Vacina inalável contra covid-19: Biomm pede aval definitivo à Anvisa

Vacina inalável contra covid-19

Vacina inalável contra covid-19 apresenta economia ao sistema de saúde por usar apenas um quinto da dose intramuscular

A biofarmacêutica Biomm anunciou na segunda-feira (5), que solicitou autorização definitiva para uso de vacina inalável contra covid-19, Convidecia Air, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A empresa brasileira é parceira da chinesa CanSino, que desenvolveu o imunizante. A ideia do laboratório é oferecer mais uma opção de imunizante para dose de reforço.

Vacina inalável contra covid-19

Em nota, Heraldo Marchezini, CEO da Biomm, destacou o seguinte:

“A submissão visa a ampliar o acesso à vacinação por meio de mais uma opção de imunizante contra a covid-19. É importante ressaltar ainda que, além dos benefícios para a população, a vacina inalável apresenta economia para o sistema de saúde por utilizar apenas um quinto da dose intramuscular.”

Além disso, a biofarmacêutica brasileira destacou que o pedido do uso da vacina inalável contra covid-19 integra o processo de registro da versão injetável do imunizante, iniciado em maio deste ano. Ambas, segundo a CanSino, foram desenvolvidas a partir do adenovírus tipo 5 – vírus brando do sistema respiratório que causa sintomas semelhantes aos do resfriado comum -, alterado geneticamente para carregar as informações necessárias para sintetizar as proteínas novo coronavírus.

Em geral, a Convidecia Air é inovadora por não precisar de uma injeção para ser aplicada. A aplicação depende apenas de um nebulizador para transformar o líquido em aerossol para inalação pela boca. De acordo com a Biomm, o imunizante foi aprovado na China e teve uso emergencial liberado no Marrocos.

Estudo

Por fim, em estudo publicado na revista científica The Lancet Respiratory Medicine, cientistas da CanSino destacam que resultados sugerem que uma imunização de reforço heteróloga (com vacinas diferentes) com a vacina inalável “é segura e altamente imunogênica”. Os testes objetivaram analisar a imunogenicidade da vacina em adultos chineses que haviam recebido duas doses da Coronavac.

*Foto: Reprodução

Paralisia infantil no Pará: suspeita é em criança de 3 anos

Paralisia infantil no Pará

Paralisia infantil no Pará, assim como no resto do Brasil foi erradicada em 1989, graças à obtenção de altas coberturas vacinais

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) notificou ao Ministério da Saúde que investiga uma suspeita de paralisia infantil em um menino de 3 anos de idade, do município de Santo Antônio do Tauá, no nordeste do estado.

Paralisia infantil no Pará

Além disso, em comunicação de risco do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, a secretaria pondera que outras hipóteses diagnósticas não foram descartadas, como a Síndrome de Guillain Barré.

Entretanto, a suspeita de paralisia infantil no Pará se dá em razão da detecção do poliovírus nas fezes do paciente. O exame foi realizado diante da apresentação de sintomas como paralisia nos membros inferiores.

Sintomas

A criança começou a apresentar os sintomas em 21 de agosto, com febre, dores musculares, mialgia e um quadro de paralisia flácida aguda, um dos sintomas mais característicos da poliomielite. Dias depois, perdeu a força nos membros inferiores e foi levada por sua responsável a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no dia 12 de setembro.

Já a Sespa informou que presta toda a assistência ao paciente, que se recupera em casa, e que atua para a rápida investigação e esclarecimento do caso.

Vacina

A poliomielite não possui tratamento, mas o Programa Nacional de Imunizações (PNI) dispõe de vacinas seguras e eficazes que devem ser utilizadas para proteger crianças desde o primeiro ano de vida. Em geral, o PNI recomenda que a vacina injetável intramuscular seja administrada aos 2, 4 e 6 meses de idade, conferindo uma imunidade que só é reforçada aos 15 meses e aos 4 anos, com as gotinhas da vacina oral, ou em campanhas de vacinação anuais como a realizada recentemente.

Erradicação

Contudo, graças à obtenção de altas coberturas vacinais, a doença foi erradicada no Brasil. Sendo assim, a paralisia infantil teve seu último caso reportado no país em 1989. E em 1994, o continente americano recebeu a certificação de área livre de circulação do Poliovírus selvagem da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Queda das coberturas vacinais

Por outro lado, houve, a partir de 2016, houve a queda das coberturas vacinais contra a doença. Desde então, têm gerado alertas de especialistas de que o país poderia voltar a registrar casos de pólio, que pode causar morte e sequelas motoras irreversíveis.

