Onda tech em declínio: Spotify corta 6% de sua equipe

Onda tech em declínio

Onda tech em declínio também afeta Google, Amazon e Microsoft, entre outras; confira

Na segunda-feira (23), o Spotify anunciou uma redução na base de funcionários da companhia em torno de 6%. Além disso, estima que terá de assumir quase € 35 a € 45 milhões em encargos atrelados a indenizações. É o que informou o portal Bloomberg News.

Onda tech em declínio

Com uma onda tech em declínio, a empresa de streaming musical de junta outras do setor de tecnologia, como Google, Amazon e Microsoft que anunciaram cortes de empregos para reduzir custos.

Contudo, o número de cargos a serem eliminados não foi especificado pelas fontes. Até o momento, o Spotify demitiu 38 funcionários de seus estúdios de podcast Gimlet Media e Parcast em outubro. A gigante do streaming de música possui aproximadamente 9.800 funcionários, segundo seu relatório de lucros do terceiro trimestre.

Cenário pandêmico

Por outro lado, durante a pandemia, as empresas de tecnologia aumentaram seu número de colaboradores. Porém, foram forçadas a fazer reduções em resposta à diminuição da receita de publicidade e a uma perspectiva econômica instável.

Vale destacar que a Amazon, Meta e Microsoft estavam entre as maiores empresas de tecnologia a anunciar reduções de pessoal recentemente. Enquanto isso, a Alphabet, controladora do Google, disse na sexta-feira (20), que cortará cerca de 12 mil empregos, mais de 6% de sua força de trabalho global.

Próximos cortes

Em contrapartida, ao ser questionado, um porta-voz do Spotify se recusou a falar sobre os próximos cortes da companhia.

O streaming musical assumiu um grande compromisso com o podcasting a partir de 2019. E chegou a investir mais de US$ 1 bilhão na aquisição de redes de podcast, software de criação, um serviço de hospedagem e os direitos de programas populares como The Joe Rogan Experience e Armchair Expert.

Entrentanto, tais investimentos testaram a paciência dos investidores. Isso porque as ações caíram 66% no ano passado, quando os investidores questionaram quando começariam a ver retornos. À época, em junho, executivos do Spotify disseram que seu negócio de podcast se tornaria lucrativo nos próximos um ou dois anos.

Lista de demissões no setor tech

Veja abaixo  as empresas que realizaram demissões no último ano:

  • Adobe
  • Amazon
  • Apple
  • Chime
  • Cisco
  • Coinbase
  • Dapper Labs
  • Digital Currency Group
  • DoorDash
  • Galaxy Digital
  • Genesis
  • Google
  • HP
  • Intel
  • Kraken
  • Lyft
  • Meta
  • Microsoft
  • Opendoor
  • Peloton
  • Plaid
  • Qualcomm
  • Salesforce
  • Seagate
  • Silvergate
  • Stitch Fix
  • Stripe
  • Twitter
  • Upstart
  • Vimeo

*Foto: Reprodução

Startups de impacto social: conheça 5 para ficar de olho em 2023

Startups de impacto social

Startups de impacto social têm ajudado a reduzir a desigualdade por meio de ações educativas focadas em população de baixa renda

Práticas ESG, da sigla em inglês para Environmental (Ambiental), Social (Social) e Governance (Governança) é a bola da vez no universo corporativo e não tem sido diferente no ecossistema de inovação. Sendo assim, obstinar como resultado o impacto social positivo que um negócio pode agregar vem sendo cada vez mais uma preocupação de algumas startups.

Startups de impacto social

Neste cenário, ações que priorizam a letra S da sigla, de social, têm se destacado no Brasil, local de grandes desigualdades sociais.

Este é um dos critérios de programas como o BNDES Garagem – Negócios de Impacto. Ele promove o empreendedorismo em todo Brasil por meio de um programa de aceleração que privilegia empresas que ajudem a transformar a realidade da população.

Atualmente, a iniciativa conta com a parceria de três organizações referências no ecossistema de empreendedorismo e inovação: Artemisia, Wayra e Liga Ventures.

