AACD avança no setor de reabilitação aquática

aacd avança no setor de reabilitação aquática

A associação integra a modalidade de ‘cockpit’ para cadeirantes à fisioterapia aquática

AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) promove mais inovação e avança no setor de reabilitação aquática. Ao ouvir queixas de sua paciente mais antiga, Dona Marisa, de 60 anos, a instituição resolveu correr atrás de uma solução. Ela já não conseguia mais ficar em pé nos últimos tempos, além de ter muitas dores.

Marisa passou por uma avaliação e agora está sob os cuidados do fisioterapeuta e chefe do setor de fisioterapia aquática, Douglas Martins Braga. Inclusive, o local das atividades foi totalmente reformado há dois anos. Hoje, a piscina da unidade possui até uma máquina que simula ondas.

AACD avança no setor de reabilitação aquática

Para fazer com que Dona Marisa conseguisse adentrar a piscina, coisa que nunca havia feito, muito menos no mar, a equipe resolveu a questão. Agora, a paciente pode praticar a atividade aquática com o uso de uma cadeira de rodas, que foi desenvolvida nas oficinas da AACD.

Em entrevista à folha, Braga explicou:

“Certos músculos só conseguem ser ativados na água, onde a força da gravidade é quase zero e faz a pessoa flutuar”.

Nestes 14 anos em que está na instituição o fisioterapeuta testemunhou alguns ‘milagres’. E Dona Marisa tem mostrado avanços nos últimos seis meses, decorrentes de uma cirurgia reparadora na perna aliada às atividades na água. Hoje, ela já voltou a caminhar com a ajuda de um andador e não sente mais as dores de antes.

Fabricação das cadeiras de rodas

A produção das cadeiras de rodas feitas sob medida é realizada na unidade da Vila Clementino, zona Sul da cidade de São Paulo. Em médias, são fabricadas por mês entre 80 e 100 cadeiras.

Uma delas melhorou a qualidade de vida de um jovem de 15 anos com distrofia muscular. Ele passou por avaliação da fisioterapeuta Mika Yamada Imaizumi, que integra o grupo de 60 funcionários da oficina ortopédica central. Mesmo lugar onde são produzidas as cadeiras de rodas.

A fabricação só é feita graças aos componentes de um simulador digitalizado, além do cuidado que os artesãos possuem para propiciar mais conforto aos pacientes.

Cockpit

O processo para avaliar a medida de cada cadeira junto ao corpo foi mais complexo no caso do adolescente. Nesta situação, foram utilizadas as mesmas técnicas de ‘cockpit’ que vemos nos carros da Fórmula-1.

Segundo Yamada:

“Depois de fazer dez provas, sem resultado, eu estava quase desistindo, o menino começou a chorar, já não sabia mais o que fazer. Na 11ª tentativa, deu certo, e ele saiu feliz da vida, pilotando sua cadeira motorizada, com o joystick ajustado junto à sua barriga”.

Histórias e comemoração dos 70 anos da Associação

São estas histórias de superação que fazem a alegria dos quase 1.950 funcionários da AACD, além dos 1.214 voluntários. Juntos, eles realizaram em 2018, 800.000 atendimentos e entregaram 55.895 produtos ortopédicos.

No começo dos anos 1950, a associação só atendia crianças, após um surto de poliomielite que atingiu o país. Porém, hoje, a AACD atende pacientes de todas as idades e a maioria deles são encaminhados pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Em agosto de 2020, a instituição completa 70 anos. Ela foi fundada pelo médico ortopedista Renato da Costa Bonfim. Segundo ele:

“Não se trata de fazer caridade ou filantropia, é preciso encarar a causa da reabilitação como problema médico-social prioritário”.

Como a AACD não possui fins lucrativos, ela consegue sobreviver e proporcionar tratamento aos pacientes por meio de doações de pessoas físicas e jurídicas.

