10ª Mostra Ecofalante de Cinema acontece no formato virtual

10ª-mostra-ecofalante-de-cinema-acontece-no-formato-virtual

Mostra Ecofalante de Cinema traz 101 filmes de 40 países, que podem ser conferidos gratuitamente até o dia 14 de setembro

Acontece até o dia 14 de setembro a Mostra Ecofalante de Cinema. Em sua 10ª edição, o evento voltado à sustentabilidade e temáticas socioambientais ocorre em formato virtual e gratuito. Além disso, a mostra é considerada a mais importante do audiovisual sul-americano. Neste ano, serão 101 filmes de 40 países, 30 deles inéditos no Brasil.

Mostra Ecofalante de Cinema

A Mostra Ecofalante de Cinema é organizada em diferentes seções. São elas:

Panorama Internacional Contemporâneo, com os mais premiados filmes internacionais da última safra, dividido em sete eixos temáticos: Ativismo, Biodiversidade, Cidades, Economia, Povos & Lugares, Tecnologia e Trabalho;
Competição Latino-Americana, que reúne produções recentes de sete países da região;
Programa Especial – Territórios Urbanos: Segregação, Violência e Resistência, uma retrospectiva de obras brasileiras produzidas a partir de 1999, dirigidas por nomes, como João Moreira Salles e Maria Augusta Ramos;

Especial Energia Nuclear – 35 Anos de Chernobyl, 10 Anos de Fukushima, uma seleção de documentários produzidos nos últimos anos que abordam esses grandes desastres nucleares;
Concurso Curta Ecofalante, premiação dedicada a estudantes brasileiros.

De acordo com o diretor da mostra, Chico Guariba:

“A mostra chega ao seu décimo ano num momento de grande crise no Brasil e no mundo, marcada pela pandemia, a emergência climática, a enorme destruição da biodiversidade e a crescente desigualdade social. Os desafios são enormes e a função da mostra, que sempre foi a de trazer informação de qualidade e promover o debate democrático, plural e inclusivo, tem se tornado cada vez mais importante. Não é à toa que foi o festival que mais cresceu no Brasil nesses últimos anos.”

Como foi a Cerimônia de Abertura

O evento de abertura ocorreu na última quarta-feira (11) com a presença do diretor e convidados. E ainda houve a exibição do filme premiado “o Novo Evangelho”, de Milo Rau, eleito melhor documentário no

A Cerimônia de Abertura acontece no dia 11 de agosto, a partir das 19h, com a presença do diretor e convidados. Em seguida, às 20h, será exibido o premiado filme “O Novo Evangelho”, de Milo Rau, eleito o melhor documentário no Swiss Film Awards 2021, e coproduzido entre Alemanha, Suíça e Itália.

O enredo da produção imagina o que Jesus pregaria no século 21, a partir de uma nova encenação da crucificação de Cristo. Ela já foi filmada antes pelo cineasta italiano Pier Paolo Pasolini (“O Evangelho Segundo São Mateus”, 1964) e por Mel Gibson (“A Paixão de Cristo”, 2004).

O filme foi realizado em Matera, mesma cidade italiana onde foram produzidos os outros dois longas. Na obra de Milo, Jesus é interpretado por um ativista político camaronês. Este defende os direitos dos trabalhadores ilegais explorados por um sistema agrícola liderado pela máfia.

Programação internacional

Produções nacionais e internacionais formam a mostra deste ano. Entre os destaques, está o filme “Jogo do Poder” de Costa-Gavras, cineasta vencedor do Oscar e do prêmio de melhor direção no Festival de Cannes. Neste novo longa ele revela os bastidores do jogo de poder da Europa, com foco nos motivos para a crise na Grécia. Além dele, também terá a pré-estreia especial de “A História do Plástico”, uma coprodução EUA / Índia /Bélgica /China /Indonésia /Filipinas e dirigido por Deia Schlosberg. O documentário expõe a “verdade inconveniente” por trás da poluição do plástico.