Segundo o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), as doses previstas para a vacina intramuscular contra a pólio atingiram a meta de 95% do público-alvo pela última vez em 2015, quando a cobertura foi de 98,29% das crianças nascidas naquele ano.

Porém, após 2016, a cobertura caiu para menos de 90%, chegando 84,19% no ano de 2019. Em 2020, a pandemia da covid-19 impactou as coberturas de diversas vacinas, e esse imunizante chegou a apenas 76,15% dos bebês. Em 2021, o percentual ficou abaixo de 70% pela primeira vez, com 69,9%. No Pará, onde foi registrada a suspeita, o percentual foi ainda menor, de 55,73%.

Fora do Brasil

Todavia, essa questão não se aplica apenas ao Brasil. Sendo assim, a Organização Pan-Americana de Saúde listou o país e mais sete nações da América Latina como áreas de alto risco para a reintrodução da doença.

O vírus selvagem da poliomielite também voltou a circular no continente africano LINK 1, e a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, notificou um caso de poliomielite com paralisia em um adulto que não teria viajado para o exterior.

Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite

Por fim, o Ministério da Saúde realizou entre 8 de agosto e 30 de setembro a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, mas a meta de imunização não foi atingida. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse ontem (5) que o país vai atingir o objetivo de vacinar 95% das crianças menores de 5 anos de idade contra a poliomielite, porém, estimou que a cobertura vacinal está em torno de 60%.

*Foto: Reprodução

Terceira dose em adolescentes: Ministério da Saúde decidirá até 27 de maio

Terceira dose em adolescentes

Terceira dose em adolescentes, assim como a quarta aplicação são restritas aos imunossuprimidos

O Ministério da Saúde planeja estender a dose de reforço da vacina contra a Covid-19 a adolescentes de 12 a 17 anos. Sendo assim, com a medida, esses jovens deverão receber uma terceira dose da farmacêutica Pfizer quatro meses após a segunda. Atualmente, esse grupo recebe duas doses, que podem ser desse imunizante ou da CoronaVac.

Terceira dose em adolescentes

Além disso, já existe uma recomendação favorável para a terceira dose em adolescentes, vinda de integrantes da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (CTAI-Covid). Contudo, interlocutores ouvidos pelo jornal O GLOBO afirmam que a decisão final deve sair até o fim da próxima semana, mais precisamente em 27 de maio, quando voltam a debater o tema.

Ampliação da dose de reforço

No geral, o grupo deve reunir mais dados epidemiológicos que subsidiem a ampliação da dose de reforço para a faixa etária.

Após a aprovação, a pasta de saúde deverá publicar uma nota técnica para orientar estados e municípios.

Orientação atual

Por outro lado, vale destacar que a orientação atual para adolescentes é de que somente os imunossuprimidos — com câncer, HIV/Aids ou que receberam transplante, por exemplo — recebam a terceira e a quarta dose.

Porém, o ministério liberou a aplicação dessa segunda dose de reforço em idosos a partir de 70 anos e em adultos imunodeprimidos.

Imunizantes para terceira dose em adolescentes

Por fim, além da Pfizer, a CoronaVac também é liberada para crianças e jovens, mas a partir de 6 anos. Todavia, a pasta não a indica como opção para reforço dos adolescentes por induzir menor produção de anticorpos contra a Covid-19.

*Foto: Reprodução

Remédios podem ter alta de até 18% por causa de reforma do IR

remédios-podem-ter-alta-de-até-18%-por-causa-de-reforma-do-ir

Remédios podem ter alta, segundo seus fabricantes, que pode impactar em mais de 18 mil produtos farmacêuticos

Com a aprovação, na Câmara dos Deputados, do texto base do projeto de lei que altera as regras do Imposto de Renda. Sendo assim, remédios podem ter alta de 12%, podendo chegar a 18%, em mais de 18 mil produtos farmacêuticos. A afirmação vem de fabricantes do setor.

Remédios podem ter alta com reforma do IR

De acordo com o Nelson Mussolini, presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma):

“Sem a reforma administrativa, a tributária perde o sentido, principalmente essa proposta que nem ao menos reduz a burocracia e, no final, quem pagará a conta será o consumidor de medicamentos.”

