Pandemia afeta ensino superior com saída de mais de 850 mil alunos

pandemia afeta ensino superior com saída de mais de 850 mil alunos

Pandemia afeta ensino superior em 13,2%, referente a matrículas do setor privado em todo o país

A crise econômica provocada pelo novo coronavírus fez com que 858 mil alunos abandonasse cursos de ensino superior na rede particular neste ano. A diminuição equivale a 13,2% geral das matrículas nas universidades privadas do Brasil.

Pandemia afeta ensino superior

Pandemia afeta ensino superior segundo pesquisa feita pelo Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Ensino Superior) e divulgada na terça-feira (19). De acordo com o levantamento, 608 mil alunos desistiram, trancaram a matrícula ainda no 1º semestre do ano ou não se rematricularam para o 2º semestre. Isso compreende 83 mil a mais que no mesmo período de 2019.

Universidades privadas

Além disso, as universidades privadas também perderam 250 mil ingressantes no 2º semestre, em comparação com o ano passado. Ocasião em que 1,2 milhão se matricularam para iniciar o ensino superior. A diminuição é puxada especialmente pela queda nos cursos presenciais, que receberam em torno de 40% menos novos estudantes.

Aulas presenciais suspensas

As aulas presenciais estão suspensas na maioria das instituições de ensino superior em todo o país há quase sete meses. Em São Paulo, apesar da autorização estadual e de algumas prefeituras, a maior parte das faculdades optou por seguir com as aulas remotas. Segundo o relatório:

“O ingresso de novos alunos no segundo semestre, que representa aproximadamente 30% dos ingressantes no ano, também foi frustrante e ficou muito abaixo dos últimos anos, agravando ainda mais a situação.”

Inadimplência

Em relação às taxas de inadimplência nas mensalidades, ela aumentou em 29,9% no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período de 2019. O percentual atingiu 11% dos alunos. Já em cursos EAD (ensino a distância), o atraso no pagamento é maior, com 12,5% dos contratos inadimplentes, revela o mesmo documento:

“Composto por mais de 90% de alunos das classes de renda C, D e E, o público do ensino superior privado foi o que mais sofreu com desemprego, perda de renda e suspensão ou redução de contrato de trabalho. Consequentemente, as instituições de ensino superior viram a inadimplência e os trancamentos ou as desistências crescerem acentuadamente no primeiro semestre do ano.”

Preocupação entre as instituições de menor porte

Todavia, para o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato, a redução de alunos foi muito grande. A preocupação maior vem de instituições de menor porte e em cidades menores ou no interior do país. Isso porque já estavam em situação financeira fragilizada por não terem se recuperado da crise econômica de 2015:

“Não houve nenhuma política pública para resgatar esses estudantes, ajudá-los a continuar estudando. Deveria haver algum tipo de financiamento para evitar que esses jovens se vejam impedidos de se formar.”

Posicionamento de alunos

Em contrapartida, o lado dos alunos também é de preocupação. É o caso da estudante Larissa dos Santos, de 19 anos, que por medo de assumir uma dívida, optou por adiar o ingresso no curso de educação física. Ela conta ainda à Folha de S. Paulo que tinha conseguido um desconto de 30% nas mensalidades:

“No ano passado, decidi que esperaria seis meses para entrar na faculdade para juntar dinheiro antes. Eu estou empregada, mas está tudo tão incerto que achei melhor esperar um pouco mais.”

Retomada das aulas presenciais

Além disso, ela disse que a indefinição quanto á retomada das aulas presenciais também foi um fator que considerou para não se matricular agora:

“É um curso muito prático. Se for para ter aula remota, não acho que vale a pena pagar e ter uma formação que não sei se será boa.”

*Foto: Divulgação

Doria diz que profissionais da saúde devem começar a ser vacinados em dezembro

doria diz que profissionais de saúde devem começar a ser vacinados em dezembro

Primeiros grupos de profissionais da saúde farão parte das pessoas a serem imunizadas no estado de São Paulo

Nesta quarta-feira (23), o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que os primeiros grupos de profissionais da saúde do estado paulista devem ser vacinados contra a Covid-19 a partir da segunda quinzena de dezembro.

Aporte de R$ 80 milhões

Além disso, Doria também disse que o Ministério da Saúde aprovou um aporte de R$ 80 milhões para a nova fábrica da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan.