Programação nacional

Entre os filmes nacionais, um dos destaques é a pré-estreia mundial de “A Bolsa ou a Vida”, trabalho mais recente do renomado documentarista Silvio Tendler. O longa propõe refletir sobre o tema ‘o que virá depois da pandemia?’.

Segundo o diretor:

“É uma discussão sobre se no pós-pandemia a centralidade será no ser humano e na natureza ou no cassino financeiro.”

A produção traz entrevistas com grandespersonalidades como o escritor Ailton Krenak, o padre Júlio Lancelotti, o cineasta Ken Loach, a drag queen e professora Rita von Hunty, entre outros. Além de cidadãos comuns, que sentem na pele as dificuldades impostas pelo caos social.

Concurso Curta Ecofalante

E ainda tem o Concurso Curta Ecofalante, que reúne filmes de curta duração realizados por estudantes brasileiros. São 10 trabalhos que concorrem ao prêmio de melhor filme e ao prêmio público. Para esta edição, há o apoio do WWF-Brasil. Todavia, os filmes inscritos precisaram abordar temáticas associadas a pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), propostos pela ONU na Agenda 2030. São 17 objetivos que englobam temas como erradicação da pobreza, saúde de qualidade, combate às mudanças climáticas e igualdade de gênero.

Debates e entrevistas

Ao longo da programação será disponibilizada uma série de entrevistas com personalidades relacionadas aos filmes exibidos na mostra.

Entre as personalidades confirmadas, estão figuras marcantes do ativismo socioambiental, como: Alessandra Munduruku, Rita e Vincent Carelli, Luiz Bolognesi, Vandana Shiva, Isael Maxakali e Sueli Maxakali, Deia Schlosberg e Marina Silva.

Já os debates virtuais vão reunir ativistas, cientistas e especialistas que discutem, entre outras temáticas: ativismo, biodiversidade, cidades, economia, povos e lugares, tecnologia e trabalho.

Os debates sempre acontecerão às quartas-feiras e sábados, às 19h. Além disso, todos os debates e entrevistas poderão ser acessados no canal da Mostra Ecofalante no YouTube.

*Foto: Divulgação

Energia limpa no DF: Claro expande produção

energia limpa no df claro expande produção

Energia limpa no DF acontecerá por meio de usina solar com geração de 6540 MWh/ano, afirma empresa de telecomunicações

Na última sexta-feira (7), a empresa de telecomunicações Claro anunciou, como parte de uma nota etapa de seu programa de fomento do uso de energia sustentável, a inauguração de mais uma usina solar no Distrito Federal. Sendo assim, construída pela multinacional EDP, a usina permitirá abastecer 110 unidades da empresa de telecomunicações. Além disso, ainda evitar a emissão de 490 toneladas de gás carbônico, o que corresponde ao plantio de 2.721 árvores.

Energia limpa no DF

Contudo, a usina de energia limpa no DF será instalada em uma área em torno de seis hectares. O espaço conta com 11.880 módulos fotovoltaicos com potências de 325Wp e 330Wp. Além de 25 inversores, capazes de gerar 6.540 MWh/ano. Esta energia corresponde ao consumo de 2.725 residências com uso médio anual de 2.400kWh.

Vale destacar que este já é o segundo projeto de energia solar da EDP para a Claro. Em junho do ano passado, ela entregou quatro usinas solares de geração distribuída.

Tais empreendimentos, situados em uma área de 5,8 hectares na cidade de Taubaté (SP) possui capacidade instalada de mais de 4 megawatts-pico (MWp). E também garantem o fornecimento de energia renovável a 516 unidades consumidoras da Claro no estado de São Paulo.

Projeto “A Energia da Claro”

O projeto “A Energia da Claro”, lançado em 2017, tem como prioridade o uso de fontes renováveis e ações de proteção ao meio ambiente em todas as operações e instalações da empresa no Brasil.

Sobre isso, Hamilton Ricardo Pereira da Silva, diretor de Infraestrutura da Claro, afirma:

“O ‘Energia da Claro’ é considerado atualmente o maior programa de geração distribuída do país e a parceria estabelecida com a EDP reforça o compromisso da empresa com a inovação e com a sustentabilidade. O investimento constante para inauguração de novas usinas e diversificação das matrizes energéticas, dentro de um programa próprio de energia renovável, prova a importância com que o tema é tratado pela companhia.”

Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica

Em contrapartida, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), afirma que em 2021, o Brasil ultrapassou a marca de 8 gigawatts (GW) de potência instalada na fonte solar fotovoltaica. Sendo 4,9 GW em geração centralizada e pouco mais de 3,1 GW na geração distribuída.

Além disso, desde 2012, já foram investidos mais de R$ 35,4 bilhões no setor, que geraram 210 mil empregos e arrecadação de R$ 10,4 bilhões em receitas, evitando assim a emissão de mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

*Foto: Divulgação/Brasal

Marca de café lança cápsulas biodegradáveis e compostáveis

marca de café lança cápsulas biodegradáveis e compostáveis

Cápsulas biodegradáveis e compostáveis da Melitta são compatíveis com o sistema Nespresso, produzidas com materiais de fontes renováveis

Recentemente, a empresa Melitta lançou no Brasil cápsulas de café biodegradáveis e compostáveis. Além disso, elas são compatíveis com o sistema Nespresso, produzidas com materiais de fontes renováveis.

Depois de passar pelo processo de compostagem as cápsulas podem retornar à natureza como composto nutriente para o solo.

Cápsulas biodegradáveis e compostáveis

As cápsulas biodegradáveis e compostáveis do café Melitta são produzidas a partir de materiais de fontes renováveis e livres de transgênicos, bisfenol A e alumínio. Também possuem certificados internaiconais OK Biobased e OK Compost, além de barreira ao oxigênio. Com isso, não precisam de dupla embalagem e, consequentemente, preservam o aroma e o sabor do café.

Linha completa

A linha de sustentabilidade da marca de café conta com circo versões blends: Ristretto, Marcato, Staccato, Audacce e Tenuto, que une diferentes perfis aromáticos e intensidades.

O produto poderá ser adquirido em todo o Brasil, o que vai gerar uma ampliação da presença da marca no país. As cápsulas biodegradáveis e compostáveis chegarão ao mercado em novas embalagens com a finalidade de reforçar a qualidade e a credibilidade da empresa.

Como fazer o descarte corretamente

Além disso, outra iniciativa da Melitta diz respeito ao descarte correto das cápsulas. Ele está vinculado ao programa nacional de reciclagem em parceria com a companhia TerraCycle, especializada na gestão de resíduos sólidos.

Sendo assim, o consumidor pode armazenar as cápsulas usadas em uma caixa. E quando atingir o mínimo de 50 itens Melitta, poderá realizar um cadastro no site TerraCycle e imprimir uma etiqueta que poderá ser usada para despachar a caixa em qualquer agência dos Correios, sem custo algum.

Vale lembrar que também há o Programa Recicla, com ideia similar de descarte de materiais em pontos específicos em diversos municípios.

Processo de compostagem

O TerraCycle realiza um processo de compostagem industrial, transformando os itens coletados em adubo orgânico.

Outra função das cápsulas coletadas é a serem convertidas em doações a instituições de caridade ou escolas públicas escolhidas pelos consumidores. Portanto, quando mais cápsulas enviadas, maiores são os valores doados.

Para saber mais informações sobre o programa nacional de reciclagem de cápsulas Melitta, acesse o site do TerraCycle.

*Foto: Divulgação

Produção de cosméticos sustentáveis: startup paulista cria método

produção de cosméticos sustentáveis startup paulista cria método

Produção de cosméticos sustentáveis desenvolveu um sérum rejuvenecedor a partir de bioativos obtidos da Artemísia, utilizada na medicina tradicional chinesa

Criada em 2020, como uma ideia da farmacêutica Soraya El Khatib, a startup S Cosméticos do Bem tinha por objetivo inicial desenvolver produtos baseados em preceitos da economia circular. Ou seja, em que toda a cadeia de produção contribui para uma atitude de maior sustentabilidade, com menos impacto no meio ambiente.