Além disso, a entidade calcula que, no geral, este nó consiste no fato de que essa reforma eleva a carga tributária de medicamentos, que hoje já corresponde a aproximadamente um terço (32%) do preço final ao consumidor. Portanto, bem acima da média mundial, que é de 6%.

Impacto também no SUS

Os remédios podem ter alta também para o Sistema Único de Saúde (SUS). Neste caso, o aumento seria, em média, de 18%, devido à cobrança de ICMS. E isso tudo considerando que alguns convênios vinculam a isenção desse tributo ao benefício federal de isenção de PIS/Cofins.

Sendo assim, neste grupo de medicamentos com substâncias isentas da cobrança de PIS/Confins estão os de uso contínuo utilizados em tratamentos de doenças como: câncer, hipertensão, cardíacas e diabetes.

Eles correspondem a 69,3% do total de produtos disponíveis no mercado farmacêutico atualmente, afirma a entidade.

Em nota, Mussolini disse ainda que é necessário encaminhar a reforma administrativa para só depois discutir a tributária.

“Antes de definir quanto quer arrecadar, a sociedade brasileira precisa definir quanto quer gastar.”

*Foto? Divulgação/Freepik

Torcida em eventos esportivos de SP volta a partir de 1º de novembro

torcida-em-eventos-esportivos-de-sp-volta-a-partir-de-1º-de-novembro

Além da volta da torcida em eventos esportivos de SP, também haverá o retorno do público em apresentações musicais 

Nesta quarta-feira (4), o governo paulista anunciou que irá permitir a volta da torcida em eventos esportivos, e de público em pé em apresentações musicais a partir de 1º de novembro. Porém, no geral, fica mantida a exigência do uso de máscaras, de acordo com Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado.

Volta da torcida em eventos esportivos e de público em shows de SP

Durante uma entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, a secretária afirmou que até novembro 100% da população adulta do Estado já estará vacinada com duas doses ou com imunizante de dose única contra a Covid-19. Sendo assim, o governo paulista vai permitir a volta dos torcedores em eventos esportivos e do público em pé em apresentações musicais. Mas tudo isso, desde que os eventos tenham controle na capacidade de pessoas e dos protocolos sanitários. Isso inclui o uso obrigatório de máscaras e respeitar o distanciamento social e demais normas de segurança.

“Daremos grandes passos nesta retomada, mas de forma segura para a população.”

Alguns países aboliram o uso de máscaras

Embora alguns países tenham decidido abolir a obrigatoriedade do uso de máscara após uma vasta campanha de vacinação, tiveram de voltar atrás em sua decisão e adotar novamente o uso de proteção facial.

Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1

Com o anúncio de hoje, o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, marcado para 7 de novembro, poderá ocorrer com a presença do público no autódromo de Interlagos. Vale lembrar que no ano passado, o evento foi cancelado por conta da pandemia.

*Foto: Divulgação

Anvisa diz que algumas vacinas demandarão terceira dose

anvisa diz que algumas vacinas demandarão terceira dose

Algumas vacinas demandarão terceira dose, de acordo com o presidente da agência, Antônio Barra Torres

Na terça-feira (13), o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, acredita que algumas das vacinas contra a covid-19 demandarão uma terceira dose. O diretor disse isso durante uma palestra virtual realizada pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

“Acredito que algumas vacinas terão a necessidade de uma terceira dose. No dia de hoje, ainda é difícil dizer qual. É estudado no mundo inteiro. O mundo inteiro está debruçado nisso, e o objetivo é obter a imunização segura e mais duradoura.”

Algumas vacinas demandarão terceira dose

Algumas vacinas demandarão terceira dose, mas Barra Torres ressaltou que todas elas que foram aprovadas pela Anvisa são eficazes. No geral, a população pode confiar em qualquer uma que estiver disponível no posto de saúde. Para o diretor-presidente:

“A melhor é aquela que está no seu braço.”

Aval definitivo

Por enquanto, receberam aval definitivo ou emergencial da agência os imunizantes: AstraZeneca/Oxford, Pfizer, Coronavac e Janssen. As três primeiras são com duas doses e a quarta, com dose única.

Além disso, também com duas aplicações, as vacinas Sputnik e Covaxin receberam autorização de importação, mas com limitações.

