Expo Impacto ocorre nesta semana: saiba tudo

Expo Impacto

Expo Impacto traz palestras sobre negócios e meio ambiente e é organizado pela Associação Amigos do Futuro, e acontece no Eixo Cultural Ibero-Americano

É fato que mais empresas buscam meios de trabalhar de forma mais ecológica. Isso envolve menos contaminação e ainda mantém o lucro. É o que o mercado chama de Empreendedorismo Sustentável. Ou seja, que se preocupa com o meio ambiente, e que atrai mais empresários. Porém, muitos não ainda como iniciar ou investir neste tipo de empreendimento.

Evento Expo Impacto

Sendo assim, entre os dias 23 e 26 de junho, vai ocorrer o evento Expo Impacto. Ele trará palestras, rodas de conversa, oficinas e estandes. A ideia é integrar a comunidade, o ecossistema de inovação e empreendedores, com impacto social para compartilhar conhecimentos sobre o empreendedorismo sustentável.

Organização

A organização é da Associação Amigos do Futuro, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. O evento Expo Impacto levará ao Distrito Federal também empresários e especialistas do para conectar ideias, buscar novos caminhos e inspirar atitudes ecológicas nos empresários brasilienses.

Além disso, o Expo Impacto terá estandes de empresas do segmento de impacto voltadas à ecologia, ecoturismo, empreendedorismo responsável e reciclagem.

Destaques da programação

Ao todo, serão dez encontros, com grandes nomes expoentes do mercado. É o caso de Paulo Sá, economista com MBA pela London Business School (UK). Ele abre o evento nesta quinta, às 10h30, para falar sobre Economia x Impacto social. Ainda no primeiro dia, Patricia Mazoni, profissional nas áreas de mobilização social, educação ambiental, e ecoturismo, e Gustavo Sá, produtor de eventos, falam às 17h sobre o impacto social de eventos sustentáveis.

Já no segundo dia, o destaque é para a palestra “Encontro de Artesanato sustentável e de impacto social”, liderada por Edinar Valeriano Gomes, artesã brasiliense com mais de 30 anos de experiência, às 14h30. No sábado, 25, às 17h, o Barba Rogério, responsável pelo projeto Barba na Rua, que ajuda pessoas em situação de vulnerabilidade nas ruas do DF, vai mediar a palestra sobre Projetos Sociais.

Sustentabilidade e Racismo

Contudo, para fechar o evento, as pautas escolhidas falam sobre Sustentabilidade e Racismo. No caso, serão duas palestras. A primeira será mediada por Rejane Pieratti, especialista em projetos de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental, às 14h30. E a segunda será comandada por Juvenal Araújo, ex-Secretário Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, às 17h.

Como participar

Para participar, os interessados devem fazer um credenciamento pelo formulário disponível neste link, que acontecerá no Eixo Cultural Ibero-Americano, com palestras que começam às 10h e terminam às 22h.

*Foto: Reprodução

Mercado solidário dá comida de graça a quem precisa no RJ

Mercado solidário da Parada São Jorge

Mercado solidário é uma iniciativa da Parada São Jorge, região pobre no interior de São Gonçalo, município na região metropolitana do Rio

Muitas famílias ficaram sem ter o que comer desde o começo da pandemia de Covid-19, em 2020. Pensando nisso, mulheres se uniram na comunidade da Parada São Jorge, região pobre no interior de São Gonçalo, município na região metropolitana do Rio para ofertar comida de graça a quem precisa. Nasceu assim um mercado solidário que agora está prestes a se tornar uma organização não governamental (ONG).

Mercado solidário da Parada São Jorge

A iniciativa do mercado solidário contou com a ajuda da publicitária Letícia da Hora, moradora da comunidade. Ela decidiu abrir este projeto de impacto social com a finalidade de arrecadar e doar cestas básicas.

No começo, tudo era feito de modo prosaico. Mas quase dois anos depois, ainda segue sendo sustentada por pessoas físicas, e sem nenhum auxílio público ou de entidades privadas. Portanto, são cidadãos desconhecidos que se mobilizam para ajudar outros a terem o que comer.