Doses

O estado vai receber as primeiras 5 milhões de doses da vacina no mês que vem. As doses são de aplicação única e ficarão armazenadas até que a Secretaria de Saúde, Ministério da Saúde e a Anvisa aprovem o imunizante.

O governador ressaltou ainda que até 31 de dezembro o estado paulista vai receber mais de 40 milhões de doses. O número pode chegar a 60 milhões em 28 de fevereiro. Ele completou:

“Já fizemos negociações com o Ministério da Saúde para a compra de mais 40 milhões de doses da vacina.”

Profissionais da saúde

Em geral, depois dos profissionais da saúde serem imunizados, os próximos a serem vacinados serão os pacientes que integram grupos de risco da doença: idosos e pessoas com doenças crônicas. Em seguida, segundo o governo, os imunizados serão os agentes de segurança, profissionais da educação e a população indígena.

Laboratório Sinovac

Em relação ao acordo firmado entre o Instituto Butantan e o l aboratório Sinovac, companhia chinesa responsável pela CoronaVac, há uma previsão de transferência de tecnologia. Isso para que o instituto brasileiro possa produzir novas doses. A espera é de que seja possível fabricar doses para todo o Brasil.

Registro da vacina

Além disso, o registro da vacina na Anvisa deve ocorrer depois do dia 15 de outubro, ou seja, quando tiver novos resultados dos testes de fase três.

Todavia, até esta quarta, o imunizante não havia apresentado efeitos adversos significativos. Sendo assim, o governo estadual sinaliza que 94,7% das 50 mil pessoas que receberam doses da vacina na China não manifestaram nenhum efeito adverso.

Por fim, no Brasil, nenhum dos 5.600 profissionais da saúde, que integraram o ensaio clínico, apresentou efeitos adversos.

*Foto: Divulgação

Municípios receberão telemedicina com inteligência artificial contra coronavírus

municípios receberão telemedicina com inteligência artificial contra coronavírus

Telemedicina com inteligência artificial será implementada em 10 municípios com mais de 350 mil residentes

Na terça-feira (21), o Instituto Votorantim lançou uma iniciativa via edital, em que dez cidades brasileiras receberão treinamento e tecnologia de telemedicina com inteligência artificial, com a finalidade de combater a pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa visa a inscrição dos municípios que contam com mais de 350 mil habitantes.

Telemedicina com inteligência artificial

O objetivo do instituto é o de ajudar os municípios brasileiros contemplados pela proposta para gerenciar recursos destinados ao combate da pandemia. O grupo Votorantim doará o programa de inteligência artificial e treinamento aos profissionais da saúde e gestores municipais a fim de tirar dúvidas dos cidadãos, além de acompanhar pacientes com doenças crônicas e com suspeita de infecção pela Covid-19.

Além disso, as cidades selecionadas receberão apoio técnico para implementar o programa Laura P.A. Digital para a realização de consultas e acompanhamento de casos confirmados do novo coronavírus à distância.

Vale lembrar que o conceito de consulta à distância já vem sendo utilizado no Brasil bem antes da pandemia. É o caso do Aplicativo FalaDoc que conecta médicos e pacientes via smartphone.

Requisitos

A entidade levará em consideração para a escolha dos dez municípios sua situação epidemiológica local.  

De acordo com Talita André, gerente de inovação do instituto, cidades com população superior a 350 mil moradores e com aumento do número de casos confirmados da doença tendem a ter colapso do sistema público de saúde:

“O momento da curva de casos em que essas cidades se encontram é aquele em que a Saúde colapsa e as fake news aumentam junto com o medo da doença. A medida que os contágios sobem e o relaxamento da quarentena aumenta, pessoas com sintomas que podem ser de Covid-19 ficam confusas sobre o que devem fazer. Não sabem se devem ir aos postos de saúde.”

Uso de robôs

Com o intuito de evitar o colapso, o instituto aposta no uso de robôs em redes sociais para sanar dúvidas das pessoas. A tecnologia ainda será utilizada no acompanhamento do quadro clínico de cidadãos com doenças crônicas, que possam ter deixado de comparecer às consultas de rotina por medo de contraírem o coronavírus.

Além disso, com a utilização de robôs, as secretarias municipais de saúde poderão orientar a população em relação ao melhor modo de agir.

Todavia, quando pacientes manifestarem os sintomas da Covid-19, porém, não tiverem a infecção confirmada, agentes de saúde entrarão em contato. Sendo assim, servidores terão em mãos as informações fornecidas pelo cidadão aos robôs do projeto de telemedicina com inteligência artificial.