A seguir, conheça cinco startups de impacto social, apoiadas pelo programa, para acompanhar em 2023:

Ela Faz

Promove a paridade de gênero, diversidade e inclusão social por meio de uma plataforma de tecnologia educacional que qualifica mulheres para o mercado de trabalho.

Além disso, a startup promove estudos nas comunidades, levantando dados sobre mulheres e direcionando a criação de cursos e conteúdos que atendam às necessidades específicas desses grupos. As formações são desenvolvidas de modo acessível, nas modalidades EAD e presencial.

A startup também faz acompanhamento psicossocial, para detectar as lacunas a serem trabalhadas nas mulheres participantes, para que estejam prontas a responder às expectativas operacionais e comportamentais do mercado. Mais de 2000 mulheres já participaram das formações.

Edumi

Startup que capacita jovens de baixa renda para o mercado de tecnologia. Por meio do programa gratuito Edumi for Youth, os alunos aprendem além de habilidades em tecnologia, soft skills importantes para conseguirem uma colocação profissional. 

Com duração de quatro meses e carga horária que supera 300 horas, o foco é atrair, selecionar, capacitar e dar mentoria aos participantes, apresentando as dinâmicas do ambiente corporativo a partir do contato gerado com as empresas patrocinadoras. 

Partiu!

A Partiu! é uma startup que através de uma plataforma de aprendizagem gamificada capacita e conecta mães de periferia a empresas de tecnologia. Com isso, elas desenvolvem competências cognitivas, socioemocionais e profissionais por meio de estratégias personalizadas geradas por recursos de Inteligência Artificial.

O objetivo é quebrar o ciclo de pobreza, ajudando mães em situação de vulnerabilidade a estudar e trabalhar, ressignificando seu papel na sociedade.

NoFront

A NoFront é uma plataforma digital com foco em jovens negros da periferia. Surgiu para aproximar pessoas pretas da educação financeira, ajudando a reduzir as desigualdades, promovendo a emancipação econômica.

Seu lema é que todos devem viver de forma abundante, próspera e igualitária. Para isso, oferece cursos sobre economia por meio das músicas de RAP – metodologia inédita de ensino.

Oferece ainda consultorias, palestras, workshops e podcast como ferramentas para ampliação do aprendizado, dentro e fora da sala de aula.

Tindin

Por fim, a Tindin é uma startup de educação. Seu principal produto é um ambiente virtual de aprendizagem gamificado, dentro de um contexto no metaverso, o que transforma o ensino híbrido em uma experiência imersiva.

Os usuários podem aplicar os conhecimentos teóricos multidisciplinares em situações práticas simuladas no ambiente digital. Para isso utiliza a educação financeira como principal mote para aplicação de conhecimentos diversos, aprendidos na escola.

O objetivo é democratizar o acesso à educação de qualidade por meio da combinação de tecnologias disruptivas e metodologias ativas. Seu modelo de negócio é predominantemente B2B. Porém, também possui frentes de atuação nos modelos B2G e B2B2G, oferecendo sua tecnologia para governos.

*Foto: Reprodução

Pix supera 100 milhões de transações: motivo foi pagamento da 2ª parcela do 13º

Pix supera 100 milhões de transações

Pix supera 100 milhões de transações de acordo com dados do Banco Central, na última terça-feira (20)

Na terça-feira (20), pela primeira vez o PIX ultrapassou a marca de 100 milhões de transações em um único dia. O motivo para este feito está associado à data do pagamento da segunda parcela do 13º salário. De acordo com o Banco Central, foram realizadas 104,1 milhões de operações, no valor total de R$ 60,3 bilhões.

No entanto, a alta demanda não comprometeu o funcionamento do Pix, uma vez que o BC afirma que os sistemas funcionaram com estabilidade ao longo de todo o dia.

Pix supera 100 milhões de transações

Além disso, hoje, o Pix já se tornou o meio de pagamento mais utilizado no Brasil e segue em constante crescimento desde seu lançamento, em novembro de 2020. O recorde anterior ocorreu em 30 de novembro deste ano, quando foram realizadas 99,4 milhões de transações no dia de pagamento da primeira parcela do 13º salário.