Como funciona o mercado solidário

O mercado solidário criado por Letícia e tocado pelas Mulheres da Parada, nome dado ao grupo, tem como alvo um problema urgente: a fome.

De acordo com Letícia:

“Logo na primeira onda da covid-19, tinha muita gente sem conseguir trabalhar. Aqui tem muita gente que é trabalhador informal – diaristas, camelôs -, que ficou sem conseguir trabalhar e ficou sem seu sustento. E a maioria trabalha hoje para comer amanhã.”

Inicialmente, ao projeto fazia apenas a distribuição de cestas básicas. Entretanto, depois ficou claro que a maior parte das pessoas buscava produtos bem específicos. Isso inclui: arroz, feição e macarrão. Sendo assim, as Mulheres da Parada tiveram a ideia de criar um mercadinho onde cada um fosse buscar o que precisava de fato, e sem precisar pagar nada por isso.

Cadastro

Atualmente, são 150 famílias cadastradas na Parada São Jorge. Isso dá em média 550 pessoas que recebem a ajuda. Os alimentos são doados por colaboradores.

Além disso, a maioria das vezes a doação é feita por meio de uma transferência de PIX. E as próprias mulheres tratam de comprar os produtos com algum fornecedor. Mas o desafio cresceu mais ainda nos últimos tempos, revela a publicitária.

“Desde outubro (do ano passado) diminuiu o número de doações, e o preço dos alimentos aumentou muito, muito mesmo. Antes, com o valor da doação, a gente conseguia fazer ‘2 X’, e hoje conseguimos ‘meio X’. E o número de pessoas precisando só aumenta, porque a crise está aí, com aumento do desemprego.”

Escolhas

Por outro lado, Letícia afirma que com menos dinheiro, o grupo acaba fazendo escolhas sobre quem ajudar e esta é a parte mais difícil. No começo, as famílias com cinco ou mais pessoas recebiam até 30 itens todos os meses. Mas agora este número caiu pela metade.

Com isso, a preferência hoje é para quem for mãe solo e/ou que sofre de alguma violência doméstica.

“Existem várias formas de você ser violentada, tem a agressão física, a moral e a patrimonial. E a gente percebeu que aqui, na comunidade, uma das formas que os homens têm para agredir essa mulher é na violência patrimonial. Às vezes eles têm dinheiro para comprar comida, mas eles não compram, para fazer essa mulher ficar ainda mais dependente dele.”

ONG

Com os grandes desafios diários, o coletivo das Mulheres da Parada vão ampliar sua atuação. Agora, o grupo está em processo para se transformar em uma ONG, o que facilitaria o recebimento de doações.

Além disso, uma horta comunitária já foi criada pelo projeto social. Também são oferecidos cursos para ensinar outras mulheres a plantar e a produzir o próprio alimento.

*Foto: Divulgação

Floresta de pé: negócio impacta comércio de produtos da Amazônia

Floresta de pé na Amazônia

Floresta de pé tem projeto com base no estudo A onda verde, da Climate Ventures e Pipe.Labo

Com base no estudo A onda verde, da Climate Ventures e Pipe.Labo, o projeto de floresta de pé pode contar com oportunidades de empreendimento e investimento com impacto social e ambiental no Brasil.

Projeto floresta de pé

As soluções para a floresta de pé tem como ponto de partida o uso do solo. Isso porque propõe desafios que impactam na produção de alimentos em larga escala, além da perda de produção ao longo das cadeias de valor. E ainda inclui assistência técnica ao produtor e rastreabilidade de produtos.

Práticas de gestão

Em relação ao mapeamento, ficou evidente que as oportunidades do setor florestal revelam a importância de viabilizar práticas de gestão. Estas devem promover a conservação e, ao mesmo tempo, que se mostrem atrativas financeiramente falando.

Além disso, tais iniciativas devem compreender as soluções tecnológicas e a inovação na gestão dos negócios. E isso indica tanto a necessidade de fortalecimento da produção florestal quanto à integração com mercados e cadeias de valor mais estruturadas. E é neste cenário que aparece a Apoena.