Procedimento

É a partir da entrevista que o profissional estabelece se o paciente deve ser encaminhado a uma teleconsulta ou se ele terá monitoramento do seu quadro clínico. Em relação ao acompanhamento dos sistemas, o paciente receberá durante 14 dias mensagens do robô sobre a evolução de sinais, como febre e dores. E caso seja verificado um agravamento do quadro, o paciente será encaminhado para teleconsulta.

Acolhimento

1 – Atendimento via robô: o paciente entra no site da prefeitura ou pelo WhatsApp, para tirar dúvidas e fazer a triagem dos sintomas da Covid-19. Uma vez classificado o risco do paciente ele pode continuar sendo monitorado por 14 dias pelo robô ou escalar para o segundo nível de atendimento.

2 – Teleorientação (chat ou telefone): Quando enfermeiros, estudantes de medicina e voluntários podem fazer o atendimento do cidadão via chat ou telefone. A recomendação é que no nível 2 tenha, pelo menos, um profissional de saúde para cada 100 mil habitantes.

3 – Teleconsulta (via vídeo chamada): o paciente pode ser direcionado para teleconsulta com um médico. A recomendação é que no nível 3 tenha, pelo menos, um médico para cada 150 mil habitantes.

Dados armazenados

O programa armazena todos os dados para consulta exclusiva dos agentes de saúde municipais. Além disso, os servidores serão treinados para interpretar tais informações, rastrear e acompanhar casos de risco leve, moderado e alto para a infecção pela Covid-19, reforça Talita:

“Ofereceremos treinamento para que as equipes de tecnologia possam integrar a ferramenta ao sistema de saúde e também para que os profissionais possam interpretar os dados dos pacientes para a tomada de decisões.”

Emprego à distância

O instituto também afirmou que a ferramenta de telemedicina com inteligência artificial poderá possibilitar empregar, no atendimento à distância, profissionais da saúde, que tiveram desvio de cargo e foram afastados da linha de frente por integrarem grupos de risco.

A gerente explica ainda que realocando esses funcionários no atendimento virtual, os que estão na linha de frente conseguirão atuar em outras funções. Com isso, haverá uma desaceleração para que o sistema de saúde municipal não entre em colapso.

Por fim, Talita diz que o fato da presença de companhias ligadas ao Grupo Votorantim S.A estarem nas cidades não é um fator determinante para a escolha dos municípios que receberão a doação nem critério de desempate.

*Foto: Divulgação

Nordeste adota festa de São João virtual

nordeste adota festa de são joão virtual

Festa de São João virtual será em forma de shows de forró e quadrilhas, transmitidas ao vivo, em várias cidades nordestinas

No mês que acontece, de modo geral, as festas juninas por todo país, este ano será diferente por conta da pandemia de covid-19. A festa de São João virtual, além das de Santo Antônio e São Pedro ocorreram em forma de transmissões ao vivo em diversas cidades do Nordeste.

Festa de São João Virtual

Uma das mais tradicionais e maiores festas juninas do Brasil, o São João de Campina Grande (a 132 km de João Pessoa) foi adiado para outubro e novembro. Porém, para manter a tradição, a organização do evento optou por realizar ‘lives’ com artistas que se apresentariam neste mês.

Os primeiros shows virtuais ocorreram na sexta-feira passada (5), com shows de Luan Estilizado, Três do Nordeste, Amazan, Biliu de Campina, Fabiano Guimarães e Gitana Pimentel.

A programação segue pelos próximos fins de semana de junho e terá apresentações de Wesley Safadão, Dorgival Dantas e Luan Santana, e ainda de Elba Ramalho, uma das estrelas do São João de Campina Grande.

As transmissões das lives acontecem direto da Vila Sítio São João, local da festa que tradicionalmente, no mês de junho, fica lotado de turistas vindos de diversas partes do país. Segundo a secretária de Turismo de Campina Grande, Rosália Lucas, em entrevista à Folha de S. Paulo:

“São eventos privados com o apoio institucional da prefeitura. Não estamos destinando nenhum recurso financeiro [para as lives].”

Além disso, o objetivo das lives é o de ajudar instituições de caridade, músicos e trabalhadores informais da cidade. A maioria deles possui sua maior fatia de lucro no período de festas juninas.