Problemas atuais

Hoje, a instituição enfrenta mais casos de paralisia cerebral, decorrentes de problemas no parto. Ao todo são 880 pacientes nesta situação. Portanto, isso exige mais investimentos em tecnologia e inovação apara auxiliar na melhora dessas pessoas.

Para se ter uma ideia, o coordenador geral da oficina ortopédica, Ciro Pauli Pavarim, de 53 anos, atua na AACD desde 1988. Quando foi contratado, ele era formado em ajustagem mecânica pelo Senai. Hoje, ele é protesista ortesista, função que ainda não possui regularização.

Sobre isso, ele afirma que a vontade em ajudar as pessoas aliada à sua formação foram determinantes para entrar na AACD. Pavarim é o responsável por todos os produtos ortopédicos desenvolvidos pelos engenheiros da instituição. Nas oficinas são fabricados coletes, capacetes, cadeiras de rodas adaptadas, órteses e próteses, entre outros.

Fonte: Folha de S. Paulo

Foto: Divulgação

Chega a 163% o índice de mortes por dengue, sobretudo em MG e SP

chega a 163% o índice de mortes por dengue, sobretudo em mg e sp

O número foi recentemente divulgado pelo Ministério da Saúde em relação a doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

No período de um ano, o número de mortes por dengue atingiu mais que o dobro. No primeiro semestre de 2018, foram registrados 139 casos. Já nos primeiros seis meses de 2019, foram 366 ocorrências. Um crescimento de 163%.

As informações foram fornecidas pelo Ministério da Saúde, e contém casos de transmissões pelo Aedes aegypti computados até o dia 8 de junho. O indicativo do ministério mostra que este é o maior índice registrado desde 2015. Naquele ano, 752 pessoas foram a óbito em decorrência da dengue.

Ranking

O estado de São Paulo teve o maior número de mortes este ano, com 145 registros. Em seguida vem Minas Gerais, com 79; Goiás, com 29; Distrito Federal, com 24; e Mato Grosso do Sul com 23 casos.

​Fora isso, existe as ocorrências de suspeitas de dengue que cresceu bastante do primeiro semestre de 2018 para o mesmo período deste ano. O número subiu de 170.628 para 1.127.244, uma alta de 561%.

Maior incidência

Os estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul foram os locais com maior incidência da doença. E apresentaram, respectivamente, 1.804, 1.230 e 1.164 casos. O auge das ocorrências se deu no mês de abril nestas regiões.

Sorotipos e outros fatores determinantes

De acordo com infectologistas ouvidos pelo jornal Folha de S. Paulo, os fatores que podem ter influenciado no aumento dos casos são:

  • Urbanização sem planejamento;
  • Alterações climáticas;
  • Circulação de um sorotipo que difere do vírus da dengue.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019, a predominância no país é o sorotipo 2. Ele é considerado mais agressivo que os demais que já circularam pelo Brasil, os do tipo 1 e 4. Há ainda mais um subtipo, o 3.

De acordo com análises realizadas entre o fim dos anos 1990 e o começo dos anos 2000, o sorotipo 2 era presença frequente e apareceu com maior intensidade pela última vez em território nacional, em 2008.

Segundo o professor do departamento de Infectologia da Unifesp, Marcelo Burattini, o fato de muitas pessoas não terem sido infectadas por este subtipo faz com que elas estejam mais propensas à contaminação.

Ele ressalta que em 2020 em virtude desta alteração de sorotipo, o panorama pode ser bem ruim. Pois, terá maior circulação de mosquitos que carregará o vírus do tipo 2.

Sendo assim, a alternância de sorotipos prova que a dengue é uma doença periódica, de acordo com informações de anos anteriores.

Mudanças climáticas

As altas temperaturas, além da elevação dos índices de chuva neste primeiro semestre podem ter colaborado para o aumento dos casos de dengue. Só no estado de São Paulo, segundo dados do Imnet (Instituto Nacional de Meteorologia), o verão de 2019 foi o quinto mais quente da história.