Onesimo Maurillo Jacinto e Kátia Piêra Batista Gomes fundaram a empresa em 2020, na cidade de Tefé, no coração da Amazônia. Hoje, a Apoena atua com mais de 50 extrativistas locais, que fornecem ao negócio de impacto socioambiental produtos como: óleos vegetais e essenciais, farinha regional e frutas típicas da floresta.

Soluções de beneficiamento para floresta de pé

A partir de insumos de base vegetal, antes comercializados in natura pelos produtores da floresta amazônica, a Apoena desenvolveu soluções de beneficiamento e de venda dentro de programas norteados por boas práticas no extrativismo. E isso tudo qualifica a comercialização com melhores arranjos produtivos. O resultado: um processo mais eficiente de ponta a ponta. Vale destacar que a própria empresa a questão logística, que é o grande desafio da região. Atualmente, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro estão no mapa de cidades atendidas.

Na prática

Em suma, a empresa vende a farinha de mandioca Seu Joca, andiroba, copaíba, bre0branco, castanhas e óleos vegetais. No centro do trabalho dos empreendedores está a valorização dos pequenos produtores regionais, dos municípios de Uarini e Tefé; moradores nos entornos dos rios Japurá, Juruá, Coari Grande, Baiana e Igarapé-Açu. Estes cidadãos brasileiros que pautam o próprio cotidiano com impacto socioambiental e econômico positivo.

Automação social da produção local

Uma das vantagens da Apoena vem da automação social da produção local. E ela é focada em melhorar as condições de trabalho dos produtores rurais sem eliminar postos de trabalho.

Além disso, o negócio conta com estratégias que incluem:

  • disseminação de informações, via workshops e treinamentos, para a diminuição do uso do fogo;
  • a valorização da ‘floresta em pé’;
  • práticas de uso responsável do solo;
  • aumento de renda com uso de práticas que elevam a produtividade;
  • e a difusão de experiência pelo exemplo, que é genuíno e envolve um método de aprendizagem dos povos ancestrais.

Clientes

Entre os clientes deste negócio de economia circular escalável estão: a indústria de alimentação, representação comercial, supermercados, empórios, restaurantes, cafés e até compradores avulsos.

Por fim, para o futuro, o empreendedor indica que a meta é ampliar as parcerias a fim de potencializar as ideias inovadoras. Isso inclui a abundância de matéria-prima, que aqui é representada por resíduos de espécies nativas, podendo estimular uma destinação ecologicamente sustentável como carvão ativo, biomassa e tijolo ecológico, entre outros.

*Foto: Divulgação

Projetos sociais do Banco do Nordeste: abertura de editais

projetos-sociais-do-banco-do-nordeste-abertura-de-editais

Projetos sociais do Banco do Nordeste recebem inscrições até o dia 31 de outubro

Ainda dá tempo de se inscrever nos projetos sociais do Banco do Nordeste (BNB). Os Editais de Apoio têm como objetivo selecionar projetos sociais, esportivos e de saúde. Todos eles devem priorizar a redução de desigualdades sociais, além de fomentar a educação e a cidadania, assim como proteger crianças, adolescentes, adultos e idosos em situação de risco e vulnerabilidade social.

Ou seja, tais propostas devem conter uma avaliação de impacto para que realmente tenha uma mudança social por meio de um projeto.

Projetos sociais do Banco do Nordeste – que pode participar

Para participar dos projetos sociais do Banco do Nordeste é preciso ter propostas que estejam situadas na área de atuação do BNB. A iniciativa abrange municípios de todos os estados da região Nordeste e do Norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. Confira abaixo as seguintes leis de incentivo impostas pela instituição:

  • Lei Federal 8.069/1990 (Fundo da Infância e Adolescência) – FIA;
  • Leis Federais 10.741 (Estatuto do Idoso) e 12.213 (Fundo Nacional do Idoso) – IDOSO;
  • Lei Federal 11.438 (Lei de Incentivo ao Esporte) – ESPORTE;
  • Lei Federal 12.715/2012 e Decreto 7.988/2013 – PRONON – Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica e PRONAS/PCD – Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência) – PRONON e PRONAS/PCD.