Festa presencial

A tradicional festa de São João ocorrera de modo presencial entre os dias 9 de outubro e 8 de novembro, afirma Rosália:

“Estamos organizando tudo com um planejamento sanitário. Vai ter restrição de público e instalação de lavatórios e de álcool em gel.”

Já no estado da Bahia, o evento de São João foi cancelado em todas as cidades, via decreto assinado pelo governador Rui Costa. O feriado estadual de 24 de junho foi antecipado para 25 de maio, como uma maneira de evitar aglomerações no período festivo.

No entanto, para não deixar de comemorar a data, artistas marcaram alguns shows virtuais. É o caso do cantor baiano Bell Marques, que fez uma live especial de São João, em seu canal do YouTube.

Além disso, a emissora de televisão pública do estado, TVE, firmou parceria com a plataforma Sua Música para transmitir shows ao vivo de artistas e bandas de forró. A primeira apresentação foi da banda Mastruz com Leite.

Já no Piauí, que também cancelou suas festividades de São João em função da pandemia, a secretaria estadual da Cultura vai realizar lives com apresentações das quadrilhas juninas. A primeira delas ocorreu na quarta-feira (4), com a quadrilha Luar do São João.

No estado de Pernambuco, a prefeitura do município de Salgueiro lançou o evento São João Virtual, entre os dias 20 e 23 de junho. Ao todo, serão 32 atrações locais, entre as quais: Danilo Pernambucano, Flávio Leandro e Limão com Mel. Na ocasião, serão arrecadadas doações para trabalhadores informais e instituições filantrópicas da cidade.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

O que quer dizer lockdown e como pode ser instituído no país

o que quer dizer lockdown e como pode ser instituído no país

Nos últimos dias uma palavra passou a ser de conhecimento nacional, em meio à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Mas afinal de contas o que quer dizer lockdown? Alguns dirigentes de cidades brasileiras apontam a medida como a melhor alternativa para achatar a curva dos casos confirmados e com isso conseguir que o sistema de saúde não entre em colapso.

O que quer dizer lockdown?

O termo vem da língua inglesa e quer dizer que entrar em estado de “lockdown”, é entrar em confinamento. No geral, em caso de pandemia da Covid-19, significa um município adotar medidas mais rígidas de isolamento social.

No Brasil, esta medida já foi imposta em algumas cidades do estado do Maranhão, do Pará, em Fortaleza (Ceará), além de alguns bairros da cidade do Rio de Janeiro.

Segundo a pesquisadora Margareth Portela, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, o lockdown está relacionado ao fechamento total de todos os estabelecimentos comerciais que não são considerados essenciais neste momento. Em declaração ao Portal R7, veiculado também pela Folha Vitória, ela afirmou:

“É uma medida de paralisação bem mais rigorosa do que a que tivemos até aqui. É realmente no sentido de fechamento total, trancar tudo”.

Para o advogado Leonardo Magalhães Avelar, o lockdown quer dizer que funciona como uma “medida mais extrema que existe no quesito de confinamento”. Ele ainda explica que tanto a quarentena quanto o “lockdown” são estipulados por atos formais do poder público. O confinamento “total” exige decretos da prefeitura, do governo estadual ou federal. No caso da quarentena é necessário apenas que a ordem venha de autoridades menores, como um secretário de saúde.

É importante entender aqui que em relação à pandemia, adotar medidas mais rígidas de isolamento social mostra que a situação é bastante grave, como destaca Avelar:

“O ‘lockdown’ completo seria muito restritivo. Ninguém vai poder sair, exceto para situações muito importantes. É como estar preso em casa”

Quando é necessário a adoção de confinamento total?

De acordo com orientação da Fiocruz, é preciso que sejam feitos estudos e pesquisas para entender melhor a dimensão da pandemia em cada região do país. E sendo assim, com base nos dados de cada localidade, pode ser estipulada medidas a fim de reduzir o ritmo do aumento de casos de Covid-19, além de preparar o sistema de saúde para atendimento mais adequado e de qualidades destinado aos pacientes acometidos com as formas mais severas do novo coronavírus, revela o documento e como também pontua Margareth:

“Como é uma doença altamente contagiosa, na medida que você tem muitos casos, qualquer percentual vai significar muita gente precisando de assistência em hospitais, muitas vezes com equipamentos sofisticados que estão em falta.”

Cidadãos que burlarem o lockdown podem ser presos?