Em nota, o BC se pronunciou:

“Os sistemas do Banco Central funcionaram com estabilidade ao longo de todo o dia, atendendo plenamente à alta demanda.”

O Banco Central disse ainda que tal alcance da nova marca diária do Pix “coincidiu” com o último dia para o pagamento da segunda parcela do 13° salário. Vale lembrar que as empresas tinham até a última terça para realizar o depósito para trabalhadores com carteira assinada.

Dois anos de operações

O Pix completou dois anos de operações com mais de 140 milhões de usuários cadastrados. Segundo dados mais recentes, de novembro, são 536,9 milhões de chaves registradas, como emails, CPFs e números de celular, sendo que cada usuário pode ter mais de uma chave.

Atualmente, o meio de pagamento acumula 143,3 milhões de usuários, sendo 131,6 milhões pessoas físicas e 11,7 milhões pessoas jurídicas.

E até outubro deste ano, o serviço de pagamentos instantâneos criado pela autoridade monetária da economia brasileira tinha sido responsável por mais de 28 bilhões de transações e pela movimentação de quase R$ 14 trilhões. Já em setembro, o sistema superou o valor de R$ 1 trilhão movimentados por mês.

*Foto: Reprodução

Vacina inalável contra covid-19: Biomm pede aval definitivo à Anvisa

Vacina inalável contra covid-19

Vacina inalável contra covid-19 apresenta economia ao sistema de saúde por usar apenas um quinto da dose intramuscular

A biofarmacêutica Biomm anunciou na segunda-feira (5), que solicitou autorização definitiva para uso de vacina inalável contra covid-19, Convidecia Air, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A empresa brasileira é parceira da chinesa CanSino, que desenvolveu o imunizante. A ideia do laboratório é oferecer mais uma opção de imunizante para dose de reforço.

Vacina inalável contra covid-19

Em nota, Heraldo Marchezini, CEO da Biomm, destacou o seguinte:

“A submissão visa a ampliar o acesso à vacinação por meio de mais uma opção de imunizante contra a covid-19. É importante ressaltar ainda que, além dos benefícios para a população, a vacina inalável apresenta economia para o sistema de saúde por utilizar apenas um quinto da dose intramuscular.”

Além disso, a biofarmacêutica brasileira destacou que o pedido do uso da vacina inalável contra covid-19 integra o processo de registro da versão injetável do imunizante, iniciado em maio deste ano. Ambas, segundo a CanSino, foram desenvolvidas a partir do adenovírus tipo 5 – vírus brando do sistema respiratório que causa sintomas semelhantes aos do resfriado comum -, alterado geneticamente para carregar as informações necessárias para sintetizar as proteínas novo coronavírus.

Em geral, a Convidecia Air é inovadora por não precisar de uma injeção para ser aplicada. A aplicação depende apenas de um nebulizador para transformar o líquido em aerossol para inalação pela boca. De acordo com a Biomm, o imunizante foi aprovado na China e teve uso emergencial liberado no Marrocos.

Estudo

Por fim, em estudo publicado na revista científica The Lancet Respiratory Medicine, cientistas da CanSino destacam que resultados sugerem que uma imunização de reforço heteróloga (com vacinas diferentes) com a vacina inalável “é segura e altamente imunogênica”. Os testes objetivaram analisar a imunogenicidade da vacina em adultos chineses que haviam recebido duas doses da Coronavac.

*Foto: Reprodução

PEC da Transição no Congresso: quais os próximos passos?

PEC da Transição no Congresso

PEC da Transição no Congresso que retira do teto de gastos as despesas com o Bolsa Família por quatro anos foi protocolada no Senado na segunda-feira (28)

A maior preocupação do governo eleito para garantir o cumprimento de promessas de campanha é aprovar a PEC da Transição nas próximas semanas. A expectativa do autor da proposta, senador Marcelo Castro (MDB-PI), é que o texto de ordem política tenha o aval dos parlamentares até 16 de dezembro.