Produção de cosméticos sustentáveis

Sendo assim, nos últimos meses a produção de cosméticos sustentáveis se tornou uma spin-off da Universidade Estadual de Campinas. Além disso, ela contou com o apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). Resultado: há uma boa aceitação de um dos seus produtos inovadores disponíveis de forma comercial. Trata-se do sérum rejuvenecedor.

Bioativos

A produção utiliza bioativos extraídos da Artemísia (Artemisia annua), planta originária da China. Um dos principais componentes dessa espécie é utilizado na Ásia, pela medicina tradicional chinesa, para o tratamento da malária. El Khatib explica ao Pesquisa para Inovação:

“Segundo vários estudos, essa planta tem, aproximadamente, três mil bioativos. O produto que desenvolvemos a partir dela tem uma formulação mais viscosa que um líquido, mas não chega a ser um creme, e tem se mostrado um sucesso em termos de regeneração da pele, o que reduz de forma significativa os sinais de envelhecimento.”

Eficácia no combate da malária cerebral e da malária falciparum

Além disso, os estudos sobre Artemísia apontam que os componentes da planta são potentes e eficazes no combate da malária cerebral e da malária falciparum.

Essa variedade da doença – causada pelo plasmodium, transmitido na maioria das vezes por mosquitos do gênero Anopheles – é considerada uma das mais agressivas para o ser humano. E foi por causa dos estudos das propriedades da artemísia no combate à malária que a pesquisadora chinesa Yu Yu Tu ganhou parte do Nobel de Medicina e Fisiologia de 2015.

Objetivo da startup paulista

Entretanto, nos laboratórios da startup o principal objetivo dos pesquisadores era desenvolver produtos cosméticos e repelentes para insetos comuns no Brasil a partir da planta. Para isso, desenvolveram técnicas inovadoras para extração dos princípios ativos que não poluíssem o meio ambiente.

“As metodologias convencionais se mostraram um desastre total em relação aos nossos objetivos. Os resíduos desses processos são muitas vezes tóxicos e poluem muito o ambiente, além de não serem escaláveis. A nossa condição de montar toda a cadeia de acordo com as práticas da economia circular nunca seria atingida daquela forma.”

Aromático, perene e cresce em arbustos

Além disso, o vegetal chinês é aromático, perene e cresce em arbustos. Possui folhas verdes e caule ereto e acastanhado. Chegando a um metro de altura. Inclusive, no Brasil o cultivo da planta já sofreu as devidas adaptações por causa das diferenças climáticas entre América do Sul e China. E isso favoreceu o uso da planta por aqui.

Com isso, a produção de cosméticos sustentáveis aproveita todas as qualidades da planta, sem usar solventes orgânicos tóxicos.

“Esse processo garante a ausência de ingredientes alergênicos, transgênicos ou qualquer resíduo de origem animal.”

Inovação patenteada

Por fim, a S Cosméticos do Bem acaba de patentear a inovação, burilada a partir dos conceitos e metodologias da química e da farmacologia.

A farmacêutica afirma que há metas mais ousadas ainda para os próximos anos. Para isso, a startup pretende buscar parcerias para atingir uma escala maior de produção para os itens já comercializados. Trata-se da linha exclusivamente voltada aos repelentes, continuará sendo um destaque da empresa. Prova disso é que a companhia tem a patente de uma linha de sprays, feitos com óleos voláteis da Artemísia. eles prometem garantir proteção contra mosquitos, inclusive contra o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, do zika vírus e da febre amarela.

“Também estamos com um projeto em desenvolvimento muito promissor de um produto contra o Sars-CoV-2.”

*Foto: Divulgação

Fiat elétrico 500e: motoristas receberão criptomoedas

fiat elétrico 500e motoristas receberão criptomoedas

Novo Fiat elétrico 500e vai proporcionar a seus proprietários a experiência e-Mobility, programa de recompensas voltado à promoção de ações sustentáveis

Na terça-feira (16), a Stellantis anunciou aos proprietários do Fiat 500e um programa de recompensas. Em parceria com a Kiri Technologies, a companhia oferece agora o e-Mobility, programa de recompensas voltado à promoção de ações de sustentabilidade. Sendo assim, os motoristas poderão receber criptomoedas. Além da Fiat, a Stellantis é dona também de outras marcas, como Citroën, Jeep e Peugeot.