A pessoa que desrespeitar as regras de lockdown instituídos em sua cidade pode ser caracterizado como crime, conforme o que está disposto no artigo 268 do Código Penal:

“Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, com pena de detenção de até um ano.”

Já a fiscalização dessa medida pode ser realizada por autoridades de segurança pública, como a guarda civil municipal, afirma Avelar:

“Não existe a possibilidade de prisão por esse crime. Na prática, é registrado um Termo Circunstanciado, que equivale a um boletim de ocorrência, e a pessoa deve comparecer a uma audiência”.

Em caso de condenação, a pessoa poderá prestar serviço social ou pagar uma multa, finaliza o advogado.

Fonte: Folha Vitória, com informações do Portal R7

*Foto: Divulgação

Infografia ajuda a entender melhor o termo “achatar a curva”

infografia ajuda a entender melhor o termo “achatar a curva”

Por meio de gráficos animados e visualizações de dados estatísticos é possível compreender melhor o que significa “achatar a curva” ao ser imposto no mundo todo o isolamento social em tempos de pandemia do novo coronavírus

Aqui no Brasil e no restante do planeta não ouvimos falar em outra coisa a não ser que neste momento é preciso conseguir “achatar a curva”. Em vista do avanço do novo coronavírus, os governantes de diversos países estabeleceram o período de quarentena, uma forma de isolamento social com a finalidade de reduzir a circulação do vírus e, principalmente, não “explodir” o sistema de saúde do mundo todo.

Infográficos animados ajudam a entender o termo “achatar a curva”

A expressão achatar a curva, de modo geral, tornou-se um verdadeiro mantra no combate global à Covid-19. E o terno ganhou o mundo após um gráfico animado, criado pela microbiologista Siouxsie Wiles e pelo ilustrador Toby Morris e publicado em 8 de março, viralizar.

A partir de uma ideia simples que foi comparar duas projeções diferentes, o GIF revela que ações que possam estar ao alcance da maioria, como lavar as mãos e ficar em casa, podem auxiliar a distribuir melhor o número de casos estimados ao longo do tempo. Portanto, ao achatar a curva de crescimento dos casos pode evitar a sobrecarga do sistema de saúde.

Gráfico de 2007

Em 2007, foi publicada em artigos científicos uma versão simples desse gráfico e que foi resgatada pela revista britânica The Economist no início deste ano. Porém, apenas quando Siouxsie Wiles adicionou à infografia uma animação, personagens e o chamado à ação, transformaram estes elementos narrativos em uma mensagem de fato impactante e importante e a fez decolar no mundo todo. Com isso, o GIF virou uma ferramenta poderosa de engajamento da população na pandemia.

Do ponto de vista histórico, esta é a primeira vez que um infográfico com informações e dados estatísticos sobre um vírus conseguiu viralizar nesta proporção. Agora, o papel da infografia tem sido importante ao conseguir transmitir de forma clara os conteúdos científicos mais complexos e ajudando a população mundial a disseminar informações reais e adotar medidas que podem salvar muitas vidas.

Esses dados se tornam essenciais para que todos compreendam os fenômenos sociais e naturais, que geralmente, são terminados em documentos que não estão ao alcance da maioria da humanidade.

O termo achatar a curva ganhou colaboração de designers e jornalistas de dados

Achatar a curva ganhou status com as visualizações de dados, criadas em colaboração entre designers e jornalistas de dados. Com isso, o design torna os números mais compreensíveis para o leitor comum, por meio de representações gráficas simples e elegantes.

O objetivo do design de informação é a evolução entre as tecnologias de informação e comunicação. Sendo assim, hoje já é possível encontrar visualizações de dados animadas e até mesmo interativas.

No caso da infografia, que diz respeito à técnica de misturar informações e elementos gráficos, é uma forma de comunicação que usa, além do texto, dados, gráficos, mapas ou ilustrações para exemplificar um tópico complexo e relatar uma história de modo claro e acessível. E também buscam explicitar relações a serviço de uma narrativa específica.