Do ponto de vista histórico, as ocorrências da doença costumam ser maiores no início desta estação, sendo reduzida já no mês de maio, quando ocorre o outono. No entanto, segundo a consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Melissa Falcão, a maior incidência em 2019 começou antes do esperado. Portanto, o encerramento da epidemia também será prolongado.

Transmissão e sintomas

O mosquito transmissor da dengue é o Aedes aegypti. Ele se prolifera, principalmente, em locais com água parada, como pneus, vasos com plantas e garrafas plásticas. No entanto, evitar que estes criadouros se instalem já um modo de prevenção.

Os sintomas mais comuns da doença são dores musculares e nos olhos, dor de cabeça, falta de apetite, febre alta e mal estar em geral. É importante que as pessoas usem bastante repelente durante o período mais quente do ano, de preferência logo pela manha e no fim de tarde.

Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou um comunicado em que afirma atuar na prevenção e combate ao mosquito transmissor. Ele desenvolve esta ação junto aos municípios e estados do país. E ressalta que é de responsabilidade das autoridades locais determinar a visita de agentes às residências para explicar e eliminar possíveis criadouros.

Além disso, o ministério proporciona o apoio necessário como fornecimento de insumos para combater o Aedes. Só em 2018, o governo disponibilizou verba de R$ 1,9 bilhão para esta causa.

Com o crescimento dos casos neste ano, a pasta comunicou em abril a expansão dos testes com mosquitos Aedes aegypti contaminados pela bactéria Wolbachia. Esta consegue diminuir a capacidade do inseto de transmitir o vírus da chikungunya, febre amarela e zika.

Após isso, o procedimento deve integrar os serviços do SUS. Segundo o ministério, este tipo de teste é seguro para os seres humanos e para o meio ambiente, visto que a Wolbachia se desenvolve somente dentro das células dos mosquitos. Para a realização desta iniciativa, houve investimento de R$ 22 milhões.

O número de mortes em decorrência da dengue nos anos de 2015 a 2017 foram respectivamente de: 752, 318 e 107.

Fontes: Ministério da Saúde e jornal Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação

Cinema de rua mais famoso de SP passa a chamar Petra Belas Artes

cerveja petra é a nova patrocinadora do cine belas artes

Com o fim do patrocínio da Caixa Econômica Federal, em março, o Cine Belas Artes estava mais uma vez correndo o risco de fechar suas portas de vez. Por dois meses, o espaço encerrou suas atividades e no início de maio fechou um acordo com o grupo Petrópolis, detentor da marca de cerveja Petra.

Com isso, novos projetos entrarão em prática em breve, segundo pronunciamento do proprietário, o cineasta André Sturm. Esta é a primeira vez que uma marca de bebida irá patrocinar o espaço cultural situado à rua da Consolação.

A NEGOCIAÇÃO

A cerveja Petra cobrirá parte dos gastos anuais do cinema, incluindo o principal deles, o alto valor de aluguel. A despesa total do local por ano gira em torno de R$ 2 milhões.

O acordo dá direito à Petra de embutir seu nome ao complexo cultural em troca de injetar recursos (naming rights). Agora o cinema de rua mais famoso da capital paulista passa a atender pelo nome de Petra Belas Artes. A alteração de nome não muda em nada a programação do espaço, que continua a ter curadoria de André Sturm.

Em entrevista à Folha no dia do anúncio, a diretora de comunicação da Petra, Eliana Cassandre afirmou:

“É muito bom estar aqui hoje para anunciar algo que, como profissional e como pessoa, é muito importante para mim. A gente não poderia deixar fechar as portas desse espaço que é tão democrático, é tão acessível”.

Além disso, Sturm comemorou a parceria de cinco anos estabelecida pela própria marca de cerveja. Ele esperava e buscava um contrato de apenas três anos. Os valores de negociação não foram divulgados.

André disse ainda que o acordo fluiu de forma simples e fácil. Ele também destaca o patrocínio como bastante significativo ao atual momento pelo qual o setor cultural está passando.