Fiat elétrico 500e

De acordo com a responsável pela iniciativa, 10 mil quilômetros rodados por ano se converterão em até 7.500 KiriCoins (nome da moeda digital). Esse valor equivale a 150 euros.

Além disso, tais valores serão aceiros em um marketplace específico, que disponibilizará os produtos. Contudo, vouchers de compras em empresas como Apple, Amazon, Spotify e Netflix estarão entre os prêmios destinados aos melhores de rankings nacionais.

Em comunicado, a gerente do e-Mobility da Stellantis, Gabriele Catacchio, explica:

“Queremos apoiar os comportamentos ecológicos de nossos clientes e recompensá-los com benefícios exclusivos. Só por dirigir o novo 500e, conectado e equipado com o novo sistema de infoentretenimento, KiriCoins podem ser coletadas em uma carteira virtual exibida no app da Fiat.”

Simplicidade e inovação

Originalmente, a ação está restrita à Europa e às funcionalidades indicadas. Porém, a Stellantis planeja estender a iniciativa a outros setores, como o de energia renovável e de mantimentos e produtos orgânicos. Assim como formar uma verdadeira comunidade ao redor da criptomoeda, construída por aqueles que valorizem os cuidados com a natureza.

Kiri Techonologies

‘Kiri’ é o nome japonês de Paulownia, árvore que absorve 10 vezes mais dióxido de carbono do que qualquer outra planta. Em apenas um hectare dessa espécie já compensa em torno de 30 toneladas de CO2, o que corresponde às emissões de 30 carros convencionais ativos no mesmo período.

Carros totalmente elétricos

Todas as versões do novo Fiat 500e contam com diferentes baterias e motores: Action, Passion e Icon. Além disso, eles são carros totalmente elétricos e não emitem gás carbônico.

Sobre isso, Cristiano Fiorio, representante da Stellantis, reforça:

“A Kiri Technologies] chamou a nossa atenção com uma ideia muito simples e inovadora: premiar pessoas que respeitam o meio ambiente.”

E finaliza:

“Combinar essa ideia com as características do […] nosso carro-chefe em inovação tecnológica e mobilidade elétrica […] veio naturalmente para nós.”

*Foto: Divulgação

Conservação do Cerrado: edital pode conceder até US$ 300 mil

conservacao do cerrado edital pode conceder até US$ 300 mil

Conservação do Cerrado será viabilizada pelo Fundo PPP-Ecos, que está com inscrições abertas até a próxima segunda-feira (8)

Associações e cooperativas que atuam no Cerrado podem receber até US$ 300 mil para desenvolver projetos de fortalecimento da governança e minimização dos impactos negativos da pandemia de covid-19 nesses territórios.

Projetos para conservação do Cerrado

Esta já é a 30ª edição do edital do Fundo PPP-ECOS, que está com inscrições abertas até a próxima segunda-feira (8).

As propostas devem ser encaminhadas por meio do sistema de inscrição do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). A entidade coordena a iniciativa, em parceria com Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Elegíveis

Segundo o edital, são elegíveis para o programa as entidades que se enquadram no conceito de Territórios e Áreas Conservadas por Comunidades Indígenas e Locais (TICCA).

Além disso, o título global pode ser atribuído a territórios comunitários e tradicionais conservados nos quais a comunidade se conecta totalmente com o lugar que habita, com processos internos de gestão e governança e resultados positivos na preservação da natureza.

Ao todo, os recursos do edital somam US$ 300 mil. O montante vem do Ministério do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear da Alemanha (BMU) e da Iniciativa Internacional do Clima (IKI). Com limite máximo de US$ 30 mil por projeto, a iniciativa deve beneficiar ao menos 10 propostas.