Pfizer

A farmacêutica Pfizer anunciou na semana passada que está desenvolvendo uma terceira dose da vacina contra a covid-19.

Contudo, o governo do Chile também informou recentemente que estuda a possibilidade de distribuir uma dose de reforço. O país registrava alta de casos mesmo tendo vacinado 61% do público-alvo com duas doses.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, também levantou a hipótese de uma terceira aplicação.

Combinação de imunizantes diferentes

Em contrapartida, Barra Torres analisou ainda a possibilidade de combinar vacinas de laboratórios diferentes para o combate ao novo coronavírus.

“A atividade reguladora não é a locomotiva desse processo. Ela é vagão. Vamos a reboque do desenvolvedor ou do pesquisador que nos apresentar suas conclusões, para que possamos avaliar e referendar. Estamos falando de uma interação de imunobiológicos de origens e plataformas diferentes. Vem muito da comunidade científica. No momento, estamos acompanhando algumas situações que podem no futuro ter um posicionamento nosso.”

Decisão de alguns países

Todavia, ele ressaltou que decisões como esta têm sido tomadas por determinados países em alguns casos. No Brasil, a situação tem acontecido com as gestantes. Isso porque o imunizante da AstraZeneca chegou a ser aplicada em algumas grávidas, mas depois foi suspensa pelo Ministério da Saúde por conta de um caso suspeito de reação reversa. Aquelas gestantes que tomaram o imunizante, posteriormente, foram autorizadas pela pasta a receber a segunda dose da Pfizer.

Torres concluiu a palestra reforçando a importância de seguir as medidas para evitar o contágio, como: uso de máscara, distanciamento social, higiene das mãos e vacina.

“Não é pelo fato de tomar as duas doses de vacina que vai poder deixar de usar máscara imediatamente.”

*Foto: Divulgação

SP deve atingir pico de ocupação de UTI até dia 17

sp deve atingir pico de ocupação de uti até dia 17

Pico de ocupação de UTI na cidade de São Paulo é previsto pela Prefeitura

Na segunda-feira (7), Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde da cidade de São Paulo, disse estar preocupado com as aglomerações registradas durante o feriado de Corpus Christi. Isso tanto na capital, quando no interior paulista, principalmente em Campos do Jordão.

Pico de ocupação de UTI

No geral, segundo uma projeção da prefeitura, haverá pico de ocupação de UTI acima de 90% por volta do dia 17 de junho.

Além disso, Aparecido afirmou também em entrevista ao programa Bom Dia SP:

 “Temos hoje a ocupação de leitos de UTI em 82% na cidade. Tivemos o pico entre o mês de março e abril, e depois uma queda. Há mais de 25 dias estamos nesse patamar muito alto de internações.”

E revelou sobre a piora nos próximos dias:

“Essas circulações que vimos na cidade e no interior de São Paulo podem ter um reflexo maior na ocupação por volta da segunda semana deste mês. Nossa equipe imagina que por volta do dia 17 nós poderemos ter uma taxa de ocupação semelhante àquela do pico da segunda onda, que foi no mês de abril.”

Adiantamento do feriadão

Mesmo com o adiantamento do feriado prolongado de Corpus Christi para o final de março, muitas empresas não aderiram à mudança. Portanto, muitas pessoas ficaram de folga entre os dias 3 e 6 de junho.

Aparecido disse também que a prefeitura deve abrir mais 250 leitos de UTI até o dia 25 de junho. Porém, ele teme que não seja suficiente:

“Sei que as pessoas estão cansadas, mas precisamos aguentar um pouco mais.”

Vacinação

Apesar do programa de vacinação continuar avançando, as aglomerações e deslocamentos desnecessários devem ser evitados. Na segunda, a capital paulista começou a imunização de gestantes e puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias) acima de 18 anos sem comorbidades.

Anúncio de Doria

Contudo, na semana passada, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que toda a população adulta do estado será vacinada contra a covid-19 até o dia 31 de outubro.

De acordo com Regiane de Paula, coordenadora do Programa Estadual de Imunização, o cronograma foi elaborado levando em conta as projeções de entregas de vacinas Coronavac, Pfizer e AstraZeneca, previstas pelo Ministério da Saúde. Ajustes podem ser necessários, considerando a segunda dose, que pode ser aplicada em novembro.