ARTES CÊNICAS E MÚSICA

Além do espaço abrigar a tradicional programação de filmes com curadoria de Sturm, o local pretende expandir os negócios. Eventos musicais e de artes cênicas com previsão de estreia entre os meses de julho e agosto. Estão nos planos agregar ao local noites com degustação de drinques feitos com a cerveja Petra, desenvolvidos por bartenders convidados.

Sturm espera que com o novo patrocínio empresas de outros setores, não apenas bancário, também apoiem espaços culturais da cidade. O cineasta complementa achar admirável a atitude da cerveja em patrocinar pela primeira vez um espaço considerado patrimônio da metrópole.

O Belas Artes foi inaugurado em 1967. Atualmente, possui seis salas de projeção e já foi eleito em pesquisa Datafolha “o melhor cinema de rua e o detentor da melhor programação alternativa de São Paulo”.

CERVEJARIA PETRÓPOLIS

Além da Petra, a Cervejaria Petrópolis também é detentora das marcas: Itaipava, Lokal, Black Princess, Crystal e Weltenburger. A empresa adquiriu em 2017 a companhia Brassaria Ampolis e passou a comercializar as cervejas Biritis, Cacildis, Ditriguis e Forévis. Dessas bebidas, somente a Calcidis e a Petra serão vendidas dentro do Belas Artes.

Todavia, não é de hoje que a companhia cervejeira patrocina eventos no Brasil. Mas até então o destino destas verbas atendiam a negócios esportivos. Um desses casos aconteceu com a Arena Fonte Nova, em Salvador, que negociou os “naming rights” à Itaipava. O acordo, sem previsão de término por enquanto, vale cerca de R$ 3 milhões por ano.

*Foto: Divulgação

Lojistas já recebem no ato da venda pela empresa PagSeguro

lojistas recebem pagamento no momento da compra pelo pagseguro

Desde maio a opção entrou em vigor aos lojistas que já possuem conta PagSeguro

A PagSeguro anunciou em final de abril que os vendedores que utilizam suas maquininhas receberão o pagamento imediatamente.

A medida vale aos comerciantes que já possuem conta na companhia pertencente ao grupo UOL. Além disso, a famosa empresa de maquininhas tem pequena participação acionária e indireta da Folha de São Paulo.

O vendedor poderá utilizar o dinheiro do pagamento da PagSeguro de duas formas: via débito ou sacá-lo em caixas eletrônicos.

FUNCIONAMENTO ANTERIOR DE PAGAMENTOS

Antes, quando o comerciante fazia uma venda por cartão de débito, demorava cerca de um dia para receber. E na opção de cartão de crédito a espera era de 30 dias ou menos, com prazo determinado pelo vajerista. Porém, essa escolha equivalia a juros maiores.

CONCORRÊNCIA FORTE

A decisão da PagSeguro serve como estratégia para atenuar a forte concorrência da Rede, companhia do Itaú. A empresa pertencente ao banco divulgou também em abril que as vendas realizadas na forma de crédito serão pagas em até dois dias. Com isso, o varejista não precisa mais antecipar o pagamento. Porém, a taxa cobrada não foi divulgada à imprensa.

A tática adotada pela Rede fez despencar as ações da PagSeguro no pregão, e também das concorrentes Cielo e Stone. Na bolsa de Nova York, em 22 de abril, a PagSeguro registrou queda de 1,23% e Stone, 2,38%, na Nasdaq.

Todavia, não foi só a Rede que impôs a medida agressiva ao mercado de maquininhas de cartão. A Safrapay, do banco Safra, também acatou a mesma alternativa em zerar a taxa de juros ao varejista que quiser antecipar o valor pago à vista pelo cliente no cartão de crédito.

CADE VAI AVERIGUAR INICIATIVA DA REDE

A decisão da Rede poderá alterar o modo competitivo das empresas do setor, segundo analistas da XP Investimentos.

