento) são preparados para que os usuários forneçam seus dados pessoais.

O relatório da fabricante de antivírus russa não mostrou exemplos de mensagens indesejadas que rodearam o país, em português. Portanto, quem quiser saber como são praticados os golpes no Brasil, pode acessar o Catálogo de Fraudes. O site foi desenvolvido pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, que contém vários exemplos nacionais desse tipo de conduta.

*Foto: Divulgação

Iti: novo app do Itaú com transferências via cartão de crédito

novo app do itau

Aplicativo também permite a lojistas receberem pagamento com taxa de 1% e com isenção de mensalidade  

Lançado em maio, o app iti possibilita fazer pagamentos e realizar transferências a qualquer pessoa. Basta usar um código digital ou a lista de contatos do usuário, a transação é gratuita.

Além disso, o dispositivo faz operações via cartão de crédito de qualquer banco. Com isso, o indivíduo recebe no mesmo minuto e só paga quando a fatura chegar.

Segundo a diretora do iti, Lívia Chanes, o aplicativo foi criado na intenção de facilitar o dia a dia. E não é necessário comprovar renda e sua aprovação não demanda muito tempo. Chanes diz também que não precisa ser correntista do Itaú para utilizar o serviço.

O diretor geral do banco de varejo do Itaú Unibanco complementa:

“É o que nós acreditamos que seja o futuro do mercado. É uma plataforma digital que oferta produtos de pagamento. Crédito, incluindo cartões, seguros, investimentos. Tudo em arquitetura aberta”.

Como funciona

Quem for pessoa física, é só fazer um cadastro na plataforma e tirar uma selfie. Na sequência, o usuário já é capaz de carregar a conta via transferência ou por boletos. Com isso, a pessoa realiza transferências ou pagamentos.

Até o fim de 2019, as transferências e saques externos estarão isentos de taxas. Porém, após esse período, devem ser cobradas. O início das operações para transferências terão limite de R$ 1 mil ao dia. Isto significa que mais de 90% da demanda aprovada já foi usada. Conforme o uso do app pelo cliente, o limite será adicionado aos poucos pelo iti.

Pagamentos via QR Code já não são uma novidade no país e outros apps também oferecem este tipo de serviço. Portanto, o iti também permite que a pessoa aproveite o limite do cartão de crédito de qualquer banco fazer transferências e pagar por este serviço apenas no vencimento da fatura.

O diferencial do iti é que qualquer usuário poder baixar o app e utilizá-lo conforme for melhor para sua necessidade. Além disso, não há burocracia para sua aprovação, isso é um ponto positivo para quem não possui conta bancária. Porém, ela tem dinheiro para pagar um boleto ou fazer uma transferência, por exemplo.

Vantagens aos lojistas

Todavia, o grande benefício do iti vai para os lojistas. Estes poderão utilizar maquininhas da Rede (pertencente ao Itaú) para receber pagamentos. Além disso, o Itaú pretende no futuro que outras maquininhas de cartão também aceitem o iti.

Outra vantagem do app é que não há taxas para antecipação de recebíveis nem mensalidade. Somente é cobrada taxa de 1% ao lojista por operação e ele recebe o dinheiro na hora.

Como o iti é uma plataforma e não é necessário possuir conta bancária, o lojista pode deixar o dinheiro ali. Mas, caso queira, ele pode transferir o valor para qualquer instituição financeira de sua preferência.

Em comparação com outras maquininhas de cartão que cobram tarifas maiores para modo débito e crédito, o percentual executado pelo iti é bem inferior. Com isso, a adesão a este tipo de serviço pelos comerciantes pode ser grande. Diferente das outras marcas, o percentual pago pelos lojistas vai totalmente para o aplicativo. Portanto, não há divisão entre emissor, adquirente e bandeira do cartão.

Contrato de prestação de serviços entre iti e Rede

Um acordo firmado entre Rede e o app estabelece que a primeira vai receber o fee mensal conforme volume de transações realizados em suas maquininhas.

Isso faz com que não vire um ‘canibalismo’, segundo diretores do Itaú, o fato das operações do iti se sobressaírem às da Rede. No último trimestre desse ano, o aplicativo poderá ser utilizado via celulares Android e iOS.