Editais específicos

Sendo assim, a instituição lançou editais específicos de seleção de projetos para cada lei de incentivo. Com isso, as organizações podem participar de um dos quatro editais disponíveis conforme sua atuação. Veja os editais:

  • Edital FIA 2021
  • Edital Idoso 2021
  • Edital Esporte 2021
  • Edital PRONON e PRONAS/PCD 2021

Valores dos projetos

O valor destinado a cada projeto ficou da seguinte forma: os da FIA, Idoso e Esporte será de, no mínimo, R$ 50 mil e no máximo, R$ 250 mil. Já para os projetos PRONON e PRONAS será destinado o valor de até R$ 300 mil.

Inscrições e acesso ao edital

As inscrições para os Projetos Sociais 2021 vão até o dia 31 de outubro.

Para ler o edital completo de cada modalidade e fazer sua inscrição, basta acessar o site oficial de informes do BNB e clicar na aba “01/10/2021 | Aviso Público de Apoio a Projetos Sociais – 2021”.

*Foto: Divulgação

Selo ilmpact reconhece inovações de impacto social

selo-iimpact-reconhece-inovações-de-impacto-social

Selo ilmpact é uma iniciativa do Innovation Latam em parceria com a Fundação Dom Cabral, qualificando startups comprometidas com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável definidos pela ONU

Neste ano, o selo iImpact recebeu 555 inscrições de startups de 24 países. A iniciativa é do Innovation Latam em parceria com a Fundação Dom Cabral. Sendo assim, ela reconhece startups que estão de fato gerando impacto social e ambiental positivo na América Latina.

Países

O Brasil concentra o maior número de inscrições, com 311 participantes. Em seguida, aparecem México (38), Chile (28) Peru (26) Argentina e Colômbia (24 de cada país).

Entre os destaques dos perfis das participantes é a predominância de startups maduras. Isso porque do total de inscritas, 86,7% possuem ao menos um MVP (Mínimo Produto Variável) estruturado. Já a metade (53,9%) das startups está em fase de tração (traction) ou escala (scale-up).

Selo ilmpact – 17 ODS

Além disso, o selo iImpact permite que startups se qualifiquem e mostrem ao mercado o compromisso em promover soluções que colaborem com os 17 ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Em 2020, 65 projetos foram reconhecidos pelo impacto gerado na sociedade.

Cada startup pode indicar até três dos 17 ODS como foco de sua atuação. Na atual edição do selo, o 8º objetivo da ONU – trabalho decente e crescimento econômico – foi destacado por 135 das startups inscritas. E ainda tiveram mais de 100 registros os ODS 11 (cidades e comunidades sustentáveis), 12 (consumo e produção responsáveis) e 13 (ação contra a mudança global do clima).

Maior aderência das startups

Segundo o líder da metodologia de pesquisa da Fundação Dom Cabral, professor Fabian Salum, a edição 2021 demonstra o interesse e seletiva escolha com aderência recorrente das startups ao projeto iImpact.

“Percebe-se, na primeira fase da coleta de dados, que as startups participantes demonstraram novamente o interesse em compartilhar seus projetos, modelos de negócios, e formas de medir o impacto gerado de forma representativa e correlacionada à alguma das 17 ODS da ONU.”

As inscrições já foram encerradas e agora comela a seleção para a segunda fase. Com isso, as empresas selecionadas apresentarão as evidências do impacto que geram.

Além da validação da Fundação Dom Cabral, elas passarão pelo crivo de uma banca de jurados formada por 80 executivos de grandes companhias e organizações que atuam na América Latina e em outros países, e de docentes.

Empresas

Empresas participantes: Aegea, IBM, Ambev, Grant Thornton, Amazon, Gerdau, MRV Engenharia, Electrolux, Banco Carrefour, Grupo A.Yoshii Engenharia, Editora Globo, Grupo Sequoia, Bradesco, Cubo-Itaú, Dow, Roche e Saque-Pague, entre outras.

Já entre as organizações internacionais, os destaques são: ICLEI, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Future Females, Principles for Responsible Investment e ISH Markit for Latin America.