PEC da Transição no Congresso

A PEC da Transição no Congresso, que retira do teto de gastos as despesas com o Bolsa Família (atual Auxílio Brasil) por quatro anos, foi oficialmente protocolada no Senado nesta segunda-feira, 28. Entretanto, ainda será discutida — e muito provavelmente alterada — no Congresso.

Próximos passos

Confira a seguir os próximos passos que a proposta precisará percorrer nas próximas semanas:

  • Assinaturas: por ter sido apresentada por um senador, a proposta começará a tramitar pelo Senado. Contudo, para isso, a PEC precisa da assinatura de 27 senadores (um terço do total). Só assim o projeto terá uma numeração própria;
  • CCJ do Senado: A primeira fase de tramitação da PEC é a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O colegiado, formado por 27 senadores, deve propor alterações no texto. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), designará o relator, responsável por apresentar o parecer que será votado na comissão. Para ser aprovado na CCJ, o texto precisa dos votos favoráveis de mais da metade dos senadores presentes (maioria simples);
  • Plenário do Senado: após passar pela CCJ, a PEC será analisada pelos 81 senadores no plenário. Os parlamentares podem aprovar um texto diferente do proposto inicialmente. Para aprovação, são necessários os votos favoráveis de 49 senadores (três quintos do total), em dois turnos de votação. É possível aprovar o texto na CCJ e no plenário no mesmo dia, desde que haja acordo para quebra de interstício (intervalo exigido pelo regimento entre as sessões);
  • Plenário da Câmara: se a proposta for aprovada pelos senadores, será encaminhada à Câmara. No caso da PEC da Transição, o trâmite será simplificado entre os deputados, porque o texto será apensado (anexada) à PEC 24/2019, que já passou por comissão e está pronta para votação no plenário. Para aprovação, são necessários os votos favoráveis de 308 deputados (três quintos do total), em dois turnos de votação. Se os deputados mudarem o texto de forma substancial, ele precisará voltar para nova avaliação do Senado;
  • Promulgação: após aprovação nas duas Casas, a PEC será promulgada em forma de emenda constitucional em uma sessão do Congresso Nacional e publicada no Diário Oficial. PECs não precisam da sanção do presidente da República.

*Foto: Reprodução

Expansão do sinal 5G: Brasil avança

Expansão do sinal 5G

Expansão do sinal 5G já é uma realidade, ativa em todas as capitais, segundo informações do MCom

Há um ano, no dia 4 de novembro de 2021, o Brasil acompanhou o maior leilão de telecomunicações da história do país: a licitação das faixas de radiofrequências do 5G, realizada pelo Ministério das Comunicações (MCom) e Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Expansão do sinal 5G

Hoje, a nova geração de internet móvel é uma realidade em todas as capitais brasileiras. Agora, há a expansão do sinal 5G, uma vez que outras 480 cidades se preparam para ativar o sinal, destaca a divulgação oficial. Já são mais de 6,6 mil antenas de 5G espalhadas por todo país para garantir conexão nas faixas de 2,3 GHz; 3,5 GHz e 26 GHz. As estações levam a tecnologia a 50 milhões de pessoas e potencializam transformações digitais.

Dados oficiais

Vale lembrar que Brasília foi a primeira cidade a receber o sinal, na faixa de 3,5 GHz, em julho deste ano. A capital que se tornou pioneira no 5G se destaca, atualmente, por ter a segunda velocidade de download mais rápida do mundo na conexão 5G: em média, 369,5 MB/s, perdendo apenas para a Coreia do Sul (447,4 MB/s). O ranking é de relatório elaborado pela Opensignal, segundo o Ministério das Comunicações (MCom).

Além disso, depois da ativação da nova tecnologia em Brasília, gradativamente, as outras sedes estaduais iniciaram suas conexões e, em outubro, todas as capitais já estavam com a quinta geração de internet móvel ativa. A chegada do sinal a essas cidades ocorreu antes mesmo do prazo previsto pela Anatel.