Seis eixos temáticos

O edital para projetos de conservação do Cerrado define seis eixos temáticos em que os projetos poderão ser englobados. Isso inclui:

  • Comunicação e compartilhamento de informações por meios culturais; Sistemas de produção de alimentos, com foco em agroecologia e agrossilvicultura;
  • Prevenção de zoonoses e futuras pandemias;
  • Transmissão de conhecimento medicinal tradicional;
  • Mapeamento territorial e demarcação para auto isolamento e conservação;
  • Implementação de conhecimento tradicional no controle e manejo do fogo.

Recursos de contrapartida

Entretanto, todas as propostas submetidas no âmbito do edital deverão apresentar recursos de contrapartida em um montante mínimo de 20% sobre o valor solicitado ao PPP-ECOS.

O horário limite para apresentação de projetos é às 23h59 (horário de Brasília) do dia 8 de março.

Como é o programa

O PPP-ECOS concede doações a associações sem fins lucrativos e cooperativas constituídas, que tenham caráter não governamental ou de base comunitária para a implementação de ações que gerem benefícios socioambientais. Segundo o ISPN, o edital foca nas inter-relações entre comunidades tradicionais, agricultores familiares e populações indígenas e o meio ambiente, com ênfase na promoção de modos de vida em torno da sustentabilidade, que contribuam com benefícios sociais e ambientais, conforme os acordos internacionais e políticas nacionais.

Contudo, nos últimos 25 anos de execução do programa foram apoiados mais de 800 projetos, num total de 27 editais. Tais iniciativas resultaram em um investimento em torno de R$ 50 milhões diretamente em organizações comunitárias e organizações não governamentais que atuam no Distrito Federal e em 26 estados brasileiros.

Além disso, só nos últimos oito anos, quase 15 mil famílias foram capacitadas em ações promovidas pelos projetos, que fomentaram o uso sustentável de mais de 1 milhão de hectares no Cerrado, na Caatinga e na Amazônia.

Edital e inscrições

Os interessados devem acessar o edital para a conservação do Cerrado do Fundo PPP-ECOS neste endereço. Já para as inscrições, clique aqui.

*Foto: Reprodução/iStock

Toneladas de plástico das praias se transformam em embalagens de protetor solar

toneladas de plástico das praias se transformam em embalagens de protetor solar

265 toneladas de plástico das praias foram recolhidos por meio de parceria entre Grupo Boticário e cooperativas do litoral sul de São Paulo

Diversas parcerias surgem em prol de reduzir os impactos ao meio ambiente e ainda promover mais atos de sustentabilidade. Foi assim que nasceu a iniciativa entre o Grupo Boticário e cooperativas do litoral sul de São Paulo. O projeto Seaside é uma frente da área de Pesquisa & Desenvolvimento do Grupo Boticário.

Plástico das praias transformado em embalagens

Até o momento, a parceria do Boticário com cooperativas de catadores de material reciclável das cidades do Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente, já resultou em 265 toneladas de plásticos recolhidos das praias. Eles serão processados, transformados em resina e darão origem a protetores solares e outros itens do portfólio da empresa de cosméticos. Já a Globalpet fica responsável por realizar a captação do material junto às cooperativas.

Projeto Seaside

Além disso, o projeto Seaside foca na economia circular, redução do impacto ambiental e social, e ainda beneficiar 316 famílias de trabalhadores de cooperativas de sete municípios do litoral paulista.

De acordo com a pesquisadora do Grupo Boticário responsável pelo projeto, Daniele Medeiros:

“O trabalho com reciclagem é fundamental também para a preservação ambiental e com este projeto aliamos a necessidade de limpeza das praias à ajuda a famílias e cooperativas que vivem dessa coleta. Todos saem ganhando.”

Coleta de embalagens vazias

Vale reforçar que há mais de 10 anos que O Boticário mantém em todas as suas lojas uma área de coleta de embalagens vazias. Portanto, elas recebem a destinação correta para a reciclagem.

Batizado de “Boti Recicla”, a iniciativa estimula consumidores a darem um destino correto aos seus produtos.

*Foto: Divulgação

MG pode economizar 21% com energia solar por assinatura

mg pode economizar 21% com energia solar por assinatura

Energia solar por assinatura permite usar fonte renovável mesmo sem painéis instalados em casa

O estado de Minas Gerais tem se destacado em termos de sustentabilidade ao abrigar mais de um projeto voltado a sistemas de fontes de energia renováveis. É o caso da empresa nacional Gera Soluções, que possibilita a obtenção de energia solar mesmo sem painéis instalados em casa.