Quarentena

A atual etapa de quarentena em todo o estado de São Paulo vai até dia 13 de junho. A regra vigente possibilita que os estabelecimentos podem abrir, com capacidade de 40% e entre as 6h e às 21h.

Por fim, o toque de recolher segue das 21h às 5h. já os parques estaduais e municipais podem abrir entre 6h e 21h.

O teletrabalho para atividades administrativas não essenciais continua obrigatório. Diferentemente de como era adotado até então, o governo determinou todas as regras de forma única para todo o estado.

*Foto: Divulgação

Sindicância de fura fila na vacinação: dois agentes de SP são afastados

sindicância de fura fila na vacinação dois agentes de sp são afastados

Uma sindicância de fura fila na vacinação levou dois oficiais do 32º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I) em Assis (SP) a serem afastados. A verificação foi aberta nesta semana e apura se houve fraude na vacinação para profissionais das forças de segurança. Além disso, as suspeitas levantadas até o momento são de que parentes de alguns agentes foram até o batalhão receberem doses do imunizante contra Covid-19.

Sindicância de fura fila na vacinação

Segundo nota divulgada ontem (15), a Polícia Militar de São Paulo disse ter recebido “com perplexidade” a informação de que familiares de policiais teriam sido vacinados na chamada “xepa”. Em geral, quando são aproveitadas algumas doses restantes de três frascos já abertos ao final das atividades do dia.

A corporação afirma:

“A operação de vacinação dos profissionais de segurança pública exigiu minucioso planejamento e primorosa execução para imunizar mais de 140 mil agentes em 83 postos de vacinação nos quartéis em 10 dias.”

Ela lembra ainda que o suposto uso indevido “contraria determinações claramente emanadas pelo comando da Polícia Militar”. E acrescentou também:

“A instituição não compactua com desvios de comportamento e o caso está sendo rigorosamente apurado.”

Posicionamento da PMSP

Contudo, a PMSP ressaltou ter seguido “as recomendações do PNI (Programa Nacional de Imunizações) e do PEI (Plano Estadual de Imunização) para vacinação contra a Covid-19, assim como os protocolos técnicos de ambas as instâncias”.

Prefeitura de Assis

Na segunda-feira (12), a prefeitura de Assis disse que vai seguir o pedido do Ministério Público de São Paulo. Sendo assim, ela divulgará a lista dos profissionais de Segurança Pública vacinados contra Covid-19. Em um comunicado, o governo municipal destacou não ter participado “de nenhum critério ou avaliação de elegibilidade para a vacinação” do grupo mencionado.

O texto diz ainda:

“Todo o direcionamento, local e horário, organização da fila, pré-cadastramento e registro no sistema VaciVida ficou de total responsabilidade da Policia Militar e da equipe da Penitenciária de Assis.”

Entretanto, o governo municipal diz que foi de sua responsabilidade “apenas realizar a aplicação do imunizante em parceria com a Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado (GVE 13 – Assis), pois a Policia Militar não tinha profissional qualificado para este fim”.

“Já a Penitenciária de Assis, que dispõe de uma equipe de saúde, realizou a aplicação da vacina de seus servidores.”

*Foto: Divulgação

Desde janeiro, RJ registra alta concentração de geosmina na água

desde janeiro, rj registra alta concentração de geosmina na água

Maior concentração de geosmina na água bateu seu recorde na semana passada, com 0,515 micrograma por litro (μg/L)

Na semana passada, os moradores do Rio de Janeiro voltaram a sofrer com o gosto e o cheiro ruins na água. Segundo último relatório de coleta realizado pela Cedae, a concentração de geosmina/MIB na água foi a mais alta desde o começo do ano: 0,515 micrograma por litro (μg/L).

O relatório ainda apontou que a concentração geosmina na água tratada, que efetivamente chega às residências, registrou o segundo maior valor do ano, 0,183 μg/L. O recorde foi observado na semana anterior, no dia 18 de março, quando o valor chegou a 0,198 μg/L.

Valores de 2020

Em geral, tais valores, são considerados baixos em comparação com os registrados em 2020. Porém, podem causar gosto ruim e odor forte, afirma a Cedae em comunicado.

“Mesmo em baixa concentração, a substância pode alterar gosto e cheiro, apesar de não representar risco à saúde dos consumidores.”