Processo de avaliação

O processo de avaliação é feito a partir da metodologia desenvolvida pelo Prof. Dr. Fabian Salum e sua equipe da Fundação Dom Cabral. Eles estão alinhados com os compromissos definidos pela ONU, e buscam a comprovação das evidências da contribuição socioambiental gerada pela startup para com a sociedade que recebe direta ou indiretamente o impacto positivo dessa contribuição.

*Foto: Divulgação

O que é Avaliação de Impacto e como ela reflete na sociedade

o-que-e-avaliação-de-impacto-e-como-ela-reflete-na-sociedade

Avaliação de Impacto considera a mudança social produzida por um programa ou projeto

Quando se considera o impacto da mudança social produzida por um programa ou projeto, estamos falando de uma avaliação. Neste artigo, você entenderá como este tipo de análise influencia em uma sociedade.

Avaliação de Impacto – o que é

Uma avaliação de impacto coleta resultados que se relacionam com as conquistas concretas. Em geral, ela corresponde ao alcance e a amplitude da iniciativa em questão. Além disso, o impacto social pode ter uma natureza mais subjetiva, associada à ideia de transformação na sociedade.

A avaliação é medida em torno do quanto este impacto muda a vida das pessoas envolvidas. Portanto, é uma prática reflexiva que visa buscar evidências para identificar se uma iniciativa tem atingido as transformações sociais que estipulou como objetivos.

Importância

A importância da Avaliação de Impacto vem de vários motivos e é uma ferramenta estratégica valiosa. Ela fornece ás organizações dados e evidências que possibilitam refletir sobre as abordagens adotadas. Com isso, ela pode oferecer suporte para o processo de tomada de decisão.

Ela também permite analisar a relação de causalidade entre as intervenções e os impactos percebidos, identificando fatores que são essenciais para impulsionar as transformações. Além disso, é capaz de saber os fatores que não contribuem de modo tão direto, e os limitadores que criam obstáculos.

Por fim, estudos avaliativos possuem o potencial de fortalecer o diálogo com investidores e com o setor público. Tudo isso auxilia as organizações a manterem um relacionamento transparente com doadores, e a reivindicarem melhorias nas políticas públicas e negociarem a ampliação de programas sociais efetivos.

O que é SROI e qual sua utilidade?

O ‘SROI – Social Return on Investment’, ou Retorno Social sobre Investimento, é um protocolo de avaliação que propõe uma análise comparativa entre o valor dos recursos investidos em um projeto ou programa e o valor social gerado para a sociedade com essa iniciativa. Para isso, ele aplica várias técnicas para prever o valor intangível de ativos que não podem ser comprados ou vendidos.

Esta ferramenta transcende a monetarização do impacto social. Mesmo que a relação custo-benefício seja o geralmente atrai a atenção dos investidores sociais, que enxergam a possibilidade de uma avaliação objetiva e financeira sobre o uso de seus recursos, este processo não deve ser considerado apenas um índice.

Amazônia

Em 2016, o IDIS (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social) conduziu a avaliação do Retorno Social sobre Investimento de um projeto dedicado à primeira infância da Amazônia.

E o resultado positivo constatado pelo estudo foi de uma mudança social notável que o projeto gerou aos seus beneficiários. Isso porque ele ofereceu argumentos irrefutáveis para que o projeto se tornasse uma política pública. Sendo assim, houve um benefício para uma parcela significativamente maior da população, contribuindo para a melhoria da vida de mais crianças.

*Foto: Divulgação/Dirceu Quintino/Portal Amazônia

Prêmio Empreenda Saúde vai escolher projetos de tecnologia

premio-empreenda-saúde-vai-escolher-projetos-de-tecnologia

Prêmio Empreenda Saúde receberá inscrições de startups que promovam projetos inovadores também de impacto social a fim de melhorar a saúde no Brasil

As startups da área de saúde têm até o dia 2 de agosto para se inscrever no Prêmio Empreenda Saúde. O concurso é voltado a projetos tecnológicos e inovadores que incentivem o desenvolvimento do setor no país.

7ª edição do Prêmio Empreenda Saúde

Esta é a sétima edição do Prêmio Empreenda Saúde. A iniciativa busca soluções em fase de prototipagem ou comercialização com potencial de gerar impacto social.