*Foto: Divulgação

Marketing de grandes empresas está mais focado em sustentabilidade

reciclagem de embalagens

O lixo descartado de maneira correta pode virar recompensa aos consumidores. Esta é a abordagem feita pela marca de sabão Omo, da Unilever. E não é só ela, outras grandes empresas estão preocupadas com a questão da reciclagem de embalagens.

No caso do Omo, desde abril foi firmada uma parceria com a startup Maléccola, focada em lixo reciclável. O consumidor pode levar as caixas vazias de qualquer produto Unilever a um ponto de coleta da empresa parceira. Com isso, a pessoa ganha pontos pela iniciativa e pode trocá-los por itens das companhias que integram a ação.

Portfólio Omo

A estratégia de marketing do Omo visa uma reformulação em seu portfólio, considerada a maior, em 24 anos. A ação contém produtos com ingredientes biodegradáveis em sua fabricação, além de embalagens mais compactas. Já as garrafas são 100% recicláveis e também usam o plástico reciclado na formulação. Segundo depoimento à revista EXAME do vice-presidente de marketing de cuidados com a casa da Unilever, Eduardo Campanella:

“Ao estimular a devolução da embalagem, a ideia é estruturar a cadeia e elevar o percentual de plástico reciclado nas garrafas”.

Estudo da redução de plástico

As empresas se veem cada vez mais pressionadas a reciclar o plástico ou reduzir seu uso. Um estudo exclusivo foi encomendado pela EXAME à empresa MindMiners, baseada em pesquisas digitais. O resultado apresentou que 87% dos consumidores no Brasil diriam a amigos e parentes quais empresas fabricam produtos com menor índice de plástico em sua composição ou que reciclam o mesmo. Já para 70% dos entrevistados a iniciativa de reciclagem e menos impacto determina a escolha de compra.

Estimativas

A Fundação Ellen MacArthur aponta que cerca de 300 milhões de toneladas de plástico são produzidos no mundo todo ano. Esse número é 20 vezes mais do que o atingido na década de 1960. Fora isso, a fundação ressalta que pelo menos 8 milhões de toneladas desse material cheguem aos oceanos. Com isso, 100.000 mamíferos marinhos e tartarugas morreriam ao ingerirem microplásticos. A empresa conclui que se nada for feito a respeito, em 2050 terá mais toneladas de plástico do que peixes, no mar.

Cerveja Corona

A cerveja Corona (Ambev) em parceria com a ONG Parley for the Oceans, desenvolveu uma ação na praia de Ipanema. O projeto resultou na construção, em março, de um muro de 2 metros de altura e 15 metros de comprimento. Essa muralha demorou três dias para ficar pronta e foi constituída à base de lixo acumulado. O slogan do cartaz colocado próximo ao muro diz: “Um dia o lixo deixado na praia impedirá que você entre nela”. O diferencial da cerveja mexicana em criar uma ação assim é o fato de suas garrafas serem apenas de vidro. A diretora de marketing de marcas Premium da Ambev, Bruna Buás, afirou:

“O propósito da Corona é incentivar as pessoas a curtir a vida na natureza e, nesse contexto, a situação do plástico é preocupante”.

Coca-Cola

A Coca-Cola divulgou que seu maior marketing este ano não será do Natal, e sim o de garrafas plásticas retornáveis. A iniciativa lançada em outubro de 2018 visa conscientizar a troca do vasilhame vazio de bebidas por outro cheio. Pela atitude, o cliente ganhará cerca de 30% de desconto em qualquer refrigerante da marca. Com isso, a companhia poderá utilizar até 12 vezes a mesma embalagem.

Além disso, até 2020, a gigante de refrigerantes investirá R$ 1,5 milhão no Brasil para compra de novas embalagens. A verba também será destinada à expansão da linha e para ajudar cooperativas de reciclagem. Do ponto de vista global, a empresa assumiu que a cada unidade que vender até 2030, uma garrafa ou lata deve ser reciclada. Hoje, a companhia produz por minuto no mundo 200.000 garrafas de plástico.