Relatos de moradores

Por meio das redes sociais, moradores afirmam que voltaram a sofrer com o problema. É o caso de uma internauta que se manifestou via Twitter na manhã de ontem (30):

“Em Brás de Pina água com gosto e cheiro horrível já a mais de duas semanas, característicos de Geosmina.”

Por outro lado, uma residente disse que o problema atinge também pessoas da Ilha do Governador:

“É dose aturar Covid-19 e ainda por cima geosmina na água. Na Ilha do Governador tomo banho de geosmina todos os dias!.”

Todavia, um morador aponta que a alteração na água refletiu no sabor da comida:

“Aqui no Andaraí a água está com gosto e cheiro de terra há duas semanas. E sexta feira, no Mc Donald’s do Largo do Machado, o suco de uva estava com gosto da geosmina.”

Nota da Cedae

Portanto, diante deste cenário, a Cedae emitiu uma nota em que diz que vai manter todas as medidas para reduzir a comcentração de geosmina. Isso inclui a aplicação de carvão ativado. Ela ainda disse que nesta semana começará a instalação da bomba que vai jogar a água do Rio Guandu diretamente para a lagoa. Portanto, haverá um aumento da entrada de água e, consequentemente, sua renovação.

“Para combater a geosmina/MIB, produzida por algas que aumentam principalmente devido ao calor, água parada e nutrientes, a Companhia começa a instalar nesta semana, de forma emergencial, um novo sistema de bombeamento de água do Rio Guandu para a Lagoa Grande. A bomba será implantada antes da captação de água da estação de tratamento e vai renovar a água da lagoa. Esta ação, combinada à aplicação de carvão ativado na entrada de água na estação, deverá conter a situação.”

Solução do problema

A Cedae informou que a solução definitiva para esta questão, que engloba a licitação para a realização da obra de proteção da tomada de água da ETA Guandu, está prevista para ocorrer apenas no dia 1º de junho.

Sendo assim, a intervenção prevê a construção de um dique para impedir que as águas dos rios Ipiranga, Queimados e Poços se misturem às do Rio Guandu antes do ponto de captação de água.

A obra tem duração prevista de 24 meses, com investimento de aproximadamente R$ 132 milhões.

*Foto: Divulgação/Guilherme Leporace/O Globo

Interdição das praias de Santos começa neste sábado (13)

interdição das praias de santos começa neste sábado (13)

Interdição das praias de Santos foi antecipada, em vez de começar na segunda-feira, dia 15

A partir de hoje (13), a Prefeitura de Santos antecipa a interdição das praias da cidade do litoral sul paulista. Portanto, agora está proibido o uso total da faixa de areia, além da realização de atividades e esportes no mar.

Antecipação da interdição das praias de Santos

De acordo com o prefeito Rogério Santos (PSDB) a interdição das praias de Santos foi antecipada. Em geral, as restrições anunciadas na última quinta-feira (11) pelo governador do Estado, João Doria (PSDB), passam a valer a partir de segunda-feira (15).

Suspensão da Operação Descida

Além disso, o prefeito afirmou que vai pedir ao governo estadual a suspensão da Operação Descida, no sistema Anchieta-Imigrantes. O objetivo é restringir a entrada de turistas na região. Ele também solicitou reforço no efetivo da Polícia Militar para fiscalizar o cumprimento das novas restrições.

Em declaração à Folha de S. Paulo, ele acrescentou:

“A interdição das praias é uma medida drástica, mas estamos em um momento muito difícil porque o vírus vem avançando na nossa região. É uma situação bem pior do que enfrentamos recentemente.”

Medidas no fim do ano

Todavia, a Prefeitura de Santos já havia adotado medidas para barrar turistas em ônibus de excursão e vans após ter registrado aumento de internações.

Rogério Santos disse ainda que vai pedir mais verba para abertura de novos leitos de UTI. De acordo com a prefeitura, o município estava com 68% dos 288 leitos de UTI ocupados na quinta. Porém, a maior parte dos internados (61%) são de outras cidades da região.

Fase emergencial

Na próxima segunda, todo o estado de São Paulo entrará na fase emergencial do plano de restrições contra a Covid-19. Esta é a mais rigorosa faixa desde o começo da pandemia.

Sendo assim, haverá toque de recolher entre 20h e 5h, proibição de acesso a praias e parques, e restrições também a atividades essenciais.

*Foto: Divulgação/ Matheus Tagé/ A Tribuna Jornal