Além disso, o concurso é promovido pela Fundação Everis Brasil e é aberto a startups registradas legalmente e que tenham captado até R$ 4,5 milhões de financiamento nos últimos três anos ou faturado mais de R$ 2,250 milhões no último ano.

Inscrições

As empresas poderão se inscrever pelo site oficial do projeto. Neste ano, haverá três novas categorias, ditando tendências em saúde aceleradas pela pandemia.

Vale destacar que projetos que promovam expansão da assistência em saúde por meio do uso de ferramentas de tecnologia interativas nos serviços públicos e privados podem se inscrever em “Telehealth”. Sendo assim, poderão concorrer experiências de teleconsultas, telemonitoramento e teleorientação, entre outras.

Por outro lado, startups com tecnologias do tipo mobile ou “wearables” (acopladas ao corpo), com atuação direcionada à gestão de dados populacional, cuidados coordenados e integrados em saúde nos serviços públicos e privados, saúde digital com foco em prevenção de doenças, entre outros, podem se inscrever em “Gestão de saúde populacional com foco em wellness”.

Por fim, as iniciativas com ênfase na gestão administrativa e assistencial de serviços públicos ou privados que promovam inovação por meio da incorporação de novas ferramentas e tecnologias podem aplicar em “Eficiência operacional aplicada à gestão da saúde.”

Vencedor

O vencedor e assim como o ranking dos 12 melhores projetos serão anunciados no dia 4 de novembro. O primeiro lugar recebe R$ 50 mil e a chance de passar por mentoria de três meses.

De acordo com o presidente da Fundação Everis Brasil, Antonio Carlos Valente:

“O Empreenda Saúde é a grande chance de startups brasileiras do setor entrarem em contato com um imenso ecossistema de inovação no setor, a começar pelo nosso júri, composto por representantes renomados das áreas de ensino, pesquisa, inovação, saúde e executivos dos mais diversos setores do mercado.”

Últimas edições

Nas últimas edições se destacaram as seguintes soluções em saúde:

  • Epistemic, com solução para detecção de surtos epiléticos;
  • o software Fófuuu, para tratamentos de fonoaudiologia;
  • e a Neurobots, que criou exoesqueleto controlado pelo cérebro que ajuda na recuperação de pacientes que sofreram acidentes vasculares cerebrais.

*Foto: Divulgação

Tecnologias agroalimentares ajudam a combater a fome no Brasil

tecnologias agroalimentares ajudam a combater a fome no brasil

Tecnologias agroalimentares reforçam que “a comida é o caminho para a paz”, afirma o ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2020, David Beasley, em nome da World Food Programme (WFP)

Desde março de 2020, com a chegada da pandemia no Brasil, que o temor de que as cadeiras de alimentos entrassem em colapso. Esse risco ainda existe. Além disso, historiadores costumam apontar que se as pessoas negligenciarem a história, ela poderá ser repetida no futuro.

Prova disso é que a população brasileira não aprendeu com a Grande Seca (1877-79), que matou entre 200 mil e 500 mil pessoas. Além de integrar um desastre climático global, com uma estimativa de 50 milhões de fatalidades entre 1875-79.

Fomes catastróficas

Atualmente, o desenvolvimento econômico e tecnólogo foram capazes de conter fomes catastróficas, e que se preocupa com o impacto social e coletivo.

Segundo Amartya Sem, em geral, hoje se tem condições de transferir rapidamente alimentos de locais onde há excedentes para áreas com escassez abrupta.

Entretanto, há “elos frágeis” nesta solução. Isso envolve uma população hoje marginalizada, espelhada pelas periferias urbanas e regiões remotas. Quem ainda não enxergou esta calamidade é porque ela é disfarçada por meio de programas de transferência de renda e por campanhas filantrópicas, que recebem cada vez menos doações em meio à pandemia.

Por outro lado, outros projetos buscam debater a resiliência das cadeias de abastecimento de alimentos nas periferias e conectá-las diretamente ao campo.