Já quando há um encontro entre infografia e o audiovisual, temos o vídeo-infográfico. Este formato tem se popularizado, principalmente, em canais jornalísticos, com a finalidade de “explicar as notícias”. Estas imagens são passadas de forma contextualizada e didática, apresentando matérias jornalísticas em vídeos, com a inclusão de gráficos, dados e animações. E é com este material que o movimento de achatar a curva em tempos de pandemia do coronavírus ganha mais espaço.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Reprodução/Washington Post

Dengue: mais uma morte suspeita em Ribeirão Preto

dengue - mais uma morte suspeita em ribeirão preto

Esta é a segunda morte suspeita por dengue em Ribeirão Preto, no interior paulista, com 3.564 casos confirmados da doença de janeiro até a última terça-feira (10)

Em Ribeirão Preto, que fica a 313 km de São Paulo, uma idosa que estava internada em um hospital particular e foi a óbito pode ser a segunda vítima da dengue neste ano no município. A região já passou dos 3.500 casos confirmados da doença só neste ano.

Dengue em Ribeirão Preto

A Secretaria da Saúde de Ribeirão Preto, segundo a prefeitura, recebeu na quarta-feira (11) a notificação do óbito da paciente e agora espera o resultado dos exames para diagnóstico de dengue ou de outra doença. O material coletado foi encaminhado para análise no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. O nome da paciente não foi divulgado.

No período entre janeiro até a última terça-feira (10), a cidade registrou 3.564 casos confirmados de dengue, segundo informações do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), órgão pertencente à Secretaria da Saúde estadual. Nos dois primeiros meses do ano, a prefeitura afirma que foram 3.065 casos da doença, com incidência maior na zona leste do município (1.040 registros).

Primeiro óbito em Ribeirão Preto

O garoto Denis Bryan Souza, de 10 anos, foi a primeira morte de 2020 em função da dengue, ocorrida no dia 1º de fevereiro. Ele chegou a passar por oito atendimentos em unidades de saúde durante cinco dias, sem que a doença fosse diagnosticada.

No início do ano, mais precisamente em 15 de janeiro, uma menina de 8 anos morreu de dengue hemorrágica em Ribeirão Preto. No entanto, o caso foi contabilizado em São Simão, por ser a cidade de nascimento da garota, na mesma região, de acordo com a prefeitura.

No ano passado, Ribeirão registrou três mortes decorrentes de dengue, afirma o prefeito Duarte Nogueira (PSDB):

“Desde 2019 estamos nos preparando para esse surto. O que notamos é que está havendo uma redução da curva de novos casos e que a população está colaborando para que a gente consiga sucesso. O trabalho tem sido feito diariamente.”

Faixa etária mais atingida

A doença atinge principalmente a faixa etária de 20 a 39 anos, com 993 confirmados. Em bebês com menos de um ano foram registrados 28 casos.

Apesar de estar longe do número de casos confirmados durante todo o ano de 2019 (14.421 casos), a cidade de Ribeirão Preto aparece no topo do ranking em São Paulo em números absolutos, de acordo com o CVE.

Entretanto, quando os casos são analisados em relação à população, a cidade fica distante da liderança. O município teve até aqui um caso para cada 197 habitantes. Já em Potim, com 1.721 casos e população de 24.643 habitantes, foi confirmado um caso a cada 14,3 moradores.

Nos municípios de Conchal e Aguaí, as proporções são de um a cada 24,3 e 30,2 habitantes, respectivamente.

Mutirões

A Secretaria de Saúde de Ribeirão promove todos os sábados mutirões com a finalidade de combater possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.

Só no último sábado (7), foram recolhidas 8,5 toneladas de materiais, como pneus, que poderiam armazenar água parada, o que pode acarretar no ambiente perfeito para desenvolvimento do mosquito. Os itens foram coletados nos bairros Jardim Javari, Vila Augusta, Vila Albertina e Recreio.

Em 2016, foi registrada a maior epidemia na cidade, com 35.043 casos confirmados da doença, sendo o último da segunda gestão da ex-prefeita Dárcy Vera (sem partido).

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Carnaval do RJ teve 6,4 milhões de foliões, segundo Prefeitura

carnaval do RJ teve 6,4 milhões de foliões, segundo prefeitura

Foliões se espalharam ainda por 162 blocos clandestinos; e as festividades continuaram ainda na quarta-feira de cinzas (260, com direito a nove desfiles

De acordo com a Prefeitura do Rio, cerca de 6,4 milhões de foliões circularam pelos quatro dias de Carnaval pela capital carioca. Durante este período, o órgão constatou 162 blocos clandestinos e afirma que está em busca dos responsáveis para aplicar multas. Na quarta-feira de cinzas (26), a festa continuou com o desfile oficial de nove blocos.  