Limpeza de faixa

O Ministério das Comunicações (MCom) informa que o 5G agora avança para as 26 cidades com mais de 500 mil habitantes e regiões metropolitanas, que somam 454 municípios.

Para essas localidades, já foi liberada a limpeza da faixa de 3,5 GHz (principal usada para o 5G) e iniciadas as ações para migração da recepção de TV aberta por antena parabólica, da banda C para a banda Ku.

Grupo de Acompanhamento

Tal deliberação foi tomada, em outubro, pelo Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa de 3.625 a 3.700 MHz (Gaispi), conforme divulgação oficial.

A ação de limpeza é imprescindível para mitigar as interferências nas estações receptoras do Serviço Fixo por Satélite. Com a migração, é aberto caminho para uma possível antecipação da liberação da faixa nesses municípios.

Nova era de conectividade

A tecnologia 5G inaugura no Brasil uma nova era de conectividade. Com conexão ultrarrápida, baixa latência e capacidade para múltiplos dispositivos. Por fim, o 5G fomenta inovação em diversos setores e impulsiona o desenvolvimento econômico, destaca o Ministério das Comunicações (MCom).

*Foto: Reprodução

Doações milionárias e ESG: franquia atrai geração Z com receita de R$ 70 milhões

Doações milionárias e ESG

Doações milionárias e ESG fez da Megamatte, uma rede de bebidas e comidas saudáveis, uma empresa com práticas sociais e itens orgânicos na produção

Uma das primeiras redes de franquias do Brasil a se tornar signatária do Pacto Global da ONU, uma iniciativa que reúne companhias dispostas a adotarem melhores práticas de sustentabilidade e meio ambiente, a Megamatte já segue a toada da responsabilidade social há pelo menos seis anos.

Doações milionárias e ESG

Porém, foi em 2018 que a rede de comidas de bebidas saudáveis percebeu que o caminho para alcançar novos públicos seria por meio de uma redefinição cultural da porta para dentro.

Desde então, todos os funcionários passaram a ser informados, desde o onboarding, sobre a missão central da empresa: geração de rentabilidade a partir da valorização da agricultura familiar e do meio ambiente.

Por que ser ESG?

Além disso, o intuito era alinhar expectativas e encontrar apenas os funcionários com maior afinidade com a razão de ser da empresa. É o que revela Julio Monteiro, CEO da Megamatte:

“Ter um time alinhado ao que pregamos na teoria é o que, na ponta, permite adaptações nos processos operacionais em si.”

Treinamento de funcionários

Como exemplo, estão treinamentos recorrentes de funcionários e franqueados, com destaque para encontros educativos durante a pandemia que tiveram a finalidade de comunicar as intenções da empresa de priorizar o equilíbrio. E isso seja na relação dos franqueados com seus clientes, seja pela atenção primária à saúde mental dos funcionários — nos anos mais agravantes da pandemia, a Megamatte não demitiu ninguém.

Tal conduta possui um valor especial às gerações mais jovens, atentas ao posicionamento de empresas e marcas a temas sensíveis como a relação com empregados — no Brasil, 61% deles consideram o tema como indispensável no dia a dia de empresas, segundo estudo da agência Edelman com mais de 13.700 respondentes.

Juventude

Por outro lado, a Megamatte também aposta na saudabilidade do cardápio como forma de atender aos mais jovens com interesse crescente pela transparência nos rótulos e impacto social por trás dos produtos. Uma forma de fazer isso é priorizar os itens originários da agricultura familiar, reforça Monteiro.

“Hoje, só vendemos produtos livres de agrotóxicos e com certificações que comprovam as boas condutas.”

Geração de impacto

O compromisso com a geração de impacto também se traduz em números: desde 2015, a Megamatte já investiu mais de 3,2 milhões de reais em projetos sociais.

“O mais importante para essa geração e para o mercado é não ser uma empresa greenwashing. É isso que priorizamos.”

Por fim, as ações também se refletiram nas contas da empresa. Em 2021, a rede faturou R$ 70 milhões e em 2022, as receitas devem chegar a R$ 96 milhões.