Tecnologias agroalimentares

Já o segundo elo frágil diz respeito aos eventos que podem afetar a oferta global de alimentos. Neste caso, há a possibilidade de adaptar plantas industriais (como ocorreu com a produção de máscaras de proteção em 2020) não se aplica à produção agrícola. Além disso, há uma escassez generalizada de alimentos que poderia ter um grave impacto social e político.

Portanto, é necessária e entrada de técnicas agroalimentares. Os alimentos seriam produzidos independentemente de condições climáticas e geográficas.

Neste caso, a agricultura utiliza a energia solar para transformar carbono e nitrogênio em carboidratos e proteínas. Porém, há outras formas de fazer isso, o que inclui processos industriais.

ONG The Good Food Institute

Sendo assim, a ONG The Good Food Institute desenvolve projetos para fomentar a produção de proteínas alternativas. A iniciativa produz carne a partir de plantas ou de células animais cultivadas.

De acordo com David Denkenberger, diretor da ALLFED, há várias maneiras de transformar matéria vegetal não-edível (como troncos e folhas de árvores) em carboidratos comestíveis, utilizando tecnologias agroalimentares ou até mesmo cultivando fungos.

Não natural

Apesar dessa técnica soar um tanto não natural, ela é uma das grandes vantagens adaptativas de nossa espécie, além de contar com alimentos variados para um dieta.

A produção de nutrientes em laboratório não seria uma ruptura. Mas sim a continuação das práticas inovadoras de nossos ancestrais, que primeiro dominaram o fogo e araram a terra, para então permitir o florescimento humano em todas as regiões do globo.

*Foto: Divulgação/MST

Artesãos indígenas integram marketplace da Tucum Brasil

artesãos indígenas integram marketplace da tucum brasil

Por meio do projeto, os artesãos indígenas têm a oportunidade de se aproximarem de seus consumidores e ainda receberem capacitação e autonomia para implementar em suas comunidades

A Tucum Brasil acaba de lançar um marketplace para ajudar artesãos indígenas, com venda de acessórios, decoração, arte e, claro, artesanatos. O objetivo do projeto é dar continuidade ao processo de capacitação e autonomia dos povos indígenas, gerando maior impacto social. A curadoria da iniciativa, começada em 2011, apresenta agora uma nova plataforma a fim de aproximar cada vez mais os artesãos do consumidor final.

Marketplace para artesãos indígenas

Sendo assim, o marketplace alia a venda de peças produzidas por indígenas de várias regiões do Brasil. São produtos oferecidos por mais de 30 etnias, como Kayapó e Yanomami, que vivem nas bacias dos Rios Xingu e Negro, respectivamente.

Nova plataforma

Além disso, a nova plataforma da Tucum Brasil oferece, além de um canal aberto entre produtor e cliente, um conteúdo e informação para uma experiência de compra diferenciada. Todavia, a ferramenta conta ainda com acessibilidade para todos os dispositivos e frete para todo Brasil.

Capacitação e apoio

Em relação à geração de renda dos povos indígenas, a Tucum abraça esta importância do artesanato, promovendo um curso de capacitação. Ou seja, uma preparação para os artesãos indígenas venderem seus produtos no marketplace.

Ao todo, são 26 horas de conteúdo, divididos em 5 módulos que abordam temas, como: noções básicas de fotografia e tratamento de imagem; fases do processo logístico; estratégias de comunicação, social midia e marketing digital. Por fim, há também uma mentoria com experiência prática de venda online.

Sobre isso, Amanda Santana, fundadora do projeto, explica:

“A gente sempre entendeu que, para gerar autonomia, eles precisam ter conhecimento de como que essa cadeia funciona. Queremos dar espaço para que os indígenas e suas iniciativas ofereçam seus produtos diretamente para o público que a Tucum tem construído ao longo desses 8 anos.”

Pindorama

O lançamento do marketplace foi marcado pela criação de um editorial chamado Pindorama. Tal conceito ganhou este nome para lembrar que a terra que habitamos, originalmente, é indígena e era assim também que o território se chamava.