Esquema para assegurar os foliões

Segundo dados disponíveis, até as 10h de quarta, a prefeitura do Rio afirmou que a Operação Carnaval foi um sucesso, em vista que não houve registros de incidentes graves. Já o balanço da área de segurança ainda não havia sido divulgado.

Neste ano, o órgão instalou pela primeira vez grades e monitorou o acesso aos chamados megablocos, que desfilaram especialmente no centro da cidade. A decisão foi tomada depois do tumulto que ocorreu durante o pré-carnaval do Bloco da Favorita, em Copacabana, em 12 de janeiro.

Segundo a prefeitura:

“As barreiras de segurança instaladas nos megablocos do Centro funcionaram como o previsto, impedindo a entrada de ambulantes não autorizados, garrafas de vidro e outros objetos proibidos.”

O mesmo esquema será aplicado durante os desfiles dos blocos deste fim de semana.

No último dia do feriado prolongado (25), o bloco da cantora Ludmilla, o Ferno da Lud, levou em torno de um milhão de foliões ao centro do Rio, conforme dados da Riotur. Já no Aterro do Flamengo, na zona Sul, a festa ficou por conta da Orquestra Voadora, que reuniu aproximadamente 330 mil pessoas.

Sustentabilidade e multas

Em parceria com a Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), os quatro dias de folia também resultou em ações sustentáveis, com o recolhimento de 554,1 toneladas de lixo. Só na área do Sambódromo, foram 186,1 toneladas. Porém, 886 foliões foram multados em R$ 607,54 por urinar em vias públicas desde o período de pré-Carnaval, de acordo com a prefeitura.

Já os agentes da Guarda Municipal realizaram 13 prisões por suspeita de furto, desacato, desobediência e injúria racial, lesão corporal e tráfico de drogas. Em relação à fiscalização do trânsito na cidade, foi aplicada 2.714 multas por vários tipos de infração, além de recolher 1.785 veículos estacionados em locais proibidos.

A Secretaria de Eventos do Rio acompanhou os 162 blocos considerados clandestinos, por não possuírem autorização para desfilar e está em fase de levantamento de dados dos organizadores, afirmou a prefeitura. Sobre as multas, o órgão disse que elas serão proporcionais à quantidade de lixo recolhida.

A partir da ameaça de multa a blocos sem aval da prefeitura, aplicadas por meio do CPF de seus organizadores, causou diversas piadas e brincadeiras entre os foliões da cidade. Com isso, nasceu o bloco “CPF do Crivella”, que desfilou com o número do documento do prefeito em um estandarte.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Podcast e livro discutem como melhorar os ônibus

podcast e livro discutem como melhorar os ônibus

Livro e podcast chamam a atenção das pessoas em relação a como é possível e de extrema importância melhorar a qualidade dos ônibus no mundo todo

Nos tempos atuais, onde a tecnologia é nossa aliada, nem sempre ela pode estar ao nosso lado. Uma prova disso é imaginar algo do nosso cotidiano relacionado ao horário que saímos de casa para trabalhar. Se a sua rotina inclui dirigir até o seu local de trabalho e de repente precisa só pode sair de sua própria garagem a cada meia hora. E se perder esse horário, terá que esperar a próxima chance. Com os ônibus também não é diferente esta demora, que é pior e cruel a quem depende do transporte público.

Ônibus versus carros

Esta comparação foi feita pelo especialista em transporte, Stevem Higashide, que lançou o livro “Better buses, better cities” (“Melhores ônibus, melhores cidades”), durante uma entrevista ao podcast 99% Invisible.

O programa que dura 35 minutos e no idioma inglês, Higashide resumiu as principais abordagens da obra. Ele adverte que os ônibus agregam uma imagem ruim em boa parte das cidades do mundo. Porém, suas ações de marketing ainda não são capazes no sentido de alterar esta situação, por vezes, caótica. Portanto, é necessário melhorar o serviço a começar por uma expansão da oferta de horários de transporte público. Segundo o especialista:

“Aumentar a frequência faz com que as pessoas possam contar com o serviço e usá-lo de maneira natural, sem ter de se programar tanto.”

Ele também analisa que com mais pessoas utilizando este meio de transporte e tendo uma boa experiência, a propaganda boca a boca aumenta e, consequentemente, atrai mais usuários, gerando um ciclo positivo.