Já o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) vai verificar a iniciativa adotada pela companhia. A concorrência alega que essa postura confere venda casada, pois os clientes devem possuir conta no Itaú para se beneficiarem das condições de pagamento e descontos promovidos pela Rede.

ABIPAG

A Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos (Abipag), afirma que iniciativas como a da Rede devem ser vistas com desconfiança. Para a associação, uma medida como essa em que a empresa diz zerar a tarifa de antecipação para pagamentos via cartão de crédito, deve ser encarada como o de compensar a falta de taxa neste serviço, mas que provavelmente deve ser compensada na forma de outra tarifa. Em comunicado enviado à imprensa, a Abipag conclui que a intenção da Rede é acabar com as fintechs e impedir que tenha competição nesse nicho de mercado e ainda ressalta que também possa ser uma ação promocional de caráter duvidoso.

Foto: Divulgação

Spotify quer se transformar no Netflix do áudio

spotify quer se tornar o netflix do áudio

O Spotify divulgou recentemente a aquisição de mais uma companhia de podcast.

A compra da empresa Parcast já é a terceira que a gigante de streaming musical negocia em dois meses. Inaugurada em 2016, a produtora é especializada em conteúdo de áudio com temáticas de crimes misteriosos.

Ela já produziu 18 séries de podcasts aos amantes desse gênero, com destaque para “Cults”, “Conspiracy Theories” e “Serial Killers”.

Em fevereiro, a corporação adquiriu as agências de podcasts Gimlet Media e Archor, respectivamente.

Com essas atitudes, o Spotify deixa claro suas reais intenções em se tornar o Netflix do áudio. O serviço de streaming musical tem investido pesado para que este desejo seja viabilizado o quanto antes.

A empresa não informa quanto gastou nas aquisições dessas produtoras de podcasts. Porém afirma que destinou uma verba total de US$ 500 milhões para este ano para fechamento de contratos desse tipo.

Cada vez mais a indústria fonográfica se reinventa para acompanhar as novas plataformas que surgem no mercado.

O Spotify tem como concorrente direto o serviço de streaming francês Deezer, que disponibiliza aos usuários um forte acervo musical. O Deezer foi lançado em 2007 e totaliza mais de 4 milhões de programas de áudio, incluindo o podcast.

HISTÓRIA DO SPOTIFY

Lançado oficialmente no mercado em 2008, a empresa sueca surgiu como um projeto de startup, em 2006. Apesar de ser posterior ao Deezer, o Spotify se tornou o serviço de streaming mais popular e usado do mundo.

ALTERNATIVA DE LANÇAMENTO DE ÁLBUNS

Atualmente, diversos artistas lançam álbuns inteiros aos assinantes da plataforma e deixam algumas faixas gratuitas disponíveis ao público em geral.

Músicos brasileiros, ainda desconhecidos do grande público, também se beneficiam desta alternativa em frente à crise que as gravadoras enfrentam há anos. Os canais oficiais de bandas e cantores no Youtube também servem como propagadores de lançamentos.

Hoje em dia, qualquer artista tem a preocupação de lançar um disco ou singles através dos serviços de streaming musical.

Além do Spotify e Deezer, outra frente encontrada pelos profissionais é o Tidal – plataforma de divulgação de álbuns por assinatura.

*Foto: Divulgação

 

Os Eternos: Filme da Marvel pode trazer primeiro super-herói gay

Marvel lançará primeiro super-herói gay

Rumores divulgados há algumas semanas a respeito do novo filme da Marvel, “Os Eternos”, de que lançaria o primeiro super-herói gay da história ainda não foi confirmado pela produção do longa-metragem.

De acordo com informações anunciadas em alguns sites do segmento de entretenimento, o personagem da maior editora de histórias em quadrinhos do mundo seria descrito como abertamente LGBTQ+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e queers).

Em recente entrevista à revista norte-americana “Variety”, a chefe de produção do filme, Victoria Alonso, disse que o mundo está pronto para absorver um personagem que integre um grupo de super-heróis e ainda represente a diversidade de opção sexual.