Contudo, o editorial ainda tem o objetivo de falar sobre a valorização da beleza originária e o empoderamento da existência indígena. Uma curiosidade desse editorial é que ele foi criado totalmente por

“Nós não estamos protegendo a natureza. Nós somos a Natureza. E lutamos para ficar de pé. Nossas vidas importam e os nossos costumes também. Temos a liberdade de vivermos onde quisermos. E queremos a garantia de nossos direitos de existir como acreditamos ser ideal.”

*Foto: Divulgação/Tucum Brasil

Pias comunitárias são instaladas por ONG em todo o Brasil

pias comunitárias são instaladas por ong em todo o brasil

Pias comunitárias integram campanha Uma Mão Lava Outra, da ONG Habitat para a Humanidade Brasil, levando água e sabão a zonas periféricas

A ONG Habitat para a Humanidade Brasil, que atua em prol de moradia digna, arrecadou R$ 630 mil em meio à pandemia. O valor será destinado à instalação de mais de 300 pias comunitárias em favelas e zonas periféricas de 13 estados brasileiros.

Pias comunitárias

Nas zonas de maior vulnerabilidade do país ainda falta acesso à água para que os residentes dali lavem sempre suas mãos. Pensando no risco que é sem ter recurso básico e em meio à pandemia é que surgiu a campanha #UmaMãoLavaOutra, da Habitat Natural. Hoje, no Brasil há mais de 30 milhões de pessoas que não possui acesso à água tratada em suas casas, o que causa um grande impacto social negativo. Já para outros 20 milhões, o abastecimento de água é irregular (SNIS). Portanto, o objetivo da campanha é levar água e sabão a quem precisa para também poderem se proteger do vírus, por meio de pias comunitárias.

Doações

A campanha da ONG arrecadou doações de mais de 200 pessoas, e ainda contou com patrocínio da PepsiCo. Além disso, a Habitat para a Humanidade Brasil foi uma das contempladas pelo projeto 300 Desenhos. Sendo assim, vários artistas doaram seus trabalhos com o intuito de levantar fundos para três instituições filantrópicas.

Com as arrecadações e compartilhamentos da campanha nas redes sociais, mais de 90 mil pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade vão poder lavar as mãos todos os dias com água e sabão.

A instalação das pias comunitárias já começou e continua durante o mês de agosto.

Implementação

As pias comunitárias estão sendo instaladas em pontos estratégicos das comunidades. Sendo assim, entram no circuito parceiros locais, associações de moradores e lideranças comunitárias.

As instalações já estão acontecendo nas seguintes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Juiz de Fora (MG), Lavras (MG), Porto Alegre, Florianópolis, Salvador, João Pessoa e Recife. Toda a implementação conta com a parceria de organizações como: Florescer Brasil, Engenheiros Sem Fronteiras, Favelar, Atos Colaborativos, Arquitetura Faz Bem, Mobiliza RAU + E, entre outras.

Como nasceu a iniciativa

Logo que foi instituído o período de quarentena em razão da pandemia da Covid-19 no país, a Habitat Brasil reconheceu o grande impacto que teria e ainda seria mais devastador nas comunidades mais vulneráveis. Portanto, a ONG agiu rapidamente para apoiar estas famílias de modo emergencial e coletivo. Houve uma articulação que trouxe voluntários, parceiros, doadores, empresas e comunidades para tentar amenizar os prejuízos da chegada da doença em zonas periféricas do país.

Distribuição de alimentos e produtos de higiene

Contudo, fora a instalação das pias comunitárias, a organização social ainda distribuiu aproximadamente 70 toneladas de alimentos e produtos de higiene. Atualmente, a ONG planeja uma reestruturação de como deverá ser sua atuação diante desse cenário de crise sanitária. Sobre isso, Mário Vieira, diretor executivo da Habitat para a Humanidade Brasil declarou:

“Nós já definimos que, ao retornar com nosso trabalho em campo, nossas atividades estarão voltadas às melhorias habitacionais que possam impactar diretamente na diminuição da contaminação pelo Coronavírus. As obras serão principalmente de acesso à água, reformas de banheiros, construção de cisternas urbanas e rurais, melhoria das condições de ventilação das moradias, entre outras.”

*Foto: Divulgação