*Foto: Reprodução

Paralisia infantil no Pará: suspeita é em criança de 3 anos

Paralisia infantil no Pará

Paralisia infantil no Pará, assim como no resto do Brasil foi erradicada em 1989, graças à obtenção de altas coberturas vacinais

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) notificou ao Ministério da Saúde que investiga uma suspeita de paralisia infantil em um menino de 3 anos de idade, do município de Santo Antônio do Tauá, no nordeste do estado.

Paralisia infantil no Pará

Além disso, em comunicação de risco do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, a secretaria pondera que outras hipóteses diagnósticas não foram descartadas, como a Síndrome de Guillain Barré.

Entretanto, a suspeita de paralisia infantil no Pará se dá em razão da detecção do poliovírus nas fezes do paciente. O exame foi realizado diante da apresentação de sintomas como paralisia nos membros inferiores.

Sintomas

A criança começou a apresentar os sintomas em 21 de agosto, com febre, dores musculares, mialgia e um quadro de paralisia flácida aguda, um dos sintomas mais característicos da poliomielite. Dias depois, perdeu a força nos membros inferiores e foi levada por sua responsável a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no dia 12 de setembro.

Já a Sespa informou que presta toda a assistência ao paciente, que se recupera em casa, e que atua para a rápida investigação e esclarecimento do caso.

Vacina

A poliomielite não possui tratamento, mas o Programa Nacional de Imunizações (PNI) dispõe de vacinas seguras e eficazes que devem ser utilizadas para proteger crianças desde o primeiro ano de vida. Em geral, o PNI recomenda que a vacina injetável intramuscular seja administrada aos 2, 4 e 6 meses de idade, conferindo uma imunidade que só é reforçada aos 15 meses e aos 4 anos, com as gotinhas da vacina oral, ou em campanhas de vacinação anuais como a realizada recentemente.

Erradicação

Contudo, graças à obtenção de altas coberturas vacinais, a doença foi erradicada no Brasil. Sendo assim, a paralisia infantil teve seu último caso reportado no país em 1989. E em 1994, o continente americano recebeu a certificação de área livre de circulação do Poliovírus selvagem da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Queda das coberturas vacinais

Por outro lado, houve, a partir de 2016, houve a queda das coberturas vacinais contra a doença. Desde então, têm gerado alertas de especialistas de que o país poderia voltar a registrar casos de pólio, que pode causar morte e sequelas motoras irreversíveis.

Segundo o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), as doses previstas para a vacina intramuscular contra a pólio atingiram a meta de 95% do público-alvo pela última vez em 2015, quando a cobertura foi de 98,29% das crianças nascidas naquele ano.

Porém, após 2016, a cobertura caiu para menos de 90%, chegando 84,19% no ano de 2019. Em 2020, a pandemia da covid-19 impactou as coberturas de diversas vacinas, e esse imunizante chegou a apenas 76,15% dos bebês. Em 2021, o percentual ficou abaixo de 70% pela primeira vez, com 69,9%. No Pará, onde foi registrada a suspeita, o percentual foi ainda menor, de 55,73%.

Fora do Brasil

Todavia, essa questão não se aplica apenas ao Brasil. Sendo assim, a Organização Pan-Americana de Saúde listou o país e mais sete nações da América Latina como áreas de alto risco para a reintrodução da doença.

O vírus selvagem da poliomielite também voltou a circular no continente africano LINK 1, e a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, notificou um caso de poliomielite com paralisia em um adulto que não teria viajado para o exterior.

Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite

Por fim, o Ministério da Saúde realizou entre 8 de agosto e 30 de setembro a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, mas a meta de imunização não foi atingida. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse ontem (5) que o país vai atingir o objetivo de vacinar 95% das crianças menores de 5 anos de idade contra a poliomielite, porém, estimou que a cobertura vacinal está em torno de 60%.