Energia solar por assinatura

Com um plano de energia solar por assinatura, o cliente paga um valor mensal para “alugar” um lote da fazenda solar e receber os créditos da energia produzida ali, e abatê-los na conta de luz.

A empresa Gera Soluções afirma que esta fonte renovável virá por meio de duas usinas fotovoltaicas que estão sendo construídas no território mineiro. Cada uma com 2,5 megawatts (MW). Elas devem ser inauguradas entre março e abril deste ano.

Economia na tarifa da conta de luz

Além da economia nas tarifas da conta de luz, que neste ano devem ficar ainda mais caras, a grande vantagem do serviço de energia por assinatura é que não é necessário fazer o investimento inicial de equipamentos e instalação de um sistema próprio de geração de energia.

Maior projeto do segmento no país

Contudo, a Gera Soluções ainda afirma que está será o projeto com o maior desconto em tarifas de energia no modelo de assinaturas do Brasil. A economia estimada é de até 21% aos consumidores.

Quem pode aderir ao serviço

Entretanto, o serviço PE voltado para os que tenham um gasto médio com eletricidade igual ou superior a R$ 500 por mês. Ou seja, não será apenas para residências. E ele ainda se mostra mais compensatório para comércios, indústrias e propriedades rurais.

De acordo com o diretor do Grupo Gera, Ramon Oliveira:

“Temos o objetivo de atender cerca de 400 clientes no primeiro trimestre deste ano oferecendo planos com alta economia para quem não possui espaço ou não pode instalar painel solar no telhado e que deseje economia imediata na conta sem investimento. E, a partir do primeiro trimestre, devemos expandir para atender mais clientes e em outros estados.”

Tempo real

Todavia, outro diferencial do serviço de energia solar por assinatura é que os clientes poderão acompanhar em tempo real o consumo e a economia gerada via aplicativo. Além disso, é disponibilizado um consultor especializado para tirar dúvidas e atender as demandas durante a vigência do contrato.

Minas Gerais solar

Com alto índice de insolação, somados aos investimentos privados e públicos, Minas Gerais é destaque em energia solar. As pequenas gerações energéticas, para consumo próprio, garantem a posição de liderança no ranking de geração solar distribuída do Brasil.

Em dezembro, o estado superou a marca de 800 megawatts (MW) instalados em telhados, fachadas, terrenos residenciais, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos.

*Foto: Divulgação

Projetos de geração distribuída terão isenção de ICMS em Minas

projetos de geração distribuída terão isenção de icms em minas

Projetos de Geração distribuída poderão ser beneficiados por meio de lei sancionada pelo governo mineiro

Na semana passada, o Governo do Estado de Minas Gerais sancionou a lei nº 23.762/21. Sendo assim, a medida concede isenção na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para projetos de geração distribuída. Isso inclui: fontes eólica, biomassa, biogás e Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) de até 5MW de potência.

Projetos de geração distribuída

Alei foi criada por meio da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD). A partir disso, o autor do decreto, o deputado estadual Gil Pereira (PP), coletou dados sobre a participação atual dessas fontes e o potencial de expansão.

Sobre isso, Tayane Vieira, diretora de biogás da ABGD e uma das representantes da Associação nas reuniões com o deputado, explica:

“Nós demonstramos como a geração distribuída feita com todas as fontes pode trazer benefícios ao Estado, não só gerando energia renovável, mas também gerando empregos, reaproveitando resíduos e recursos naturais e aquecendo a economia.”

Pioneirismo

Além disso, a empresa é pioneira em incentivar a geração distribuída. Contudo, o estado de Minas Gerais já havia concedido essa isenção para a fonte solar fotovoltaica em 2017. Isso impulsionou a GD no Estado, fato que o tornou líder nacional na modalidade, com 863 MW de potência instalada, afirma Vieira.