Em relação aos rumores em torno de qual astro assumiria este papel no cinema, a produtora ressalta que está mais preocupada em formar a melhor equipe de atuação e não confirmou se necessariamente um homossexual daria vida ao personagem em questão.

Segundo Alonso, a Marvel acha de extrema importância lançar produções em que todos se identifiquem com a história e chamou a atenção pela luta de igualdade de gênero e que não poderiam e nem querem se omitir diante desse assunto que assola o mundo.

Fatores como diversidade e inclusão fazem parte do universo de suas histórias, ou seja, a empresa de quadrinhos quer incluir em suas tramas todos os tipos de pessoas que lotam as salas de cinema para assisti-las.

Recentemente, entrou em cartaz em vários países o longa “Capitã Marvel”, colocando a mulher em primeiro patamar e discutindo o papel da representatividade feminina nos dias de hoje, um tema tão necessários e urgente em debater.

Em breve, a Marvel dará mais informações sobre “Os Eternos”.

*Foto: Divulgação

Mark Zuckerberg integrará chats do Facebook, Instagram e Whatsapp

mark zuckerberg integra chat de redes sociais

Foi confirmada pelo empresário americano, Mark Zuckerberg, a integração da famosa “janelinha de conversa” de suas três marcas: Facebook, Instagram e Whatsapp.

A medida vai permitir que os contatos de um dos aplicativos seja acessível aos demais, porém ainda não foi divulgado o prazo para o início desta operação.

Os rumores sobre a nova proposta já circulavam na mídia desde o início do ano e ainda promete mudanças ao longo dos anos, aperfeiçoando cada vez mais os aplicativos da empresa de Zuckerberg.

Segundo o presidente das três marcas, o futuro dessas tecnologias estão baseados no sistema de privacidade e a conversa em tempo real, aliados a uma maior segurança para este tipo de serviço.

As implementações requerem cuidado e novas discussões.

Hoje, se você quiser enviar um recado a um amigo, é preciso escolher das redes sociais quer utilizar.

Com a mudança anunciada por Mark será possível mandar uma mensagem pelo Instagram Direct para qualquer contato seu e a pessoa receber em um dos três apps, conforme sua própria escolha.

Além disso, as interações dos amigos às histórias (stories) publicadas no Instagram que já se integravam ao Facebook por escolha do próprio usuário, poderão aparecer em único local.

Futuramente, a integração dos chats desses apps incluirá o serviço de SMS.

NADA DE FUSÃO

O chefão do Facebook também deixa claro que não vai haver uma fusão entre os aplicativos de sua empresa, e sim melhorar o desempenho do Messenger e Whatsapp.

O desejo de Mark é que ambas as plataformas de conversa se tornem os principais meios de comunicação no Facebook, aperfeiçoando a rapidez e aumentando a segurança (uso de criptografia) e privacidade.

MÁXIMA PRIVACIDADE

Cada vez mais o uso do bate-papo das redes sociais têm sido o principal foco dos usuários, além dos tradicionais posts, seja de textos ou de imagens e vídeos.

Foi observado pelo próprio executivo esta mudança de interação entre os internautas.

Criticado no passado por tornar o Facebook um meio digital com abertura para divulgação de dados confidenciais de seus usuários, Zuckerberg ressalta que quer tornar a rede um ambiente totalmente focado na privacidade de qualquer pessoa que decida criar uma conta e passar a interagir com outros contatos.

*Foto: Divulgação

Rendimento no Tesouro Direto pode ser superior à taxa de compra

ganho tesouro direto maior que taxa de compra

Muitos investidores têm motivos de sobra para estarem alegres. Nos últimos meses, os títulos Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA tiveram rendimento muito superior à taxa prometida (quase 10% só em um mês).

Não se preocupe se você ainda não possui esses títulos, pois ainda dá tempo adquiri-los e em um curto prazo podem render mais que a alíquota de juros prometida para o vencimento (aquela que surge na hora da aquisição)

POR QUE OS PREÇOS VARIAM?