*Foto: Reprodução

Programa de soluções de impacto avança em Jundiaí

Programa de soluções de impacto

Programa de soluções de impacto no município do interior paulista abrange fase do Programa de Aceleração de Negócios de Impacto do IdeiaGov

Mais uma vez a cidade de Jundiaí, no interior paulista, participou de uma fase do Programa de Aceleração de Negócios de Impacto do IdeiaGov. O projeto criou um laboratório de inovação do governo do Estado, para avaliar as propostas feitas por 30 parceiros da iniciativa privada, com foco no fomento à inovação de impacto social por meio da aceleração de soluções inovadoras para os desafios enfrentados pela administração pública.

Programa de soluções de impacto

O programa de soluções de impacto foi realizado na sede do IdeiaGov, em São Paulo, e contou com palestras de especialistas nos temas de sustentabilidade no Poder Público, análise de dados para a tomada de decisões e experiência do cidadão com os serviços públicos.

Comissão

Além disso, a comissão de avaliação foi composta por representantes dos municípios participantes do desafio. Entre eles, representando Jundiaí, está o diretor do Departamento de Planejamento, Gestão e Finanças da Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS), Lucas Rodrigues.

Na ocasião, 30 empresas realizaram suas apresentações e as cinco startups mais bem avaliadas – nos critérios: empreendedor e equipe, inovação e diferenciação, modelo de negócio e impacto – foram premiadas como destaques.

Ainda de acordo com Lucas Rodrigues:

“A participação de Jundiaí é motivada pela visão de trazer inovação à gestão municipal, utilizando de parcerias e trabalho em rede para ampliarmos o alcance das nossas ações e a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos. Conseguir soluções piloto sem custos aos cofres públicos, como essa oportunidade que o IdeiaGov nos oferece, nos auxilia a ser cada vez mais assertivos nas eventuais futuras contratações.”

Próximos passos

Como próximos passos, startups e municípios trabalharão as afinidades detectadas entre os desafios públicos e soluções propostas. Além disso, uma ou mais startups poderão ser incubadas em um dos ambientes de inovação do Campus Jundiaí, pelo período de três meses, em troca de um atestado de capacidade técnica para a iniciativa.

Além da UGADS, também estão envolvidos no programa como representantes da Prefeitura a Unidade-Adjunta de Governo da Unidade de Gestão de Governo e Finanças (UGGF) e a Unidade de Gestão de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (UGDECT).

*Foto: Reprodução

Rock in Rio sustentável: 70% do público se interessa pelo tema

Rock in Rio sustentável

Rock in Rio sustentável, segundo levantamento, mais da metade do público se interessa por sustentabilidade, além da preservação do meio ambiente

De acordo com um levantamento feito pelo instituto Datafolha, a pedido da empresa de papel e celulose Suzano, revela que a maior parte do público do Rock in Rio se interessa por temas como sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

Rock in Rio sustentável

E para um Rock in Rio sustentável, a pesquisa entrevistou 412 pessoas durante o primeiro dia do festival. Desse total, 29% dos entrevistados afirmaram ter “um pouco” de curiosidade sobre o tema.

Além disso, das pessoas ouvidas, 70% disseram que se interessam por um planeta mais sustentável, ante os já citados 29% que afirmaram ter “um pouco” de curiosidade sobre o assunto. Contudo, somente 1% alegou não ter nenhum tipo de interesse em sustentabilidade.

Primeiro dia do festival

O primeiro dia do festival, que retomou suas atividades após dois anos de pandemia, ocorreu na última sexta-feira (2). Sendo assim, pode haver uma margem de erro para o total da amostra nacional da pesquisa de 5 pontos para mais ou para menos.

Desse público, 54% responderam que o material ideal para se utilizar em embalagens de produtos é o papel.

Por outro lado, a segunda opção mais votada foi o vidro, com 21%. Em terceiro lugar aparece o plástico, com 12%, e em último lugar o alumínio, com 8%.

Compra de produtos sustentáveis

Esses mesmos entrevistados também responderam sobre o hábito de comprar produtos sustentáveis. Desse total, 21% alegaram que compram esse material sempre. Enquanto isso, 61% afirmaram que adquirem este tipo de produto às vezes. Por fim, 12% afirmaram que raramente adquirem itens do tipo e 6% disseram que não costumam comprá-los.

*Foto: Reprodução