“A aprovação dessa lei é um passo importante na busca pela isonomia entre as fontes, igualando as oportunidades para todos os geradores de energia limpa da região.”

Marina Meyer, diretora jurídica da ABGD, acrescenta:

“O passo seguinte é a ratificação da isenção pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), para finalizar o processo e o incentivo ser concedido.”

*Foto: Divulgação/SDE

Carros elétricos ganham novas redes de abastecimento no país

carros elétricos ganham novas redes de abastecimento no país

Pontos públicos de abastecimento para carros elétricos terá ainda uma rede de vagas que oferecem recarga em várias regiões do Brasil

De uns anos para cá, tem-se falado muito nos benefícios dos carros elétricos. Apesar do preço mais elevado, em termos de sustentabilidade para o planeta eles são os veículos mais indicados. No entanto, este é ainda um dos obstáculos para a escolha dos consumidores, em razão dos preços praticados pelo mercado brasileiros para carros híbridos e elétricos.

Carros elétricos no Brasil – iniciativas positivas

Em contrapartida, algumas iniciativas prometem tornar o abastecimento dos carros elétricos mais acessível. É o caso da empresa Cemig SIM, que lançou um programa para contribuir para expansão. Portanto, pode haver uma popularização deste tipo de veículo em Belo Horizonte, onde está situada a companhia. A iniciativa aqui acontece por meio do uso de energia sustentável em eletropostos.

Pontos públicos de abastecimento

A empresa implantará três pontos públicos de recarga na capital mineira. São eles: no Mercado Central, no supermercado Super Nosso (unidade Lourdes), e na concessionária AvantGarde (Bairro Santa Lúcia).

Por enquanto, os eletropostos poderão ser utilizados por todos e sem custo de carregamento. Sendo assim, os interessados podem baixar o aplicativo “SIM Charger”, via Android e Apple.

Outra novidade é que a SIM também está realizando um projeto piloto, para compartilhamento de carros elétricos de aluguel. O objetivo é oferecer opções para a expansão do consumo de energia sustentável, de matriz limpa e bem mais econômica, em todo o estado, mas com o foco, também, no território brasileiro.

Ecovagas – Enel X

Contudo, uma rede de abastecimento para veículos elétricos com 250 estações de recarga nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Distro Federal está prevista para ficar pronta até o mês que vem. O projeto é uma parceria entre a Enel X, empresa de soluções energéticas da Enel Brasil, e a rede de estacionamentos Estapar.

Por meio de um acordo estratégico, as duas companhias viabilizarão Ecovagas em estacionamentos selecionados. Os equipamentos a serem instalados fornecem um carregamento inteligente semi-rápido, abastecendo 80% da bateria de um automóvel elétrico e híbridos plug-in em aproximadamente 3 horas.

Visualização em tempo real

Além disso, os clientes poderão visualizar os pontos Ecovaga em tempo real e recarregar seu veículo em poucos minutos. Nos grandes centros urbanos, 90% das cargas necessárias para garantir a volta para casa são de apenas 30 minutos.

Vale ressaltar que as Ecovagas são vagas exclusivas e sinalizadas para os carros elétricos. Portanto, o acordo entre a Enel X e a Estapar prevê que o serviço de carregamento de veículos seja gratuito para os clientes das empresas parceiras do projeto, principalmente as empresas do setor automotivo.

Assinatura mensal

O serviço funciona por meio de assinatura mensal. No caso, as montadoras e outros interessados podem oferecer este benefício a seus clientes proprietários de carros elétricos de suas marcas.

Gratuidade

Mas para usufruir da gratuidade, o usuário deverá se cadastrar no app Vaga Inteligente da Estapar. Isso serve para confirmar a sua elegibilidade de acesso ao sistema Ecovagas. Neste caso, o proprietário não terá nenhum custo adicional além do valor de estacionamento do seu veículo, durante o período do benefício.

Expansão da rede

No futuro, a parcerias entre as duas empresas pretende expandir a quantidade de pontos da rede de recarga Ecovagas. Isso inclui outros locais, como restaurantes, além de outras redes de estacionamento e locais públicos.

*Foto: Divulgação