Segundo Beto Almeida, presidente da consultoria de marketing Interbrand, o consumidor só é convencido por essas iniciativas quando elas são continuadas e concluiu:

“É um trabalho que exige continuidade. Não basta fazer uma campanha e não criar mecanismos que mudem o modus operandi em maior prazo”.

Tênis feito de produto reciclável

A Adidas está alinhada também com a sustentabilidade e já colhe os frutos de produtos ligados a este setor. O primeiro conceito de tênis sustentável da marca esportiva alemã surgiu em 2015. O produto foi feito a partir de plásticos retirados do oceano. Ainda em 2019, 11 milhões de pares desse modelo serão fabricados. Agora vem a fase de desenvolvimento de um tênis 100% reciclável. O anúncio veio em abril, porém, poucas pessoas serão contempladas, pois apenas 200 pares serão lançados até 2021. De acordo com o diretor global de inovação em roupas da Adidas, Graham Williamson, o objetivo é promover ainda mais um consumo consciente.

Brasken e SPFW

Moda e indústria química andam juntas há três anos. É o caso da empresa Brasken e o evento semestral São Paulo Fashion Week. A Brasken patrocina a SPFW, que nesse período tem se mostrado com uma atitude mais ecológica e consciente. Entre as iniciativas da parceria está a impressão 3D de botões de plástico verde por meio da cana-de-açúcar. Dede o ano passado, estudantes de moda são convidados a criar uma coleção de roupas confeccionadas com fios vindos do plástico reciclado, que foi descartado durante a edição anterior do evento. A gerente de marketing global da Brasken afirma:

“Com a economia circular, estimulamos a cadeia produtiva sustentável em diversos setores”.

Além disso, ações como essas provam que o consumidor pode ser conquistado por empresas que se dispõem a preservar o planeta de alguma forma.

*Foto: Divulgação/ Prefeitura de Ponta Grossa

Huawei entrou para valer novamente no Brasil com grande oferta

huawei p30 chega ao país com grande desconto

Promoção sinalizou grande retorno da empresa chinesa ao país, ocorrido em maio

A Huawei criou uma estratégia de vendas bastante atraente ao público brasileiro em sua reestreia por aqui. A companhia de telefonia chinesa ofereceu a consumidores um desconto de R$ 2 mil ou até mais para quem levasse um celular antigo em troca do lançamento P30. Com isso, a Huawei entrou para valer novamente no Brasil

A linha Huawei P30 passou a ser comercializada em maio e tem como concorrentes deste modelo o Iphone XS e o Samsung Galaxy S10.

Huawei entrou para valer novamente no Brasil

A oferta da empresa contemplava lojas de eletrônicos de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Os clientes que levassem um aparelho antigo de qualquer marca receberia o desconto após uma análise técnica para determinar o valor exato. Esse preço seria somado ainda ao bônus de R$ 2 mil proposto pela Huawei.

Um exemplo disso é que se o cliente fosse até uma loja e seu celular antigo fosse avaliado em R$ 500, o desconto total na troca por outro aparelho seria de R$ 2.500.

Preço sugerido  para o P30

O valor sugerido pela Huawei para as vendas do modelo P30 no Brasil é de R$ 5.499. Porém, a linha Lite não integrou esta promoção por já ser comercializada a baixo custo. ​

Todavia, a análise de cada smatphone antigo levado a locais de comércio eletrônico ficou a critério do próprio estabelecimento. As lojas parceiras nesta reestreia da empresa ao país foram: Casas Bahia, Fast Shop, Magazine Luiza, Ponto Frio e Vivo.

Segunda maior fabricante de smartphones do mundo

A Huawei reconquistou o título de segunda maior fabricante de celulares do mundo, deixando a Apple para trás. Na primeira posição ainda permanece a gigante sul-coreana Samsung.

A última vez que a chinesa comercializou seus aparelhos no Brasil foi em 2014. Segundo dados do IDC, a companhia que possui um diferencial em suas câmeras, consideradas potentes por apresentarem lentes Leica, responde hoje por 15,8% do mercado global de smartphones.

*Foto: Divulgação