Os papéis do Tesouro estão sujeitos à marcação a mercado, mesmo sendo títulos de renda fixa.

O valor dele em reais é ajustado diariamente de acordo com as expectativas do mercado em relação à taxa de juros.

POR QUE OS TÍTULOS SE VALORIZARAM TANTO?

Nos últimos meses, as expectativas do mercado para os juros mudaram bastante. O motivo claro disso foram as eleições. Com o atual governo, os prêmios despencaram.

Esse ajuste se refletiu nas taxas de juros dos títulos, tanto de vencimento mais curto quanto de vencimento mais longo.

Com a queda nos juros, os preços dos títulos dispararam.

Em suma, quem já tinha o papel e quiser vendê-lo pode embolsar o lucro e quem quiser ficar com o papel até a data de vencimento pode receber a taxa que estava acordada na hora da compra.

AINDA VALE A PENA COMPRAR?

Se as reformas do novo governo forem aprovadas, a Selic pode cair ainda mais. Com isso, se houver queda dos juros, os títulos vão se valorizar e ter a chance ganhos extras com prêmios na renda fixa.

E SE O CENÁRIO MUDAR?

Se o cenário mudar, seja em relação à reforma da Previdência ou de outro agravante, basta que o investidor continue com seu título até o vencimento sem nenhum prejuízo.

QUAL TÍTULO DEVO ADQUIRIR?

No momento os mais atraentes são os do Tesouro IPCA com vencimento mais longo.

Esses títulos pagam hoje juros superiores ao IPCA mais 4% ao ano.

*Foto: Reprodução / Free Images – Karl Mooney

Prefeitura de São Paulo divulga criação do Parque Minhocão

prefeitura de sp divulga parque minhocão

Situado na região central da cidade, o Elevado Presidente João Goulart liga a Avenida Radial A Avenida Francisco Matarazzo (Zona Oeste) à Avenida Radial Leste-Oeste (no Centro), passando pelos bairros Barra Funda, Santa Cecília, Consolação e República.

Determinada pelo Plano Diretor de 2016 e idealizada durante a gestão de Fernando Haddad (PT), a desativação do Minhocão foi deixada em aberto pelo petista em relação ao que seria feito de sua estrutura.

O atual prefeito Bruno Covas decidiu cumprir a regra e estudar o que faria no local. A decisão foi adiada até que os custos fossem considerados e a questão da solução dos reparos de emergência dos viadutos da capital paulista fossem iniciados e equacionados.

O custo estimado da obra é de R$ 38 milhões arrecadados de recursos municipais.

Anunciado pela prefeitura, a construção do primeiro trecho do Parque Minhocão acontecerá em três etapas, tendo início das obras ainda em fevereiro e sendo finalizadas em 2020.

Etapas do primeiro trecho

1ª Etapa: serão feitas obras de segurança e acessibilidade no espaço entre a saída da Ligação Leste-Oeste até a ligação com a Avenida São João.

Além de instalação de acessos em nove pontos de todo o elevado, entre elevadores e escadas. E implementação de estruturas de proteção nas laterais para a segurança dos frequentadores.

acesso elevado joão goulart

*Foto: Reprodução – Flickr – Diego Torres Silvestre

Como ficará o acesso

No final do segundo semestre, devem ser iniciadas as obras da segunda etapa. O motorista que seguir no sentido dos bairros de Perdizes e Barra Funda poderá pegar o elevado por um acesso perto da Rua Helvétia, na altura do bairro Campos Elíseos.

Quem for no sentido contrário, pegará a passagem localizada à Rua Sebastião Pereira, na Vila Buarque.

2ª Etapa: será construído 900 metros de parque entre a Praça Roosevelt e o Largo do Arouche. Neste trecho teremos 17.500 metros quadrados com jardins, floreiras e deques, dispostos em módulos pré-fabricados.