Flexibilidade de mudanças

Higashide ainda ressalta que os ônibus possibilitam maior flexibilidade para modificações, como conseguir alterar rotas de forma simples, já que não há trilhos fixos, como no metrô. Mesmo assim, as cidades mexem pouco nas linhas e mantêm o mesmo serviço durante décadas, ao passo que as outras transformações urbanas e sociais acontecem constantemente conforme às necessidades de seus passageiros.

Outro ponto que sempre é uma questão delicada aos usuários de ônibus é em relação à tarifa. O autor chega a elogiar o modelo de valor mensal máximo, como é o adotado em Londres, na Inglaterra. E cita como exemplo: um passe mensal, com viagens ilimitadas, pelo equivalente a R$ 300, aqui no Brasil. Contudo, estes passageiros não precisariam comprá-lo de uma única vez, pois poderiam ir pagando de modo unitário e, caso a despesa total atinja R$ 300 naquele período, as viagens extras não seriam mais cobradas até o fim do mês vigente.

Calçadas

Além disso, o autor menciona sobre a importância de cuidar bem das calçadas, já que um caminho difícil para chegar ao ponto de ônibus também impacta de forma negativa sua utilização diária.

Ele lamenta o quanto é comum atualmente que o transporte e a manutenção viária por órgãos públicos diferentes, simplesmente não mantêm uma boa comunicação, no intuito de desenvolver melhorias mais eficazes para esta questão.

Quem quiser saber mais sobre o livro de Steven Higashide, “Better Buses, Better Cities: How to Plan, Run and Win the Fight for Effective Transit”, ele é vendido pela Island Press, como ebook e custa no Brasil R$ 64,74.

E para quem quiser conhecer o podcast onde ele deu a entrevista, basta acessar o programa “99% Invisible, ep. Missing the Bus”. Disponível aqui e em plataformas de podcasts. Gratuito e em inglês.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Prefeitura de SP pretende instalar mais 270 radares nas ruas

prefeitura de SP pretende instalar mais 270 radares nas ruas

Publicado semana passada, o edital prevê expansão de 890 para 1.160 radares

A Prefeitura de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB), divulgou no dia 19 de dezembro, no Diário Oficial da União (DOU), um edital de licitação para a instalação de mais 270 radares fixos, que adicionados aos 890 já existentes, chegará a um total de 1.160 equipamentos na capital paulista.

Edital – mais radares

Consta do contrato do edital também a manutenção de todo parque de fiscalização eletrônica da metrópole, até a substituição, se preciso for, dos radares já instalados.

A empresar que ganhar a licitação, fiscalizará carros e caminhões em vias públicas, além de oferecer radares com tecnologia suficiente para conseguir multar com maior eficácia as infrações cometidas por motociclistas, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes.

No entanto, ainda não foram divulgados os prazos para instalação dos equipamentos nem suas alterações.

Mortes em 2018

Pela primeira vez no ano passado, o número de óbitos de motociclistas, em vias públicas superou o de pedestres, sendo 366, ante 439 pessoas a pé.

Desde maio de 2017, a Prefeitura de São Paulo deixou de usar radares estáticos, implantados em caixas de metal, pois acabavam por dificultar a identificação dos equipamentos por parte dos motoristas.

Contratos dos radares

Os contratos de licitação serão divididos em cinco lotes, espalhados pelas cinco regiões da capital paulista, e com prazo de validade de 60 meses. Já o custo previsto pela gestão Covas é de R$ 1,3 bilhão. Porém, cada lote será arrematado pela companhia que apresentar o menor preço.

A pasta ainda não divulgou uma data para início da implantação dos novos equipamentos, logo que for concluído o processo de licitação.

Número de multas cresceu

Depois de sete meses, o número de multas de trânsito aplicadas na metrópole voltou a crescer, em relação ao mesmo período de 2018. Em agosto deste ano, de acordo com dados anunciados pelo portal Mobilidade Segura da gestão Bruno Covas (PSDB), foram 910.266 infrações autuadas. Já no ano passado, este número foi de 901.216. cerca de 10 mil a menos.

Desde o dia 16 de dezembro, entraram em operação novos radares em quatro túneis de São Paulo. Os equipamentos foram instalados nos túneis: Ayrton Senna 2 (sentido Ibirapuera); passagem Franklin Roosevelt (sentido Lapa); Max Feffer (sentido Centro); e Maria Maluf (nos dois sentidos).

Fonte: Agora São Paulo

*Foto: Divulgação / Rivaldo Gomes – Folhapress