O conceito urbanístico e referências do arquiteto Jamie Lerner foram adotados pela Prefeitura de São Paulo, utilizando material modulado, além de usos institucionais na parte debaixo do viaduto e intervenções que permitem a integração dos espaços.

3ª etapa: Ocorrerá paralelamente à segunda etapa discussões e participação popular para fixar um regimento mais específico do entorno do parque, que o envolve o Projeto de Intervenção Urbana (PIU).

História da desativação do Minhocão

A sina do então Elevado Costa e Silva é pauta de discussão desde a década de 1970, quando foram iniciadas os períodos de interdição ao tráfego veicular durante a noite.

Passados mais de 40 anos, o resultado do impacto que teria sobre o cotidiano de grande número de munícipes fez com que o Plano Diretor Estratégico (PDE), acatado em 2014, tratasse do tema. Foi prevista uma lei específica para determinar a gradual restrição ao transporte individual motorizado no Minhocão, além de definir prazos para sua completa desativação como via de tráfego, ou transformação, parcial ou integral em parque para a população usufruir.

A decisão foi atendida com a aprovação da Lei Municipal nº 16.833, de 7 de fevereiro de 2018, que definiu a desativação do elevado como via de circulação de veículos; incentivo à realização de eventos culturais e esportivos em horários de interdição ao tráfego, e a obrigatoriedade de propor a transformação parcial ou total do elevado em parque por meio de um Projeto de Intervenção Urbana – PIU, a ser aprovado por Lei ou Decreto.

Além disso, a lei também permite o Executivo a realizar projetos pilotos para avaliação dos impactos, no curso do processo de desativação da estrutura.

*Foto Capa: Reprodução / Flickr – Daniel Castanho

Mulheres buscam cada vez mais opções de roupas em brechós

mulheres roupas brechó

Com o impacto de ser mais sustentável, o brasileiro, no caso mais as mulheres, têm buscado alternativas de se vestir bem e pagando barato em milhares de brechós espalhados pelo Brasil.

Foi-se o tempo que o chique era comprar uma roupa nova para determinada ocasião. Luxo agora é ter um item de grife famosa a um bom custo benefício. Em diversas regiões do país, por exemplo, podemos encontrar peças da moda europeia, principalmente a francesa, que tanto fazem a cabeça de muitas brasileiras.

Tem estabelecimentos para todos os gostos e bolsos, além de lojas especializadas em aluguéis de roupas de grife de marcas renomadas.

A procura por um lugar onde possamos comprar uma roupa usada também já deixou de ser apenas o fator mais importante. É muitos mais que isso. É saber que poderá adquirir uma peça única e exclusiva e que já pertenceu a alguém que você admira muito ou que simplesmente tem uma história pra contar, o que denominamos de algo atemporal, vintage.

Ainda pouco se falado, a moda de hoje também nos proporciona a conhecermos qual cartela de cor combina mais com nosso tom de pele, traços físicos e estrutura corporal.

As chamadas consultoras de estilo atendem clientes mais exigentes, que querem sair da mesmice e saber reaproveitarem o que há de melhor dentro do seu próprio guarda-roupa. Baseada em uma cartela de cores quentes e frias, uma personal stylist consegue montar um look que combine com a personalidade de cada cliente.

É possível fazer uma busca pelas redes sociais, principalmente o Instagram para encontrarmos esta profissional da moda. A maioria atende em domicílio, fazendo justamente com que você se obrigue a pensar o que tem dentro do seu armário para você compor um look que vai desde ao dia a dia no trabalho até sair à noite ou curtir um fim de semana mais tranquilo.

Com isso, o meio ambiente agradece, a economia gira e é cada vez mais importante nutrir o pensamento sustentável, ou seja, eu preciso realmente comprar uma roupa nova? Quanto de desmatamento ou emprego escravo será usado para que eu possa usar uma peça nova? São perguntas feitas constantemente por este tipo de público que vem atingindo uma fatia bastante relevante do mercado da moda brasileira e mundial.

*Foto: Reprodução / Flickr – Sérgio Vale (Secom)